NOTÍCIAS

Estamos realmente ficando sem água?

Certamente já aconteceu com você, de estar tomando banho e de repente ficar sem água. Quem você culpa quando isso acontece? A falta desse recurso agravada pelas mudanças climáticas? O governo e suas políticas públicas? Ao uso indiscriminado desse recurso pelos consumidores? Ou as empresas encarregadas de fazer a gestão da água e levá-la para sua casa?

Muitos fatores têm a ver com a falta de água, desde as mudanças climáticas até os hábitos nas casas

Imagem ilustrativa

Na realidade, o problema do abastecimento de água no México e no mundo, que faz com que você fique sem água, é muito complexo e tem muitos pontos de vista, pois é uma responsabilidade compartilhada: um recurso cada vez mais escasso, um uso cada vez mais excessivo, ineficiência na gestão da agua pelos governos e empresas.

Tanto no México quanto no mundo, a água é um recurso cada vez mais escasso ou de qualidade inferior e, quando é atingido o nível onde a demanda é maior do que a quantidade disponível, é definido como estresse hídrico.

O Aqueduct é um órgão global que trabalha com empresas, governos e parceiros de pesquisa para promover as melhores práticas na gestão de recursos hídricos e, em agosto de 2019, lançou seu “Water Stress Atlas“, no qual analisa essa situação em 198 países.

São 17 países com estresse hídrico extremamente alto, o Catar está em primeiro lugar, seguido por Israel, Líbano, Irã e Jordânia, embora também haja alguns dos mais populosos, como Índia e Paquistão. Nestes países, durante um ano médio, a agricultura, a indústria e os municípios consomem 80% das águas superficiais e subterrâneas disponíveis.

A segunda categoria, composta por 27 países, são países com alto estresse hídrico. O México está entre eles, ocupa a 24ª posição do ranking mundial e junto com o Chile, que está em 18º lugar, são as duas únicas nações do continente americano com essa situação.

Ao analisar o caso do México, descobrimos que a extensão e diversidade do território geram um cenário diverso, pois há áreas com graves problemas de água e outras onde a quantidade de recurso disponível é mais que suficiente.

“O México tem terras que são desertos e, portanto, há uma escassez natural de água e há partes do país onde temos mais abundância de água. Portanto, existe uma questão do abastecimento natural de água que é muito variável em todo o país, e temos que admitir que está em profundas mudanças e que podemos esperar que com a questão do clima mude cada vez mais ”, explica Adriana Lobo, Diretor Executivo do World Resources Institute (WRI) México.

De acordo com o Atlas das Águas 2018 elaborado pela Comissão Nacional de Águas (Conagua), a região com maior estresse hídrico é a Área Metropolitana do Vale do México, onde há uma disponibilidade por habitante de 144 metros cúbicos de água por ano .

Por outro lado, praticamente todo o norte do país registra um alto nível de estresse hídrico, por exemplo, na região que inclui as áreas metropolitanas de Monterrey, Reynosa, Ciudad Juárez e Chihuahua, há um recorde de 1.019 metros cúbicos de água por ano por habitante, em contraste com a região de Tabasco e Chiapas, onde este indicador chega a 18.776 metros cúbicos por habitante por ano.

Em nível nacional, a média de água per capita é de 3.656 metros cúbicos por habitante por ano.

“ Dois terços do país são considerados áridos ou semi-áridos com poucas chuvas. 70% da população vive nas cidades, o que implica maiores demandas de água, e o centro-norte do país, onde 32% da água está disponível e 77% da população vive, é onde se apresentam os maiores desafios para água. Enquanto no sul-sudeste há a menor população, cerca de 23%, e a maior quantidade de água: 68% ”, resume Eduardo Vázquez, Diretor Executivo da Água Capital.

Esta situação é agravada por dois fatores: a cada ano a população aumenta e a água disponível diminui.

“Talvez em cerca de 10 ou 15 anos tenhamos 10% menos água do que temos agora à disposição de cada um”, acrescenta Aldo Ramírez, professor do Centro de Águas da Escola de Engenharia e Ciências do Tec de Monterrey.

Os usuários

De acordo com estatísticas do Conagua, em 2017 (data do último relatório publicado), 87,842 milhões de metros cúbicos de água foram destinados ao uso agrícola , abastecimento público, indústria de auto-abastecimento e termelétricas.

A atividade agrícola é a que mais recebe água: 76% (equivalente a 66.799 milhões de metros cúbicos); em segundo lugar, vem o abastecimento público, com 14,4% (12.628 milhões de metros cúbicos); 4,9% (4.267 milhões) são destinados ao uso industrial integrado e, às termelétricas, 4,7% (4.147 milhões).

E embora as atividades agrícolas mundiais consumam mais água, no México está um pouco acima da média global, que é de 70%.

Apesar de que, nesses indicadores existam diferenças importantes, por exemplo, na Índia, 90% da extração anual de água doce é para uso agrícola; 2,2%, industrial, e 7,4% para abastecimento público; na Indonésia, os percentuais estão distribuídos em 81,9% agrícolas, 6,5% industriais e 11,6% de abastecimento público.

Em contraste, a Rússia aloca 19,9% para uso agrícola, 59,8% para uso industrial e 20,2% para abastecimento público; e na França a distribuição é 10,4% agrícola, 71,5% industrial e 18,1% para abastecimento público, segundo dados do Banco Mundial.

No Brasil, dados de 2018 do Senado, mostram que  67,2% para uso agrícola, 9.5% para uso industrial , 22,2% para abastecimento urbano, rural e animal,  0,3% para termelétricas e 0,8% para mineração.

No entanto, essa proporção do uso de água na agricultura no México não é necessariamente uma situação negativa.

“O uso da água como principal fonte para a agricultura é algo que se repete globalmente, ou seja, a agricultura é realmente uma atividade muito intensiva em água, e todos concordamos que é bom usar a água para comer”, afirma Lobo .

No entanto, esses números refletem quem são os principais consumidores desse recurso e mostram que, ao contrário do que muitas vezes se afirma, é uma atividade que consome um percentual menor da água disponível no país.

“No caso da indústria, não somos um player relevante em questões volumétricas. Sim, somos um ator visível ”, considera Carlos Hurtado, Gerente de Desenvolvimento Sustentável da Fundação FEMSA.

Isso não significa que algum desses consumidores (agricultura, consumo doméstico, termelétricas e indústria) tome ações e desenvolva estratégias para tornar mais eficiente o uso desse recurso.

“A verdade é que temos as maiores áreas de oportunidade no uso agrícola. É onde usamos a água de forma mais ineficiente. E se os sistemas de irrigação ainda são os antigos, convencionais, perde-se muita água, não dá realmente para uso produtivo. Às vezes é um fácil encontrar um possível culpado, e se vemos uma grande indústria que pode estar usando volumes significativos de água, imediatamente muitas pessoas se voltam para dizer ‘a culpa é da indústria’, mas os números não dão assim ”, Reconhece o professor da Tec de Monterrey.

Nesta área, o país também enfrenta grandes contrastes, pois existem entidades como Sinaloa e Colima que destinam mais de 90% da água potável à atividade agrícola; enquanto Quintana Roo e Guerrero, menos de 30%, e Cidade do México apenas 0,1%, já que 97,1% vai para abastecimento público.

Em contrapartida, para a indústria autossuficiente, Quintana Roo relata que usa 53% de água potável, enquanto Veracruz e Puebla estão entre 15 e 20%, ao contrário de Guerrero e Sinaloa: 0,5%.

“No caso das cidades e do campo, a tendência é muito clara e os números refletem grandes ineficiências e desperdícios. O setor agrícola tem vários elementos que são relevantes para colocar na mesa: eles não pagam pelo uso da água e não é só isso, mas têm subsídios para energia elétrica para bombeá-la, com a qual obviamente têm um incentivo desalinhado para usar da maneira melhor ”, diz Vázquez.

Conhecer essa situação pode ajudar a entender um pouco melhor o problema do abastecimento de água e encontrar possíveis soluções.

“Uma das questões mais importantes que temos que fazer como sociedade é reconhecer que a questão da água é um problema de todos e todos nós temos que trabalhar nisso. Temos a plataforma Water Funds, que é uma plataforma de ação coletiva para aproximar os diferentes membros da sociedade a criar uma visão comum do que queremos ou como deve ser a nossa relação com a água a partir da ciência ”, acrescenta Hurtado.


LEIA TAMBÉM: ESCASSEZ HÍDRICA NO SUDESTE E CENTRO-OESTE É A PIOR DA HISTÓRIA


As alternativas

Extrair água de aquíferos ou gerar grandes obras de infraestrutura, como o sistema Cutzamala, responsável por cerca de 30% do abastecimento de água da Área Metropolitana do Vale do México, têm sido as alternativas mais comuns para levar água às cidades do país.

