NOTÍCIAS

A elevação do nível do mar se tornando um perigo para bairros do sul da Flórida/EUA a quilômetros do oceano

A elevação do nível do mar pode parecer um problema apenas para os residentes da costa americana, um perigo que vem com as vistas incríveis e o fácil acesso à praia

Sul-Florida

Imagem ilustrativa

Mas os bairros a 32 quilômetros do interior estão começando a sentir o impacto, já que a elevação do Oceano Atlântico torna mais difícil para que os canais de drenagem se mantenham secos.

O problema apareceu no ano passado na tempestade tropical Eta, quando a água da enchente permaneceu nos bairros do sudoeste de Broward por dias, em parte porque a elevação do nível do mar impediu a drenagem dos canais da região.

“Foi muito assustador”, disse Barb Besteni, que mora no extremo oeste de Miramar. ”Saí de casa com os tornozelos na água. Ele subiu três quartos até a calçada. Eu nunca tinha visto a água tão alta. Foi assustador porque eu não sabia se ele continuaria a subir.”

Embora sua casa na comunidade de Sunset Lakes fique na orla dos Everglades, a elevação mais alta do Atlântico impediu que a água fosse dranada com a mesma eficiência do passado.

“Demorou muito, muito tempo para retroceder”, disse ela. ”Duas ou três semanas para voltar aos níveis normais .”

O South Florida Water Management District (Distrito de Gerenciamento de Água do Sul da Flórida), que opera os grandes canais que levam a água para o oceano, apresentou um pedido de financiamento ao estado na semana de 06 de setembro, para consertar o sistema, com a lista preliminar de projetos estimada em mais de US $ 1,5 bilhão.

Embora caras, as bombas e outras melhorias ajudariam a restaurar a eficiência de um sistema construído após a Segunda Guerra Mundial, que se tornou mais difícil de operar em uma época de aumento do nível do mar.

“Quando a água do oceano está mais alta, não podemos descarregar, então fechamos os portões para evitar que a água do oceano entre”, disse Carolina Maran, oficial distrital de resiliência do South Florida Water Management District. ”Durante o Eta, foi muito mais alto do que o normal. E isso significa mais uma vez que não podemos descarregar no oceano e isso diminuiu nossa capacidade de prevenir e enfrentar as inundações.”

Tempestades sobrecarregam os sistemas de controle de enchentes

Embora nunca seja um bom momento para suportar mais de 15 centímetros de chuva, a tempestade tropical Eta atingiu o sul da Flórida em um período particularmente desafiador.

O solo já havia sido saturado por tempestades anteriores. E as águas costeiras estavam sofrendo uma maré real, um fenômeno que ocorre quando as posições do sol e da lua se combinam para produzir as marés mais altas do ano. Conforme o nível do mar sobe, as marés gigantes ficam mais altas.

Os amplos canais que percorrem os condados de Broward e Miami-Dade, transportando água da chuva para o oceano, dependem em parte da gravidade. Quando a água da chuva aumenta o nível do canal no lado interno, os gestores de água levantam o portão que o divide do lado do oceano do canal e a água flui, eventualmente alcançando o Atlântico.


LEIA TAMBÉM: INFRAESTRUTURA HÍDRICA NOS EUA: INVESTIMENTOS E OPORTUNIDADES PARA O SETOR EM 2021


Mas quando o lado do Atlântico está alto, pode não haver diferença nas elevações entre cada lado do portão, então quando ele é levantado, a água não se move. Ou pior, o lado do Atlântico poderia ser mais alto, então levantar o portão permitiria que a água do oceano fluísse para o interior.

Durante a Tempestade Tropical Eta, os funcionários do Distrito de Drenagem de South Broward se viram consultando gráficos de marés para determinar quando poderiam abrir os portões e descarregar a água.

 

“Tivemos que fechar nosso portão porque o rio abaixo fica igual ao rio acima”, disse Kevin Hart, diretor distrital do Distrito de Drenagem de South Broward, que opera o sistema de canais que alimenta os canais maiores que drenam para o oceano. “Não queremos escoar para dentro, queremos escoar para fora. Temos que fechar nosso portão.”

“Estávamos olhando os gráficos de marés – as marés baixas serão às 2 horas e às 5 ou 6 podemos ver os níveis caindo e abrir nosso portão novamente.”

Sistema envelhecido enfrenta aumento do nível do mar

Construído em grande parte nas décadas de 1940 e 1950, o sistema de drenagem do sul da Flórida tem sido um sistema eficiente – alguns diriam eficiente demais – para manter seca uma parte outrora pantanosa da Flórida.

O sistema contribuiu para o declínio do Everglades, às vezes inundando a área, outras vezes secando.

Mas ele cumpriu o que deveria fazer, mantendo a terra seca para cidades como Pembroke Pines e Miramar, movendo rapidamente a água da chuva através de um sistema de canais para o oceano.

Mas agora esse movimento da água não é tão rápido e nem sempre acontece. Como resultado, as pessoas em cidades sem vista para o mar estão descobrindo que o nível da água do Oceano Atlântico pode afetar suas casas.

Embora as cidades estejam instalando bombas e outros dispositivos de controle de enchentes, eles precisam de capacidade nos canais para se livrar da água.

“Não importa o que façamos, se eles não abaixarem esses canais para que nossa água possa escapar, não há nada a ser feito”, disse Angelo Castillo, um comissário de Pembroke Pines. “Podemos gastar quanto dinheiro quisermos em drenagem, mas se eles não puderem acessar os canais porque os canais não ocupam essa capacidade, nada do que fizermos em termos de transporte de água mais rápido para esses canais funcionará”.

O nível do mar está subindo em uma taxa acelerada, em grande parte devido às mudanças climáticas causadas pela poluição de carros, usinas de energia e outras fontes de gases que retêm o calor. Um estudo da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), em departamento do Governo, diz que o nível do mar global subiu 3,4 polegadas, ou 8,6 centímetros, de 1993 a 2019.

No sul da Flórida, as estimativas do Pacto Regional sobre Mudanças Climáticas do Sudeste da Flórida, que representa os governos locais, preveem que o nível do mar suba mais 10-17 polegadas (25-43 centímetros) até 2040.

Na esperança de renovar o sistema para uma era de aumento do nível do mar, o distrito de gerenciamento de água propôs melhorias em 23 estruturas de drenagem nos condados de Broward e Miami-Dade. Eles variam do sul do condado de Miami-Dade ao Canal Hillsboro, que separa os condados de Broward e Palm Beach.

Os principais projetos seriam a adição de bombas poderosas para permitir que a água seja movida do canal para o lado do oceano, quando o nível do oceano estiver muito alto para mover a água pela gravidade. Mas esses projetos são caros.

As melhorias, supondo que sejam aprovadas, podem ajudar os proprietários com suas contas de seguro contra inundações. Um sistema de drenagem melhor poderia manter as taxas baixas e reduzir o número de propriedades necessárias para obter seguro contra inundações.

O distrito de gestão de água está buscando verbas federais e estaduais para a obra. Assim que o primeiro financiamento chegar, o distrito planeja começar a projetar as novas bombas e outras melhorias para as estruturas de controle de água no canal que drena o sul de Broward e o que drena o nordeste de Miami-Dade.

Jennifer Jurado, que supervisiona o planejamento de mudanças climáticas para o condado de Broward, disse que as melhorias ajudarão a evitar inundações nos bairros em futuras tempestades, mas a região precisa encontrar maneiras de manter o máximo de água possível, em vez de apenas bombeá-la.

“Ele está tentando garantir que o sistema funcione pelo menos tão bem quanto foi planejado”, disse ela. ”É uma grande parte do conserto. Nosso sistema não pode simplesmente bombear. Temos que ser capazes de armazenar o máximo possível, porque a chuva que cai é a chuva que usamos para nosso abastecimento de água. Precisamos para captar e armazenar essa água, além de proporcionar alívio às inundações. “

Referência: Phys Org

Autor: David Fleshler

Adaptado por Portal Tratamento de Água e

Portal Saneamento Básico

Traduzido por Jaqueline Morinelli


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: PROJETO CIENTÍFICO REVELA ALTOS NÍVEIS DE CHUMBO NA ÁGUA DAS ESCOLAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: ÁGUA MINERAL ENCANADA TORNA-SE OPÇÃO PARA DIMINUIR IMPACTO AMBIENTAL DE GARRAFAS PET