NOTÍCIAS

Biorreator de algas para remoção de fósforo é testado por operadora inglesa

O biorreator de algas é apenas uma das tecnologias que a operadora Severn Trent está começando a implementar para remover fósforo do processo de tratamento de esgoto

 

biorreator-de-algas-0517

 

A empresa está testando seis novas tecnologias na sua unidade em Packington, Leicestershire, para encontrar a melhor maneira de reduzir a quantidade de fósforo da água que é devolvida ao meio ambiente.

A regulamentação “Water Framework Directive” requer que as operadoras atendam limites muito mais rigorosos de fósforo do que no passado.

A Severn Trent disse que espera baixar o nível para cerca de 0,1 miligramas por litro e reduzir enormemente a quantidade de fósforo que volta para os córregos e rios, e que pode levar à eutrofização.

 

 

As tecnologias que estão sendo avaliadas incluem: filtração por membrana, troca iônica com nanopartículas embutidas, filtro de mídia tipo “pile cloth”, coagulação e clarificação “com lastro”, biorreator de algas imobilizado e absorção em leito de juncos. Desenvolvidos pela Universidade de Cranfield, a troca iônica e o biorreator de algas estão sendo colocados em aplicação prática pela primeira vez.

A filtração de mídia tipo “pile cloth” está agora instalada em três estações com planos para mais quatro e a coagulação e clarificação “com lastro” será instalada em outras duas estações em um futuro próximo. Pete Vale, líder de inovação técnica da Severn Trent, disse:

“Durante os testes usamos de fato algumas técnicas estado da arte  para entender qual tecnologia funcionará para as nossas estações de tratamento de esgoto que diferem enormemente em tamanho – de estações locais bem pequenas até uma das maiores da Europa”.

De acordo com a operadora, algumas das novas tecnologias foram instaladas em três plantas, com outras nove em processo de planejamento.

Vale acrescentou: “Isto é só o começo da jornada e continuaremos com essa pesquisa para melhorar nossas técnicas de remoção de fósforo e nos dar um futuro mais sustentável”.

Fonte: Water & Wastewater International, adaptado por Portal Tratamento de Água – www.tratamentodeagua.com.br