No entanto, é necessário promover outros tipos de iniciativas e desenvolver soluções baseadas na ciência e na natureza para fazer frente à carência, que se tornará maior se medidas não forem tomadas.

“Trazer água de outras bacias, de outros estados, implica conflitos que vemos em Cutzamala, conflitos que vemos na barragem de El Zapotillo, conflitos que vemos em Sonora, com o Aqueduto da Independência, conflitos que outrora ocorreram também entre Nuevo León e Tamaulipas. Nesse sentido, teríamos que pensar em soluções mais naturais ”, argumenta Ramírez.

Esse tipo de iniciativa requer não apenas a participação dos governos, mas também da academia, da sociedade civil, dos cidadãos e da indústria.

“Achamos que as soluções baseadas na natureza são de longo prazo, mas em geral são soluções mais profundas, mais duráveis ​​e que resolvem mais problemas ao mesmo tempo, problemas muito mais complexos em seu contexto. As soluções baseadas na natureza em geral apresentam uma série de benefícios bastante amplos ”, afirma Lobo.

Esse tipo de solução visa, entre outros efeitos, manter as áreas de recarga dos aquíferos, para que a água seja adequadamente infiltrada,  implantar soluções como aproveitamento de águas pluviais ou sistemas de reuso, implantação de lagoas de bioretenção e pântanos, entre outras alternativas.

Muitas dessas alternativas foram desenvolvidas e vistas graças aos chamados Fundos da Água, plataformas de colaboração de vários atores, em sua maioria do setor privado, que promovem um conjunto de ações e abordagens de ações baseadas na natureza, para promover a segurança hídrica em diferentes cidades do país.

Existem atualmente, pelo menos, 26 instrumentos deste tipo em toda a América Latina, que formam a Aliança Latino-Americana de Fundos de Água, uma estrutura de cooperação e colaboração entre o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Fundação FEMSA, Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), a Iniciativa Internacional do Clima (IKI) e a The Nature Conservancy (TNC) para contribuir com a segurança hídrica na América Latina e Caribe

“Os Fundos de Água para nós têm vários componentes que os tornam não só bem-sucedidos, mas acreditamos que podem ser a pedra angular desta nova forma de fazer esta ação coletiva. A primeira é: sentamos as pessoas ao redor da mesa para compartilhar uma visão; é mais provável que cheguemos a uma solução compartilhada se todos expressarem a visão do problema e o compreenderem da mesma maneira. E para ter essa compreensão é muito importante nos basearmos na ciência ”, explica Hurtado.

Feito isso, cada ator que participa desses fundos contribui para a solução, de acordo com seus pontos fortes, assim, por exemplo: a iniciativa privada convoca os atores e empurra soluções inovadoras, a academia contribui com os estudos e conhecimento, os governos criam o políticas públicas e destinam os orçamentos para sua implementação; e a sociedade civil acompanha e convoca os cidadãos a fazerem parte das soluções.

Ações

Embora a indústria consuma menos de 5 litros em cada 100 litros de água potável no país, a iniciativa privada em geral e, muitas empresas em particular, assumiram a responsabilidade de cuidar desse recurso muito a sério.

“Sem dúvida, o setor tem desempenhado um papel relevante na promoção de iniciativas inovadoras não só na área de Fundos de Água, mas também em investimentos tecnológicos. E faz sentido, porque o principal incentivo que a indústria tem é que, se não forem eficientes no uso da água, dificilmente serão eficientes na gestão de suas operações e de seus negócios. Havendo um incentivo muito claro e, portanto, eles investem muitos recursos para promover o equilíbrio hídrico ”, pondera Vázquez.

Exemplo disso é o caso da Coca-Cola FEMSA, que se compromete a garantir que a água utilizada para a produção seja devidamente tratada e devolvida à natureza com uma qualidade superior à exigida pela norma ambiental, incluindo a água usada para fazer bebidas.

“Como vamos recuperá-lo? Fazemos de várias formas: a primeira é devolver a água ao meio ambiente ou às comunidades por meio de esforços, como reflorestamento e conservação e isso porque, quando você refloresta uma área, o que está fazendo é reabilitar a esponja natural que nós temos lá, então quando chove, em vez de a água correr e sair, ela para e se infiltra em nossos mantos, então o equivalente a essa água está voltando ”, explica o gerente da Fundação FEMSA.

Além disso, acrescenta, os projetos são desenvolvidos em comunidades que não têm água e onde são instalados poços ou estruturas de captação de água da chuva.

Essas ações são baseadas em metodologias internacionalmente aceitas que definem a quantidade de arvores infiltradas, a área conservada ou quanta água é captada pela infraestrutura instalada.

Outro exemplo palpável está em San Cristóbal de las Casas, na área de Altos de Chiapas, uma das cidades com maior disponibilidade hídrica do México, pois os dados de Conagua indicam que tem um volume médio anual de disponibilidade de 33.908 milhões de metros cúbicos. É a planta com maior eficiência no aproveitamento da água da Coca-Cola FEMSA, já que registra em média 1,17 litros de água por litro de bebida produzida.

Essa planta é certificada como Indústria Limpa nível 2 pela Procuradoria Federal de Proteção ao Meio Ambiente (Profepa), enquanto sua Estação de Tratamento de Efluentes é a única em operação na área de San Cristóbal.

Além disso, desde 2008  promoveu o plantio de mais de 150 mil árvores, bem como a instalação de 19 cisternas comunitárias, 38 telhados de captação de água, 45 pomares de quintal, 35 fogões a lenha e 15 pomares.

O futuro

Em termos de abastecimento de água, o preço de não fazer nada será, a médio e longo prazo, muito mais alto do que o de tomar as medidas necessárias para evitar uma grande crise.

Promover o uso eficiente do recurso em todos os setores, proteger e expandir as zonas de recarga dos aquíferos, manter e criar mais infraestruturas, promover a captação de águas pluviais e a instalação de estações de tratamento de água, são algumas das alternativas que devem ser tomadas para evitar cenários de grandes dimensões de escassez.

“Há coisas a fazer ao longo do caminho, questões culturais de reaproveitamento, questões técnicas, mas temos que avançar neste caminho: na questão da água da chuva, a verdade é que temos poucos casos em que poderíamos dizer ‘ah, olhe, nesta cidade está se trabalhando na coleta de água da chuva como um recurso adicional. ‘ Assim também a gente podia andar um pouco nesse caminho ”, diz o professor do Tec.

As mudanças nos padrões de chuva, geradas pelas mudanças climáticas, representam um cenário de maior incerteza e escassez.

“Talvez em um ano, a mesma quantidade de água caia em uma região, mas em vez de cair em três meses, caia em um. Então isso gera problemas de enchentes, mas também, só tem uma certa capacidade de ter a água armazenada e aí o resto vai embora; e os períodos de seca estão cada vez mais intensos e maiores e maiores ”, explica Hurtado.

Por isso, a coordenação e cooperação de todos os setores é necessária para encontrar o maior número de soluções viáveis.

“No caso do Vale do México, há estudos recentes de instituições acadêmicas como a UNAM, organizações como o Banco Mundial, que estimam que, em um dado momento, se continuarmos neste ritmo, em 50 ou 60 anos , os aqüíferos do Vale podem estar comprometidos em termos de vida útil e tenho certeza que este é o mesmo fenômeno que temos em Monterrey, Guadalajara e outros centros urbanos.

 

“Isso mostra a necessidade de tomar decisões substanciais, mostra a necessidade de investir mais recursos, mostra a necessidade de ser mais eficiente, inovação tecnológica, promovendo novos modelos de gestão, cuidando dos ecossistemas, melhor se preparando para os efeitos das mudanças climáticas, ter um sistema financeiro sólido para o setor de águas e para gerar os incentivos adequados, para que todos os setores e cidadãos trabalhem juntos ”, acrescenta o Diretor da Água Capital.

E há cenários onde o impacto dos fenômenos climáticos pode ser muito severo em nosso país, já que se estima que cerca de 68% da população e 71% do PIB estariam expostos aos efeitos negativos das mudanças climáticas. Para citar um exemplo, poderíamos ter uma redução de safra entre 5 e 20% da atual; embora, se a situação se agravar, se esperem reduções entre 40 e 70% na produção de alimentos.

“Perdas dessa magnitude são extremamente graves e estão totalmente ligadas ao ciclo da água. Portanto, não estar atento em criar soluções é nos expor a crises de magnitudes às quais não queremos ser expostos. Temos que agir, estar vigilantes, ativos, planejando a longo prazo, porque aqui é inútil resgatar uma safra de um ano, se sabemos que esses fenômenos têm aplicações de muito longo prazo ”, finaliza Lobo.

Referência: Animal Politico (redação)
Adaptado para o Portal Tratamento de Água
Traduzido por Jaqueline Morinelli


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: ANUALMENTE, MAIS DE 12 MILHÕES DE MORTES NO MUNDO ESTÃO RELACIONADAS À CRISE CLIMÁTICA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: O QUE É LODO?