Notícias

Desenvolvendo uma Estratégia de Gestão da Água para a Temporada de Seca e Incêndios

Publicado em 07/06/2021 às 14:10:45

O ano de 2020 foi verdadeiramente devastador para os incêndios florestais

abastecimento de agua

Da Califórnia à Austrália, o mundo teve uma visão em primeira mão de como as condições mais quentes e secas estão permitindo períodos mais severos de seca – resultando em temporadas mais longas de incêndios e maior escassez de água.

Significativamente, mais de 10,3 milhões de acres foram queimados em 2020, em comparação com 4,7 milhões de acres no ano anterior. Esses números, juntamente com os alertas de aumento das temperaturas e aumento das secas, representam uma dura realidade para as concessionárias. A pressão está ligada para fazer valer cada gota d’água. Prevenir a perda de água antes que chegue ao usuário final, também conhecida como perda de água não faturada, é mais crítica do que nunca.

Uma análise da Frost & Sullivan mostra que quase um terço de toda a água é perdida antes de chegar ao cliente. Estima-se que cerca de 126 bilhões de litros e US $ 39 bilhões de água não faturada são perdidos anualmente. A escassez de água resultante em meio a essas perdas prejudica os serviços públicos e as comunidades que atendem durante todo o ano. Os riscos são ainda maiores durante a temporada de seca e incêndios, pois a escassez e a pressão mais baixa da água podem resultar em incêndios florestais prolongados.

Simplificando, as concessionárias de água devem estar equipadas para monitorar e responder a ameaças potenciais ao seu abastecimento em tempo real, para combater a perda de água não faturada e proteger suas comunidades. Felizmente, a tecnologia está em um lugar hoje para apoiar esses esforços e até mesmo ajudar a permitir uma maior conservação geral.

O gerenciamento de Internet of Things (IoT) e Edge Intelligence Asset está entre os desafios mais urgentes para as concessionárias de água, já que a maioria dos sistemas de transporte de água tem mais de 60 anos e é em grande parte subterrânea. Isso torna esses sistemas antiquados muito difíceis e caros de manter. De acordo com a American Water Works Association, custará cerca de US $ 1 trilhão nos próximos 25 anos para atender às demandas dos Estados Unidos por água potável. Além disso, pelo menos US $ 271 bilhões mais provavelmente será necessário para apoiar os mais de 56 milhões de novos usuários que serão conectados a sistemas de tratamento centralizados nas próximas duas décadas como resultado da urbanização. Nossa infraestrutura está em tempo emprestado – levando a uma urgência cada vez maior de ter insights mais granulares sobre os desafios de gerenciamento de operações de água no mais tempo real possível. Aqui está a oportunidade com IoT e inteligência de ponta.

Sensores IoT colocados nos limites das redes podem tomar decisões sobre os dados coletados localmente, abrangendo todo o sistema de distribuição da água, alimentados por inteligência artificial ou poder de processamento descentralizado que reúne informações em tempo quase real, ajudam a identificar perdas físicas na forma de vazamentos ou até mesmo furto “ouvindo” a frequência do som da água passando pelas tubulações para saber para onde está indo. A tecnologia pode então usar algoritmos avançados para identificar esses pontos problemáticos e permitir que os serviços públicos reajam rapidamente com ações corretivas.

Ter esse conhecimento profundo de onde as falhas na infraestrutura estão ocorrendo permite que as concessionárias minimizem os custos gerais e as interrupções do serviço. Isso pode limitar a necessidade de respostas de emergência após o expediente e pode diminuir os tempos de resposta para minimizar a perda de água quando ocorrerem vazamentos. Além disso, com relação à temporada de seca e incêndios, a IoT também permite uma visão 24 horas por dia, 7 dias por semana das reservas de água e a disponibilidade da infraestrutura de água para apoiar os bombeiros durante os incêndios florestais.

 

LEIA TAMBÉM: Como a poluição do meio ambiente por plástico pode prejudicar sua saúde

 

Modelagem e Simulação

Modelos de dados baseados em dados atuais e históricos podem ajudar as concessionárias a gerenciar melhor os recursos hídricos e identificar maneiras de reduzir o uso, equipando-os com uma linha de base. A partir daí, identificar o uso excessivo de água pode ajudar com a sinalização antecipada de vazamentos potenciais atrás do medidor e fornecer informações sobre ineficiências em larga escala. Esses insights permitem que as concessionárias melhorem a experiência geral do cliente e otimizem os fluxos de receita, reduzindo o desperdício de água e melhorando o acesso à água.

Além disso, a modelagem de dados pode ajudar as concessionárias a desagregar a perda de água e, portanto, determinar onde e como a água está sendo perdida. Por exemplo, sensores de vazamento instalados no tubo de abastecimento de água podem analisar padrões de som todos os dias, detectando vazamentos novos, em evolução e pré-existentes automaticamente. Esses dados agregados destacam o status e a localização de possíveis vazamentos. Com o tempo, o banco de dados em expansão de informações históricas do sensor fornece uma avaliação abrangente da condição de todo o sistema de distribuição de água, ajudando as concessionárias a mitigar a perda de água de forma proativa.

As concessionárias também podem identificar se o acesso à água está sendo impedido por furto e se o uso da água está sendo cobrado corretamente. Com essas informações em mãos, a concessionária pode explorar essas perdas para ajudar a reduzir o furto ou o uso indevido. No esquema mais amplo, essa prática serve para maximizar os recursos e garantir que cada gota de água seja contabilizada.

Digital Twin

À medida que as preocupações com a escassez de água aumentam, é mais importante do que nunca garantir a otimização da rede. O planejamento baseado em dados é fundamental e, por esse motivo, gêmeos digitais, ou representações de software de ativos e processos, são valiosos para identificar vazamentos e ajudar nas flutuações sazonais da demanda.

Construir um gêmeo digital de um sistema de água permite que as concessionárias desenvolvam e treinem modelos de dados para entender e se preparar para os altos e baixos da demanda de água, um elemento crítico do planejamento e gestão dos recursos hídricos urbanos.

Além disso, a maioria das regiões secas depende da suplementação de seus próprios recursos hídricos com água adquirida de outras regiões. Só isso pode ser caro e agravado pela perda de água e em tempos de escassez de água. Nesse caso, um gêmeo digital pode aplicar conhecimento histórico a modelos de dados para prever a disponibilidade de água, ajudar a gerenciar o armazenamento e prever os custos de água.

Conclusão

A conservação da água é pertinente nos próximos meses, à medida que entramos na temporada de seca e incêndios florestais. Também se tornou uma necessidade constante, pois a água potável em todo o mundo se tornou um bem cada vez mais precioso. A gestão da água é extremamente importante para prevenir e ajudar a combater incêndios. Além disso, a escassez de água é um problema crescente que aflige comunidades em todo o mundo.

É nossa responsabilidade, não apenas como indústria, mas como cidadãos globais, resolver a crise de perda de água não faturada. A infraestrutura atual está em apuros e a mudança climática não está indo embora. Sabendo disso, devemos estar dispostos a inovar nossa abordagem de gestão com tecnologia se quisermos proteger o recurso mais precioso do mundo para esta geração e para as gerações futuras.

Fonte: WaterWorld


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *