NOTÍCIAS

Projeto Puma II terá planta integrada de ácido sulfúrico

Klabin constrói 1ª planta integrada de ácido sulfúrico do Brasil usando gases recuperados do processo

 

industria

Imagem Ilustrativa

 

A Klabin está construindo no Projeto Puma II, junto com a nova linha de produção de papéis para embalagens em Ortigueira, a primeira planta de ácido sulfúrico integrada a uma fábrica de celulose e papel do Brasil, que tornará a unidade autossuficiente na produção do composto químico. Fornecida pela Andritz, a planta aproveitará os gases residuais do processo de cozimento da madeira para transformá-los em ácido sulfúrico, que será aproveitado na própria produção de celulose e papel da fábrica.

O ácido sulfúrico é um dos principais insumos de uma fábrica de celulose. “A implantação de uma planta como esta significa aproveitar com inteligência os subprodutos gerados ao longo da cadeia produtiva em produtos economicamente utilizáveis e ecologicamente sustentáveis, agregando valor à nossa produção”, explicou o gerente de projetos da área de Recuperação e Utilidades da Klabin, Walter Oliveira.

Utilização do ácido sulfúrico

O ácido sulfúrico é utilizado em várias partes do processo produtivo, como nas Máquinas de Secagem, na planta de Tall Oil e nas Linhas de Fibras, entre outras. Essa nova tecnologia, além de estar alinhada à sustentabilidade que a Klabin busca implantar em todas as fases do processo, com tecnologias ambientalmente responsáveis, também viabiliza a redução de custos com a própria produção do ácido sulfúrico e maior independência para a obtenção do insumo.


LEIA TAMBÉM: GESTÃO ENERGÉTICA: COMO ALIAR SUSTENTABILIDADE, CUSTOS E PERFORMANCE NA INDÚSTRIA QUÍMICA


“A Unidade Puma e o Projeto Puma II, desde o início de seus estudos, foram projetadas com tecnologias capazes de aumentar a autossuficiência das fábricas. Isso aprimora o cuidado com o meio ambiente, que é uma das premissas da Companhia, além de contribuir com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU (Organização das Nações Unidas)”, comenta João Braga, Gerente Geral do Projeto Puma II.

Energia é renovável e emissões são reduzidas

A autossuficiência em ácido sulfúrico é apenas um dos exemplos que faz da Klabin e do Projeto Puma II, modelo em sustentabilidade. A Planta de Gaseificação de Biomassa, por exemplo, será responsável por fornecer combustível renovável ao Forno de Cal 2, com a capacidade de carga térmica de 51 MW, substituindo o uso de óleo combustível de origem fóssil. O processo utilizará biomassa e, com isso, reduzirá a “pegada de carbono” da fábrica. Na nova unidade, também será instalado o Turbogerador 3 (TG-3), que tem a finalidade de transformar a energia térmica do vapor (produzido nas Caldeiras de Recuperação e Força, com base em biomassa) em energia elétrica. A energia gerada no conjunto de 3 turbinas da Unidade Puma será utilizada para atender a própria demanda.

Fonte: A Rede.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: PESQUISA APONTA CONCENTRAÇÃO RECORDE DE COVID-19 EM ESGOTOS DO RJ

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: OBRAS VÃO AMPLIAR TRATAMENTO DE ESGOTO EM ESTEIO/RS