Notícias

CEDAE/RJ: Boa parte dos dejetos coletados pela concessionária vão para o alto-mar pelos emissários submarinos

Publicado em 10/02/2020 às 09:54:15

Terceira cidade do mundo a implantar uma rede de saneamento básico, em 1857, o Rio provoca sérios problemas ambientais ao dar um destino final ao esgoto que produz.

emissario-submarino

Quase 40% dos dejetos coletados pela Cedae na capital vão para o alto-mar pelos emissários da Barra e de Ipanema. O sistema, no entanto, não foi pensado para descartar os produtos que vão parar na rede atualmente, e tem levado para o meio ambiente “vilões” modernos como cotonetes e fraldas, que demoram, em média, 450 anos para se decompor. Em qualquer lugar do mundo, esses sistemas foram projetados para receber apenas cargas domésticas. Não é diferente no Rio de Janeiro. Mas, na prática, nem sempre é isso o que acontece.

“As pessoas descartam pelo esgoto objetos que não são degradáveis, como guimbas de cigarros, absorventes higiênicos, fio dental, cabelos e preservativos”, explicou o presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental do Rio de Janeiro (Abes-RJ), Miguel Alvarenga Fernández y Fernández. O impacto desse despejo direto no mar ainda não foi calculado, segundo Fernández. Só pelo emissário submarino de Ipanema, que foi inaugurado em 1975, são descartados 6.000 litros de esgoto in natura por segundo a 3,6 Km de distância da praia. Esse volume é superior ao que chega a todas as 8 estações convencionais da Cedae, que fazem o tratamento secundário — que consiste na separação do lodo (lixo não degradável), que é levado para aterros. Para se ter uma ideia, a Estação de Tratamento de Esgoto Alegria, a maior da Cedae, que fica no Caju, opera hoje com uma vazão de 1.900 litros por segundo, de acordo com a Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico (Agenersa).


LEIA TAMBÉM: MPF/RJ DENUNCIA CEDAE POR POLUIÇÃO DA BAÍA DE GUANABARA E DO MAR.


Tratamento primário

Na Barra, os 1.200 litros de esgoto por segundo que vão para o emissário passam antes por um tratamento primário, que consiste num processo de decantação em tanques. A parte que fica no fundo é recolhida e levada para o aterro sanitário. Essa estação funciona desde 2009.

Segundo Fernández, a solução para evitar que esses objetos de difícil decomposição terminem no mar é a implantação de um gradeamento fino. Esse sistema, segundo ele, deveria ser colocado na “boca” dos dois emissários na areia.

“Os emissários são soluções mais baratas porque os efluentes acabam se dissolvendo em grandes áreas delimitadas em cartas náuticas. Mas é um sistema que tem outras limitações para ser adotado. Uma delas é o relevo da cidade. Devido ao risco de contaminação do ambiente no caso do rompimento de uma tubulação, não é possível fazer uma operação por pressurização, como é feito, por exemplo, para bombear água”, explicou o presidente da Abes-RJ.

Presidente do Conselho Regional de Química do Rio de Janeiro, Rafael Barreto Almada ressaltou que a sociedade está produzindo um esgoto diferente daquele de 50 anos atrás. Segundo ele, é necessário que a população mude seus hábitos e passe a ter consciência e responsabilidade com os descartes. Em nota, a Cedae informou que faz o tratamento de esgoto nas seguintes etapas: preliminar, primário e secundário. Neste último, chega a remover cerca de 90 % de sólidos em suspensão, por meio do tanque de aeração e do decantador.

Fonte: Jornal “O Globo”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *