NOTÍCIAS

Salinização, um mundo cada vez mais salgado

Salinização – A salinidade da água é a concentração de sais dissolvidos. Não só o sal comum contribui para a salinidade da água, mas também todos os compostos que podem se dissolver em íons no ambiente aquático (por exemplo, bicarbonato de sódio, nitrato de potássio, cloreto de magnésio).

A mudança na salinidade dos sistemas aquáticos devido à ação humana é chamada de salinização ou síndrome de salinização da água doce e pode ter consequências dramáticas para os ecossistemas aquáticos

Salinização

Imagem ilustrativa do Canva

Qual a origem  da salinização e suas principais causas?

A atividade humana alterou a entrada de sais nos sistemas naturais, contribuindo para a salinização de muitos sistemas aquáticos, como riachos salgados que abrandam ou rios de alta montanha que se tornam salinizados.

As atividades que favorecem a salinização são muito diversas. A agricultura – por exemplo, irrigação excessiva, fertilizantes que incluem diferentes íons – é uma grande fonte de sais para os sistemas aquáticos (via chuva e drenagem ), principalmente em áreas mais áridas .

O uso de sal para evitar a formação de gelo em áreas frias , como o Canadá, representa outra fonte de salinização. Causas mais globais são a mineração, a indústria têxtil ou a intrusão marinha devido, por exemplo, ao aumento do nível do mar ou à superexploração de aquíferos.

Finalmente, as mudanças climáticas, que alteram o ciclo da água, contribuem para o aumento da concentração de sais em muitas regiões, como o Mediterrâneo. Isso altera a quantidade e os tipos de sais que estão naturalmente presentes, tornando um “mundo salgado”.

Como isso afeta os ecossistemas aquáticos?

Qualquer mudança, aumento ou diminuição que modifique a concentração natural de sais em um ecossistema pode impactar seus diferentes níveis de organização.

Espécies que vivem em habitats de água doce (rios, lagos, pântanos) precisam manter um equilíbrio osmótico entre as concentrações de sais em seu ambiente interno (sangue, células) e o ambiente em que vivem (água). Assim, uma mudança na concentração de sais pode afetar seriamente seu desenvolvimento e levar à sua morte .

Ao mesmo tempo, a perda de espécies pode gerar reações em cascata nas comunidades (um conjunto de espécies que habitam o mesmo habitat). Um exemplo seria a perda de espécies que filtram algas microscópicas como os crustáceos do gênero Daphnia (pulgas d’água). Seu desaparecimento favorece o aumento do fitoplâncton, o que causa maior turbidez e diminui o oxigênio dissolvido na água.

Ao nível do ecossistema, os íons que formam os sais interagem com outros elementos químicos, alterando os ciclos do fósforo, azoto e carbono, o que pode levar à eutrofização das águas e a maiores emissões de dióxido de carbono.

Por fim, essas consequências afetam a qualidade da água para uso e consumo humano , causando efeitos no seu uso agrícola ou potabilidade. Por exemplo, a salinização das águas causou uma crise sanitária em Flint (Michigan) devido à mobilização de chumbo na rede de abastecimento. Em Bangladesh, a salinização de poços devido à intrusão de água do mar provocou um êxodo humano para o interior da região.


 

LEIA TAMBÉM: BRASIL RECEBE CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE REÚSO E DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA


Saiba mais sobre o fenômeno da salinização

Recentemente, uma agenda de pesquisa foi proposta para tentar esclarecer questões ainda pouco claras sobre a salinização .

O conhecimento atual sobre esse fenômeno em escala global é bastante desigual geograficamente. Por exemplo, apenas na América do Norte o impacto do sal nas estradas foi documentado, e na África ou na América do Sul a salinização quase não foi estudada.

Além disso, o trabalho atual ignora amplamente os habitats menores, como lagoas ou piscinas, que são fundamentais para a biodiversidade regional. Há também falta de informação sobre os efeitos dos diferentes tipos de sais no meio aquático, bem como sobre o seu impacto ambiental à escala da paisagem (por exemplo, ao nível da bacia hidrográfica).

No nível biogeoquímico, as mudanças nas emissões de gases de efeito estufa ou nas concentrações de nutrientes com o aumento da salinidade ainda não foram estudadas em profundidade.

Pouco se sabe sobre o impacto da salinização nos níveis inferior e superior da teia alimentar, por exemplo, em microrganismos, que têm um papel fundamental na ciclagem de nutrientes.

Finalmente, os impactos no nível genético –adaptação de algumas espécies– e suas consequências no nível evolutivo permanecem um campo pouco conhecido.

Por que sua gestão é difícil?

A gestão da salinização é complicada a nível técnico, mas também a nível político e social. Um exemplo poderia ser o rio Llobregat e a atividade mineira de Súria e Cardona (Catalunha). Por um tempo, a mineradora negou sua responsabilidade com base no fato de que os sais são um elemento natural em todos os corpos d’água e, ao mesmo tempo, as respostas técnicas têm sido insuficientes.

Atualmente não existe legislação específica que regule os limites de sais que podem ser encontrados em sistemas naturais.

Para onde a tendência atual está nos levando?

Nas regiões do planeta onde haverá menos chuvas, espera-se um aumento da salinização; um menor volume de água implica uma maior concentração de sais na mesma. Assim, uma diminuição dos caudais e níveis de água conduzirá inevitavelmente à sua salinização.

A modelagem da salinidade dos ecossistemas aquáticos com base em cenários futuros de mudanças climáticas é, portanto, uma prioridade para antecipar seus efeitos e se adaptar à vida em um mundo mais salgado. Os poucos estudos realizados a esse respeito indicam que a concentração de sais pode dobrar em algumas regiões no final deste século.

Fonte: The Conversation
Adaptado para Portal Tratamento de Água
Traduzido por Jaqueline Morinelli


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: IMPUREZAS DA ÁGUA – POR QUE VOCÊ DEVE SE PREOCUPAR?

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: DO RESÍDUO À RIQUEZA: TRANSFORME AS ÁGUAS RESIDUAIS EM UM PRODUTO VALIOSO

ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
SOS Rio Grande do Sul

EP se mobiliza para apoiar vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul

Em meio a tempos desafiadores, onde a solidariedade e o apoio mútuo se tornam ainda mais essenciais, a EP tem o orgulho de anunciar seu papel ativo na assistência às vítimas das recentes tempestades que assolaram o Rio Grande do Sul. Conscientes da necessidade urgente de ajuda, mobilizamos nossos mais de 550 colaboradores em uma campanha solidária destinada a fornecer apoio vital para as comunidades afetadas.

Continuar lendo »