NOTÍCIAS

Sanesul usa técnica de Osmose Reversa no tratamento de água no Distrito de Albuquerque/MS

A técnica utilizada para o tratamento da água em Albuquerque é diferenciada. Desde 2018, um grande investimento foi feito para implantar um sistema de Osmose Reversa

 

osmose-reversa

Imagem Ilustrativa

 

A Sanesul mantém a operação do Sistema de Abastecimento de Água em 60 distritos de Mato Grosso do Sul. Em Albuquerque, distrito pertencente ao município de Corumbá, a empresa faz a distribuição de água tratada para cerca de 2.500 habitantes que moram na região.

Devido às características da localidade, a captação é feita por meio de um poço que tem capacidade de produzir 28m³/hora. Ele abastece dois reservatórios, um apoiado e um elevado, que juntos mantêm 80m³ de reserva, a quantidade suficiente e segura para atender a comunidade local.

A técnica utilizada para o tratamento da água em Albuquerque é diferenciada. Desde 2018, um grande investimento foi feito para implantar um sistema chamado Osmose Reversa, que é uma técnica utilizada para retirar a concentração de sal da água. Com isso, foi possível resolver um problema referente ao gosto de sal que era percebido na água.

Além disso, também foram feitas melhorias no sistema de reservação e no escritório de atendimento ao público da Sanesul. Albuquerque possui uma conta de investimento em saneamento no valor de um milhão de reais, recursos que foram viabilizados da própria empresa para melhorar o saneamento no Distrito.


LEIA TAMBÉM: TECNIPAR IMPLEMENTA PLANTA DE OSMOSE REVERSA EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS DE ALUMÍNIO


Qualidade da água

Na operação feita pela Sanesul, os técnicos que ficam no laboratório local fazem a análise da água a cada duas horas. E, semanalmente, repetem uma nova análise mais completa na distribuição que é enviada para o laboratório central da Capital.

Controle de qualidade Sanesul

Para levar água de qualidade até a torneira do consumidor, a empresa investe constantemente em tecnologia e equipamentos para serem usados no tratamento.

No controle dos padrões de potabilidade são 11 laboratórios em atividade, um central em Campo Grande e outros 10 nas regionais. Juntos, eles processam mais de 8 mil análises microbiológicas e físico químicas/mês.

A Companhia mantém os padrões de qualidade exigidos pela legislação brasileira que determina os parâmetros da potabilidade da água utilizada para abastecimento público e monitora com rigor, a captação, tratamento e distribuição de toda a água que fornece diariamente a seus clientes.

Fonte: Correio de Corumbá.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: O ESPECTRO DA CRISE HÍDRICA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: AMAZONAS DEVE REGISTRAR CHEIAS SEVERAS EM 2021, DIZ SERVIÇO GEOLÓGICO