Notícias

SolarSack purifica a água com o calor da luz solar

Publicado em 28/06/2017 às 08:00:39

O SolarSack foi desenvolvido por dois estudantes dinamarqueses e testado em aldeias, campos de refugiados e favelas na África Oriental

 

solarsack-0617

 

Dois estudantes dinamarqueses desenvolveram o “SolarSack” para uma purificação de água econômica e ecológica. O conceito foi testado em aldeias, campos de refugiados e favelas na África Oriental, onde será comercializado.

Anders Løcke e Louise Ullmann, que estudam Arquitetura e Design na Universidade de Aalborg (AAU), criaram um sistema melhor e mais barato para a purificação da água potável nos países em desenvolvimento.

O produto, conhecido como SolarSack, é uma bolsa especial que é preenchida com quatro litros de água e colocada ao sol por quatro horas. Usando os raios UVA e UVB, bem como o calor do sol, a água é limpa de bactérias patogênicas. O usuário pode então beber a água e reutilizar a bolsa para purificação de água.

O método foi aprovado pela Organização Mundial de Saúde, que estima que entre 99,9 e 99,999 por cento das bactérias patogênicas na água morrem. Os alunos testaram o SolarSack no Quênia e Uganda com usuários e organizações locais, e o adaptaram às suas necessidades. E é barato.

“Nós estimamos que um SolarSack pode ser produzido por menos de uma e meia coroa dinamarquesa, transportado e acaba nas mãos do usuário por menos de um dólar. O saco pode ser reutilizado 150 vezes, tornando-o significativamente mais barato do que as alternativas”, diz Louise Ullmann da AAU.

Desenvolvido na África Oriental

Com um preço de cerca de um dólar cada, incluindo a distribuição, o SolarSack custará aproximadamente a mesma quantidade de um balde de carvão. Mas onde um SolarSack fornece pelo menos 500 litros de água potável por um dólar, um balde de carvão fornece menos de 100 litros de água.

Mais de 47 milhões de pessoas na África Oriental não têm acesso a água potável e 80% de todas as doenças na região são devidas às pobres condições de água e saneamento. O método mais difundido de purificação da água na região é fervendo, mas isso requer carvão ou madeira, que são caros e prejudiciais à saúde e ao ambiente natural.

Como parte de seus estudos em Arquitetura e Design na Universidade de Aalborg, Anders Løcke e Louise Ullmann foram para a África Oriental para investigar o problema. O objetivo era projetar uma solução melhor.

“Após o primeiro estudo em Uganda, ficou claro que o uso de carvão e madeira constitui uma grande ameaça para o ambiente natural e o preço do combustível aumenta à medida que as florestas são removidas. Então, decidimos usar a luz solar como um recurso para a purificação da água. Há muita luz solar na África, e é grátis “, diz Anders Løcke.

 

solarsack-img02-0617

 

No caminho da produção em massa

Em 21 de junho, o SolarSack ganhou a edição dinamarquesa da competição ClimateLaunchpad para startups verdes. Eles passaram para a final internacional em Chipre em outubro, onde podem ganhar financiamento e assistência para desenvolver o projeto.

Os dois estudantes por trás do projeto acabaram de se formar em seu programa na AAU, e Anders Løcke agora trabalhará em tempo integral como CEO da SolarSack. Foi oferecida uma parceria com a Access2innovation em Aalborg, especializada em soluções sustentáveis e desenvolvimento de negócios na África. A Cruz Vermelha também está interessada no projeto.

“A Cruz Vermelha do Quênia é valiosa como parceiro sparring agora e depois como cliente, por isso estamos muito satisfeitos por eles estarem interessados em colaborar. Como uma ONG estabelecida, eles têm a capacidade de levar SolarSack para todos os cantos do país que precisam de purificação de água “, diz Anders Løcke.

Anders Løcke agora vai conversar com várias organizações que trabalham com o desenvolvimento e venda de produtos para auxílio. O plano é colocar o SolarSack em produção e distribuir o produto para as ONGs e para o setor privado na África Oriental.

Baixe aqui o relatório ilustrado completo do SolarSack.

Fotos: Aalborg University

Fonte: ScienceDaily, adaptado por Portal Tratamento de Água – www.tratamentodeagua.com.br


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *