NOTÍCIAS

Acelerada pelo Google, Agrosmart recebe aporte do fundo de investimento paulista, após convite para programa da NASA

Plataforma monitora plantações em tempo real, auxilia produtor na tomada de decisão no campo, reduz consumo de água e energia e aumenta a produtividade

A Agrosmart, empresa que criou o conceito de cultivo inteligente, monitorando fazendas em tempo real, recebe aporte do Fundo de Inovação Paulista, realizado pela Desenvolve SP, e agora faz parte do portfólio de empresas da SP Ventures (www.spventures.com.br). O fundo tem patrimônio de R$ 105 milhões e realiza aportes que variam de R$ 2 milhões a R$ 6 milhões por companhia.

O destaque da ferramenta desenvolvida pela Agrosmart é proporcionar uma economia de até 60% no uso de água e energia na irrigação. A plataforma monitora, por meio de sensores no campo, mais de 10 variáveis ambientais e gera recomendações ao agricultor em relação à irrigação, doenças e pragas. Com a solução, agricultores podem economizar até 60% de água e energia, o que impacta consideravelmente os lucros e traz mais sustentabilidade para a agricultura, otimizando o uso dos recursos naturais.

O processo consiste na instalação de inúmeros sensores espalhados pelo campo, responsáveis por monitorar e entender as necessidades da plantação a cada momento. O acesso ao aplicativo pode ser feito de qualquer lugar, permitindo com que o profissional e o produtor monitorem o plantio independente de onde estiverem, por meio de um tablet, computador ou smartphone.

Os fundadores da Agrosmart, Mariana Vasconcelos, Raphael Pizzi e Thales Nicoleti, já constatam excelentes resultados dos agricultores que contrataram a solução para suas plantações. “A Agrosmart leva os produtores brasileiros para a era da agricultura digital por meio do conceito de Smart Farming. Levamos para o campo ferramentas para uma melhor tomada de decisão, que permitem otimizar os resultados do agricultor e ao mesmo tempo auxiliar na utilização responsável de recursos hídricos”, afirma Mariana Vasconcelos, CEO da Agrosmart.

Tamanha inovação não passou despercebida de grandes empresas. Exemplo disso, após a premiação do Call to Innovation e participação no programa “Global Solutions Program”, na Singularity University, a empresa foi convidada pela NASA (Agência Espacial Americana) para um programa de transferência de tecnologia. Além disso, o Google também selecionou a empresa para receber um investimento e participar do programa Launchpad Accelerator.

O aporte recebido pelo Fundo de Inovação Paulista, gerido pela SP Ventures, corrobora uma inevitável tendência de adoção de tecnologia de ponta no agronegócio brasileiro. “Temos um problema sério para a população mundial: em pouco mais de 25 anos, se não superarmos os atuais níveis de produtividade percebidos no campo, não haverá alimento suficiente para todos no planeta. Neste trágico contexto, auxiliar financeiramente a expansão comercial e aprimoramento tecnológico de empresas como a Agrosmart torna-se cada vez mais importante”, afirma Francisco Jardim, diretor geral da SP Ventures.

Sobre a Agrosmart
A Agrosmart conecta o agricultor a sua plantação. Assim ao monitorar mais de 10 variáveis ambientais, a plataforma gera informações relevantes que auxiliam o produtor em uma melhor tomada de decisão e gestão do agronegócio em relação a irrigação, doenças e pragas, economizando até 60% de água, energia e aumentando a produtividade ao mesmo tempo.

Sobre Mariana Vasconcelos
Mariana Vasconcelos formou-se em Administração pela Universidade Federal de Itajubá/MG (UNIFEI) e está cursando MBA em Agronegócio na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP). Em 2014 fundou a Agrosmart, que monitora plantações para auxiliar o agricultor em uma melhor tomada de decisão, depois de detectar a necessidade de melhorar a agricultura que seus pais tinham, no interior de Minas Gerais. Mariana foi chamada para participar de um programa na Singularity University, escola de inovação da NASA, representando a Agrosmart, além de ter sido convidada pelo Google para ser parte do programa Blackbox Connect e compor um plantel de 18 líderes femininas de 14 países diferentes.