NOTÍCIAS

Brasil segue rumo à sustentabilidade e anuncia obras da primeira usina do estado de SP que transforma lixo residencial em energia elétrica

Primeira usina que transforma lixo em energia elétrica gerará 144 MW por dia

Foto: Imobili/PUB

O Brasil caminha rumo à sustentabilidade e, desta forma, São Paulo já está construindo sua primeira usina que transforma lixo em energia elétrica, com estimativa de ser inaugurada no final do próximo ano. O empreendimento que levará o país a um nível mais próximo da sustentabilidade será instalado na cidade de Palmital, a cerca de 400 quilômetros da capital e fará parte, a princípio, de outros 13 municípios da região.

Usina que transforma lixo em energia elétrica evitará quase 100 mil toneladas de resíduos

Os resíduos serão coletados de aproximadamente 150 mil casas, que resultará na geração de 144 MW/dia, o suficiente para suprir a demanda energética de quase 30 mil residências, o que resultará na geração de 144 MW por dia, o suficiente para suprir a demanda de energia elétrica de quase 30 mil casas por ano.

Sem dúvidas, as principais vantagens da usina que transforma lixo em energia são menos resíduos e mais economia na conta de luz para os moradores dos municípios. De acordo com o Consórcio Intermunicipal do Vale do Paranapanema (CIVAP), responsável pelo projeto, o desenvolvimento da usina evitará o descarte de quase 94 mil toneladas de resíduos por ano em aterros sanitários.

Ainda não há expectativa de quanto no consumo nas contas de luz será reduzido, mas a expectativa é que os valores sejam reduzidos drasticamente, considerando o montante cobrado atualmente por usinas convencionais.


 

LEIA TAMBÉM: CHINA CONSTRÓI A MAIOR USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE LIXO DO MUNDO


Cinzas dos resíduos podem gerar outros produtos

Em relação ao processo de incineração de energia, a outra parceira do projeto da usina que transforma lixo em energia elétrica, concessionária BAL-CIVAP, garantiu que as cinzas geradas pela transformação do combustível derivado de resíduos em gás não são maléficas ao meio ambiente.

As cinzas geradas também podem ser reaproveitadas para fazer tijolos e massa asfáltica. Segundo o presidente da Carbogás Energia, executora do projeto e detentora da patente, Luciano Reis Infiesta, a empresa receberá o lixo in natura, realizará a trituração, desidratação e criação de um combustível que será posteriormente transformado em gás.

Esta será a primeira vez que uma usina é desenvolvida utilizando tecnologias enquadradas nos 12 objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Estes objetivos compõem um plano mundial da ONU para melhorar a sustentabilidade do planeta até 2030.

Outro município de SP será contemplado com tecnologia de pirólise

O município de Tupã, no estado de SP, receberá no começo do próximo ano, uma máquina israelense que conta com tecnologia de pirólise. A máquina utiliza o lixo para produzir gás, energia elétrica e uma diversidade de óleos. O equipamento esteve no município durante o mês de novembro e a iniciativa servirá como base para outros municípios do país.

A chegada da máquina foi divulgada nas redes sociais do prefeito do município, Caio Aoqui, que esteve em São Paulo ao lado de Anderson Luiz, secretário de Agricultura, para reuniões com os técnicos e engenheiros da Fundação Nacional de Saúde, que intermediou a escolha do município de SP para receber o equipamento.

Segundo Aoqui, essa máquina é avaliada em R$ 18 milhões, ou seja, dificilmente o país teria condições de comprar, entretanto, servirá como base para outras localidades. O lixo que o município recebe que vai para a estação de transbordo para ser destinado ao aterro, através dessa máquina com tecnologia de pirólise, pode gerar energia, gás e óleos.

Fonte: clickpetroleoegas


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: REÚSO DA ÁGUA: PETROBRAS E ÁGUAS DO RIO ASSINAM ACORDOS PARA IMPLANTAÇÃO DOS MAIORES PROJETOS INDUSTRIAIS NO BRASIL

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: COMBUSTÍVEIS SINTÉTICOS: PRIMEIRA INDÚSTRIA COMEÇA A OPERAR NO CHILE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
ALADYR pede ação imediata sobre mudança climática após desastre no Rio Grande do Sul

ALADYR pede ação imediata sobre mudança climática após desastre no Rio Grande do Sul

Diante do impacto das chuvas no Rio Grande do Sul, que afetaram centenas de milhares, a ALADYR pede aos governos e entidades privadas que acelerem a implementação de políticas de adaptação e mitigação do climática. A organização destaca a importância de atualizar a legislação, promover o reúso de água e adotar inovações como o modelo de “cidade esponja” para enfrentar efetivamente esses desafios iminentes

Continuar lendo »