Notícias

Cientistas descobrem uma maneira de remover microplásticos da água usando bactérias

Publicado em 03/05/2021 às 10:13:14

Propriedade pegajosa de bactérias usadas para criar redes de micróbios podem capturar microplásticos na água

 

microplasticos

Imagem Ilustrativa

 

Microplásticos são fragmentos de plástico, geralmente menores que 5 mm, que são acidentalmente lançados no meio ambiente durante a produção e decomposição de, por exemplo, sacolas de supermercado ou garrafas de água – ou durante atividades cotidianas, como lavar roupas sintéticas, como náilon ou usar produtos de higiene pessoal com microesferas de limpeza neles.

Embora sejam minúsculos, o risco que representam para o meio ambiente é enorme. Os microplásticos não são facilmente biodegradáveis, por isso permanecem por muito tempo e também absorvem e acumulam produtos químicos tóxicos. Eles se dispersam em águas residuais e nos oceanos, colocando em risco os animais marinhos que acabam comendo-os e, eventualmente, escorrendo para a cadeia alimentar e prejudicando a saúde humana também. Os microplásticos foram encontrados em mais de 114 espécies aquáticas em 2018, de acordo com a Organização Marítima Internacional, e foram encontrados no sal, em alfaces, maçãs e muito mais. No entanto, não há nenhuma maneira sustentável e única de eliminar os microplásticos.

Microbiologistas criaram uma maneira sustentável de remover microplásticos do meio ambiente, e querem usar bactérias para fazer o trabalho

As bactérias tendem naturalmente a se agrupar e aderir às superfícies, e isso cria uma substância adesiva chamada “biofilme”. Pesquisadores da Universidade Politécnica de Hong Kong (PolyU) querem usar essa propriedade de bactéria pegajosa e criar redes de micróbios semelhantes a fitas que podem capturar microplásticos em água poluída para formar uma bolha facilmente descartável e reciclável.

Embora essas descobertas, apresentadas na quarta-feira passada na conferência anual da Sociedade de Microbiologia , ainda sejam preliminares, esta invenção pode abrir caminho para a redução sustentável dos níveis de poluição do plástico a longo prazo, simplesmente usando algo encontrado na natureza.

“É imperativo desenvolver soluções eficazes que capturem, coletem e até mesmo reciclem esses microplásticos para interromper a ‘plastificação’ de nossos ambientes naturais”, disse Sylvia Lang Liu, pesquisadora de microbiologia da PolyU e pesquisadora líder neste projeto.


LEIA TAMBÉM: OXIDAÇÃO ELETROLÍTICA PODE REMOVER MICROPLÁSTICOS DIRETAMENTE NA FONTE


Com essa pesquisa, a equipe de Liu desenvolveu um biofilme bacteriano, a partir de uma bactéria chamada Pseudomonas aeruginosa, capaz de imobilizar e incorporar microplásticos nocivos flutuando na água. Essas redes de micróbios prendem e agrupam os microplásticos e os fazem afundar na água. Então, graças a um “mecanismo de captura-liberação” usando um gene de dispersão de biofilme, os pesquisadores podem retirar os microplásticos das armadilhas de bactérias e se estiverem em grandes quantidades, poderão ser reciclados.

“Esta é uma aplicação realmente inovadora e empolgante da engenharia de biofilme para lidar com a crise de poluição do plástico”, disse a Dra. Joanna Sadler, pesquisadora da Universidade de Edimburgo, que não esteve envolvida neste estudo. “Um dos maiores desafios ao lidar com microplásticos é capturar essas partículas pequenas para que possam ser degradadas e removidas do meio ambiente. Liu e colegas de trabalho demonstraram uma solução elegante para este problema, que possui um grande potencial para ser desenvolvido em uma tecnologia de tratamento de águas residuais do mundo real.”

Bactérias formadoras de biofilme natural

No entanto, o experimento ainda é preliminar. Foi realizado como um teste de prova de conceito em um ambiente de laboratório controlado e não no oceano ou nos esgotos; e foi feito usando a cepa de bactéria “aeruginosa”, que é uma bactéria transmissora de doenças para humanos e provavelmente não poderia ser usada em projetos de grande escala. Mas os pesquisadores estão confiantes de que o método pode ser replicado para encontrar bactérias formadoras de biofilme natural diretamente em esgotos ou outros ambientes aquosos e partir daí.

“Em termos de captura de microplásticos, é um desenvolvimento interessante”, disse o Dr. Nicholas Tucker , professor sênior de microbiologia molecular na Universidade de Strathclyde, que não esteve envolvido no estudo. “Será interessante ver se é escalonável”. De acordo com Tucker, será necessário haver mais pesquisas sobre os tipos de superfícies nas quais o biofilme pode crescer.

No entanto, pesquisas como essa fornecem um bom exemplo dos muitos usos da biotecnologia microbiana e dos grandes feitos que as pequenas bactérias podem realizar.

“Em geral, isso mostra que os micróbios podem e irão desempenhar um papel em todas as fases do ciclo de vida dos plásticos”, disse Tucker.

Fonte: The Guardian.

 

Traduzido e adaptado por Renata Mafra

renata@tratamentodeagua.com.br


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: PARA GARANTIR QUALIDADE DA ÁGUA, DAE JUNDIAÍ/SP COLETA AMOSTRAS NA CIDADE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: PRESERVAÇÃO DE MANANCIAIS DEVE SER PRIORIDADE PARA SANEAMENTO EM SP


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *