NOTÍCIAS

Governança da água, é hora de inovar

Governança da água – Estamos cada vez mais conscientes da complexidade do mundo em que vivemos, das inúmeras inter-relações de que dependemos e da incerteza com que, muitas vezes, temos de enfrentar soluções.

Esta realidade tem levado a uma maior complexidade e horizontalidade das políticas públicas, onde a soma das políticas setoriais já não é suficiente para enfrentar os desafios que enfrentamos. Uma visão mais sistêmica e instrumentos inovadores são necessários para enfrentar o aumento dos desafios ambientais

Governança da água

Imagem ilustrativa do Canva

O setor de água também não ficou imune a essa complexidade. Nos últimos anos, o grande desenvolvimento das políticas ambientais, promovido entre outros pelo European Green Deal e seus instrumentos de desenvolvimento, tem envolvido a gestão da água em políticas como mitigação e adaptação às mudanças climáticas, transição justa, economia circular, promoção da biodiversidade, prevenção da poluição, etc.

Em outras palavras, a água deixou de ser uma mera política setorial para estar envolvida no desenvolvimento de muitas políticas horizontais , tornando a água um dos setores mais envolvidos em diferentes políticas. Isso significa que temos que mudar nossa perspectiva em relação à governança hídrica e apostar nela como uma ferramenta fundamental tanto para acabar com os problemas conhecidos do setor, quanto para enfrentar a segurança hídrica diante de novos desafios e crises futuras.

O caminho para uma nova cultura de governança da água

Com o objetivo de avançar nessa direção, foi publicado em 19 de abril o relatório “O caminho para uma nova cultura de governança da água” , elaborado pela Associação Espanhola de Abastecimento de Água e Saneamento (AEAS) e Conama.

O documento, resultado dos debates e reuniões que o Comitê Técnico de Governança da Água do Conama realiza desde 2018, analisa a situação da governança da água na Espanha por meio dos Princípios de Governança da Água da OCDE (eficácia, eficiência e confiança e participação) e seus Indicadores de Governança Estrutura.

Mostra, sem dúvida, o extenso trabalho realizado sobre a boa governança da água na Espanha, embora lance luz sobre as deficiências que ainda existem e as áreas que exigem maiores esforços, como o estabelecimento claro de objetivos e seu cumprimento ou os mecanismos que favorecem a coordenação entre as escalas territoriais.

São também abordadas questões essenciais como a melhoria da formação, transparência e sistemas de informação; a aplicação do princípio de recuperação de custos ou a importância de estabelecer um plano de investimento adequado e realista. Também é necessário aplicar novas práticas inovadoras de governança da gestão da água , que estimulem a experimentação para tirar lições e compartilhar experiências antes de realizar reformas ou processos em maior escala.

Outro ponto destacado é que as instituições devem ser capazes de promover processos inovadores de governança da água, promovendo iniciativas de cooperação de baixo para cima (bottom-up) entre o governo e os diferentes atores envolvidos. Desta forma, pretende-se promover não só o diálogo, mas também a aprendizagem social que desencadeie processos de cooperação entre territórios e utilizadores.


 

LEIA TAMBÉM: A NECESSIDADE DE PROMOVER O REÚSO E A MELHORIA DA GOVERNANÇA PARA ENFRENTAR A CRISE HÍDRICA


 

Além disso, processos de cocriação multiagentes são essenciais para apoiar a tomada de decisões e plataformas que favorecem o aprendizado com as falhas na política e governança da água, para catalisar e ampliar as melhores práticas. É preciso inovar, mesmo nos mecanismos usuais de compartilhamento de informações, de troca de conhecimentos e experiências, que ajudem a superar a divisão entre ciência, política e prática , e também nas formas de geração de capacidades, formação, conscientização e corresponsabilidade dos diferentes interessados.

Inovação além da tecnologia

A inovação no setor da água não deve se limitar à tecnologia, mas deve se preocupar em facilitar novas formas de administração e governança da água, como outros setores já começaram a fazer.

É o caso do setor de energia, que está imerso em tantos desafios, onde já está sendo elaborado um decreto régio de inovação regulatória. A norma, que cria um banco de ensaios regulatório para a implementação de projetos-piloto, permitirá o lançamento de projetos inovadores, limitados em volume, duração e abrangência geográfica, que exigem isenções de regulação setorial. Os testes realizados dentro dos projetos piloto serão realizados de forma segura e controlada e sempre com o objetivo de facilitar a pesquisa e a inovação no setor elétrico.

Investir em sistemas de governança inovadores pode levar a uma política de água mais interconectada e horizontal . Isso teria um benefício extra, pois servirá de motor para outros setores, como agroalimentar, indústria, energia, turismo ou planejamento urbano, entre outros. Em outras palavras, se uma política de adaptação às mudanças climáticas for implementada no âmbito do setor de água, isso promoverá a adaptação nesses setores de forma sinérgica.

Em suma, é hora de ousar inovar em novos instrumentos de governança , gerar bancadas de teste que nos permitam explorar novas soluções e assumir que as melhores propostas são extraídas dos erros. Isso, porém, só será possível de uma forma: com o real comprometimento e corresponsabilidade de todas as partes envolvidas e a geração de espaços seguros para a inovação.

Fonte: iagua
Adaptado para Portal Tratamento de Água
Traduzido por Jaqueline Morinelli


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: FILTRO MOVIDO A ENERGIA SOLAR É CAPAZ DE ELIMINAR VÍRUS E BACTÉRIAS DA ÁGUA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: PLANO DE SEGURANÇA HÍDRICA DA PARAÍBA: GOVERNO E BANCO MUNDIAL REALIZAM MISSÃO DE APOIO À SUA IMPLEMENTAÇÃO