NOTÍCIAS

Três cidades da região de Campinas registram índice de 0% em tratamento de esgoto, afirma PCJ

Artur Nogueira, Monte Alegre do Sul e Pedra Bela não trataram esgoto em 2016, de acordo com o Relatório de Gestão das Bacias PCJ.

ete-estacao-campinas

Três cidades da Região de Campinas (SP) registraram índice de 0% no tratamento de esgoto, de acordo com o Relatório de Gestão das Bacias PCJ, que apresenta informações sobre os recursos hídricos e saneamento das cidades monitoradas pela Agência das Bacias PCJ durante o ano de 2016. Segundo o documento, Artur Nogueira (SP), Monte Alegre do Sul (SP) e Pedra Bela (SP) não trataram os dejetos dos municípios durante o período analisado pelo órgão.

Além das cidades que não tiveram tratamento em 2016, outros três municípios também registraram índices considerados ruins de qualidade de esgoto na classificação do PCJ. Em Sumaré (SP), o tratamento ficou em apenas 26%, enquanto em Americana (SP) o número chegou a 48%. Por fim, Santo Antônio de Posse (SP) registrou 24% na coleta e tratamento dos dejetos.

A avaliação levou em conta quantidade de esgoto gerada nos municípios e quanto desse total é tratado. As cidades foram distribuídas em três categorias: bom (maior ou igual 90%), regular (entre 50% e 89,9%) e ruim (menor ou igual a 48,9%). Na Região de Campinas, os municípios que registram melhor índice foram Holambra (100%), Itatiba (92%), Nova Odessa (92%) e Valinhos (91%).

As informações foram obtidas por meio de consultas aos dados oficiais da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento(SNIS). No relatório, há informações sobre arrecadação e investimentos em ações com recursos das Cobranças PCJ, índice de qualidade de água, monitoramento, vazões, relevância dos sistemas de reservação, conservação de mananciais e participação de diversos segmentos nos Comitês PCJ.

O que dizem os municípios

A Prefeitura de Artur Nogueira informou, em nota oficial, que desconhecia o relatório. De acordo com o Executivo, atualmente o município trata 45% do esgoto na ETE Estoco e “está em fase de finalização da segunda estação de tratamento, que deve completar a missão de tratar 100% do resíduo urbano do município”.

Também em nota, a administração municipal de Monte Alegre do Sul disse que iniciou as negociações com a Cetesb para emitir as licenças para a implantação da Estação de Tratamento de Esgoto e procura financiamento do estado e da União, já que o projeto tem custo de R$ 12 milhões.

A Prefeitura de Pedra Bela afirmou, por telefone, que o município continua sem tratamento de esgoto porque a cidade não possui estação. A construção da ETE, segundo a administração, é de responsabilidade da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), que está em negociação para iniciar a implantação.

BRK Ambiental

A BRK Ambiental, responsável pelo saneamento de Sumaré, informou que trabalha para que a cidade tenha 100% do esgoto tratado já em 2022, meta estipulada em um Termo de Ajustamento de Conduta firmada com o município.

“Segundo previsto em contrato e TAC firmado com o MP, a meta da concessionária é tratar 100% de esgoto da cidade até 2022 com a construção de 3 subsistemas que juntos somam R$ 300 milhões em investimentos. A empresa tem conhecimento dos baixos índices de Sumaré em comparação às outras cidade da região e tem total capacidade de investir para tornar Sumaré referência em saneamento básico”, diz o texto da nota.

Já a Prefeitura de Americana disse que a cidade possui três locais para tratar os dejetos: dois com eficiência acima de 80% e um com 40%. Segundo a administração, o índice do PCJ se refere ao último.

Por fim, o governo de Santo Antônio de Posse informou que a atual realidade da análise é de 90% de coleta de esgoto e 48% de tratamento de esgoto gerado.

Por G1 Campinas e região