NOTÍCIAS

Brasil está em crise hídrica – precisa de plano de seca

O Brasil possui a maior quantidade de água doce do mundo. Dois terços do que flui no Rio Amazonas, por si só, poderiam suprir a demanda mundial. No entanto, grande parte da nação enfrenta agora a seca.

Para evitar quebras de safra e custos crescentes de energia, o Brasil precisa diversificar as fontes, monitorar a umidade do solo, modelar a dinâmica do hidroclima local e tratar a água como uma prioridade de segurança nacional

Imagem ilustrativa

É a  pior seca em muitas décadas, em um país que cultiva mais de um terço das safras de açúcar do mundo e produz quase 15% da carne bovina mundial.

Este ano, entre março e maio, o tempo seco na região centro-sul do Brasil levou a uma escassez de 267 km cúbicos de água retida em rios, lagos, solo e aquíferos, em comparação com a média sazonal dos últimos 20 anos .

O resultado? Muitos reservatórios importantes atingiram menos de 20% da capacidade. A agricultura e a geração de energia foram atingidas. Desde julho, os preços do café subiram 30% – o Brasil responde por um terço das exportações globais. Os preços da soja aumentaram 67% de junho de 2020 a maio deste ano. E as contas de luz aumentaram 130%. Muitas cidades enfrentam um racionamento de água iminente.

Fonte: H. Save et al. J. Geophys. Res. Solid Earth 121 , 7547-7569 (2016)

Como isso aconteceu? E o que precisa ser feito?

A mudança climática mundial está tornando as secas mais intensas e frequentes. O desmatamento na Amazônia contribui local e globalmente. O hidroclima na região centro-sul – o motor de 70% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil – é parcialmente controlado pela transferência de umidade da floresta tropical.

Os fluxos atmosféricos causados ​​pela transpiração das árvores – também conhecidos como ‘rios voadores’ – podem contribuir com tanta água por dia nas chuvas, quanto o próprio rio Amazonas carrega. O corte dessas árvores reduz a precipitação sobre essas áreas, além de erodir um importante reservatório de carbono global.

Durante décadas, houve uma falha governamental em reconhecer a seca como uma questão de segurança nacional e internacional. A crise da água no Brasil é uma crise mundial. O que é necessário é um plano nacional coordenado de mitigação da seca elaborado por pesquisadores, formuladores de políticas, indústria, setor público e sociedade civil.

Aqui estão alguns pontos-chave que esse plano deve abordar; esses pontos são apoiados por 95 cientistas brasileiros e internacionais da água e do clima .

Vastas reservas

Cerca de 20% de toda a água interna global que flui para os oceanos é gerada em território brasileiro. Isso alimenta o bem-estar e o crescimento econômico do país. Cerca de 85% das necessidades de água doce do país são supridas por águas superficiais – rios e lagos. Nos Estados Unidos, esse número é de 75%; na Índia, 60%.

O Brasil tem a segunda maior capacidade hidrelétrica instalada do mundo, com 107,4 gigawatts (GW); produz 65% da eletricidade do país. Dois quintos disso são gerados na Bacia do Rio Paraná, onde as descargas dos rios caíram para seus níveis mais baixos em 91 anos.

O país teve que voltar a queimar combustíveis fósseis e biocombustíveis, repassando os custos mais elevados para os consumidores. A energia térmica produziu 13,2% da eletricidade do país em julho de 2021, o maior volume de sua história.

Em um país dependente da agricultura para quase um quarto de seu PIB, safras como soja, café e cana-de-açúcar e gado usam grande parte da água. A irrigação alimenta cerca de 13% da terra cultivada, consumindo 68% do consumo total de água – cerca de 68,4 bilhões de litros por dia.

Mas a água não está igualmente disponível em todo o país, nem ao longo do tempo.


Fonte: H. Save et al. J. Geophys. Res. Solid Earth 121 , 7547-7569 (2016)

Secas diferentes

As crises hídricas podem originar-se de vários tipos de secas: meteorológicas, hidrológicas, agrícolas e socioeconômicas.

As secas meteorológicas são padrões de tempo seco devido a períodos de pouca chuva ou altas temperaturas, que aumentam as taxas de evaporação. Isso pode causar secas hidrológicas, escassez de água em superfícies terrestres, como rios e lagos.

Podem ocorrer secas agrícolas – um declínio nos níveis de umidade do solo. Isso pode prejudicar o rendimento da safra e aumentar a insegurança alimentar. A escassez do abastecimento doméstico e industrial – secas socioeconômicas – também pode ocorrer. Isso pode levar a racionamento, doenças, conflitos e migração. Também poderia interromper processos que consomem muita água, como a produção de concreto e aço.

Essas diferentes secas podem interagir de maneiras complexas e não lineares. As secas hidrológicas, por exemplo, são intensificadas quando períodos prolongados de baixa umidade do solo começam a secar aquíferos rasos. Isso pode diminuir seus níveis abaixo das elevações do leito do rio, interrompendo a conectividade das águas subterrâneas do rio. Rios ou lagos esgotados podem ter um efeito indireto sobre os níveis dos reservatórios, desencadeando uma seca socioeconômica.

Impressão digital humana

O relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) de 2021 destacou que a mudança ininterrupta da cobertura do solo regional e o aquecimento global estão causando uma cascata de secas persistentes em todo o mundo. Estudos sugerem uma longa estação seca na maior parte da região central da América do Sul sob um cenário extremo, mas não improvável.

Décadas de desmatamento da Amazônia geraram vastos efeitos colaterais. O corte de árvores, além de diminuir a quantidade de umidade transportada da floresta tropical para o centro-sul do Brasil, é o principal fator de incêndio. O material particulado liberado no ar altera a formação de nuvens de chuva.

O uso impróprio da terra também pode piorar as secas e até mesmo fazer com que os rios sequem. A pecuária intensiva leva a terras sem vegetação e solos compactados. Além de diminuir a quantidade de umidade emitida pelas plantas, limita a capacidade do solo de reter água e recarregar os aquíferos.


LEIA TAMBÉM: FAZENDAS DA CADEIA DA CARNE QUE ADOTAM TECNOLOGIAS SUSTENTÁVEIS SEQUESTRARAM MAIS CARBONO DO QUE EMITIRAM, APONTA ESTUDO


 

Mas as secas por si só não explicam a recorrência das crises de água no Brasil. A falha em tratar a água como um recurso nacional essencial levou o Brasil a uma longa história de má gestão. A negação da ciência agora é promovida nos níveis mais altos em todo o país. E as políticas nacionais têm impulsionado a ocupação cada vez mais errática da terra pelo agronegócio e interesses de mineração , aumentando o desmatamento e os incêndios florestais e minando a mitigação climática.

Enquanto o país mergulhava em grave escassez de água em 2014 e 2015, a Academia Brasileira de Ciências censurou as autoridades estaduais por não tomarem ações rápidas e ousadas e por falta de transparência sobre a gravidade da situação.

Seis anos se passaram e não mudou muito. Desta vez, a economia do país está se recuperando aos níveis anteriores à pandemia. O crescimento econômico requer energia extra para a produção de energia. Com a atual situação da energia hidrelétrica, essa demanda pode ter que ser atendida com a queima de biocombustível ou combustível fóssil.

Prioridades de pesquisa

O monitoramento da água subterrânea e meteorológico do país é esparso e insuficiente para rastrear adequadamente a variabilidade e a disponibilidade da água em todo o país. O Brasil monitora água subterrânea em 409 locais em todo o país; para colocar isso em perspectiva, as redes norte-americana e indiana têm mais de 16.000 e 22.000 sites, respectivamente.

Não há sistemas nacionais para rastrear a umidade do solo no Brasil e o monitoramento do uso da água é irregular.

A governança dessas redes deve ser fortalecida e é necessária uma orientação mais eficaz sobre como responder a crises futuras. Redes de monitoramento são operadas atualmente em diferentes agências e departamentos nacionais, muitas vezes levando a esforços duplicados e acesso ineficiente aos dados. Iniciativas de monitoramento de secas desenvolvidas no Brasil por meio de parcerias internacionais, como o Monitor de Secas, vêm surgindo nos últimos anos.

No entanto, reduzir os atrasos na disponibilidade de dados e melhorar a precisão e a inacessibilidade para os usuários finais, como fazendeiros e departamentos locais de água, tornaria essas iniciativas mais úteis.

Precisa haver mais investimento em dados de alta qualidade e prontamente disponíveis e poder de computação – os ingredientes-chave para a pesquisa multidisciplinar sobre a seca.

Tupã – O supercomputador mais poderoso do Brasil no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) está chegando ao fim de sua vida. Fundos das Nações Unidas forneceram acesso temporário a computadores alternativos, mas estes não são poderosos o suficiente para realizar previsões hidrometeorológicas e climáticas.

Devem ser destinados US $ 20 milhões de recursos federais para um novo supercomputador. Em vez disso, o orçamento do ministério da ciência e tecnologia para 2022 foi reduzido em 87%.

Muitos processos que afetam a disponibilidade de água do centro-sul do Brasil não são bem compreendidos. Estes precisam de mais pesquisas para melhor informar a política. Eles incluem:

Feedbacks do clima – O desmatamento, o uso da terra, a queima de biomassa e o aquecimento global interagem para determinar a disponibilidade de água. Novas abordagens devem explorar o conhecimento emergente e as ferramentas computacionais para melhor incorporar processos de pequena escala e rápidos, como vegetação, cobertura do solo, nuvens e efeitos de feedback de aerossóis em modelos climáticos. Isso exigirá simulações de resolução mais alta, mais poder computacional e observações confiáveis in situ e por satélite.

Eventos compostos – Perigos como secas, ondas de calor e incêndios podem ter impactos devastadores além de uma área relacionada a um evento isolado. As abordagens de avaliação de risco devem considerar como a coocorrência de perigos múltiplos e dependentes afetam os modelos. Cientistas do clima, da saúde e sociais, bem como engenheiros e modeladores, devem trabalhar para melhorar as previsões.

Lençóis freáticos – O bombeamento intensivo, especialmente combinado com secas, levou ao esgotamento severo em regiões como o oeste e centro dos Estados Unidos, norte da Índia e Oriente Médio. Mais pesquisas, junto com o monitoramento da água subterrânea e da umidade do solo, são necessárias para entender como os aquíferos brasileiros respondem ao bombeamento, bem como a variabilidade e mudanças climáticas.

Migração e saúde – As mudanças climáticas podem intensificar a migração do nordeste, a região mais seca e pobre do Brasil, para o sudeste. Outros movimentos de pessoas podem ser desencadeados em todo o país à medida que surgem secas mais prolongadas, mais frequentes e graves. As migrações climáticas massivas podem resultar no aumento da insegurança hídrica, bem como no desemprego e na pobreza nas principais cidades brasileiras. Cientistas sociais, políticos e econômicos devem trabalhar para identificar os motores da migração climática para orientar a formulação de políticas. As iniciativas de pesquisa também devem considerar os efeitos de longo prazo da seca na saúde humana, como a desnutrição e a saúde mental.

Diversificar as fontes

É necessário um investimento estável e de longo prazo para atualizar o sistema de água e energia do país. A energia hidrelétrica tem uma pequena pegada de carbono uma vez instalada, apesar de seus altos impactos ambientais e sociais iniciais. Quando não há água suficiente para gerar eletricidade, no entanto, a energia térmica baseada em combustível fóssil cara e mais poluente compensa.

Em vez disso, o Brasil poderia diversificar ampliando a capacidade eólica e solar. Isso poderia ser apoiado por um sistema existente de leilões de contratos, fornecendo um mecanismo para reunir fundos para energia limpa. O sucesso de tal mecanismo no Brasil é demonstrado por investimentos recentes que totalizaram quase US $ 8 bilhões nos últimos 5 anos, principalmente do setor privado. Estima-se que 300 GW poderiam ser gerados a partir de fontes de energia limpa até 2050 – 3 vezes a demanda atual do país.

O Brasil encontra-se em grandes aquíferos – recursos valiosos e subutilizados. O setor agrícola deve construir resiliência climática usando essas águas subterrâneas, especialmente durante secas hidrológicas extremas. Isso precisa ser feito de forma sustentável, para evitar o esgotamento experimentado por outros países. Uma imagem clara da distribuição espacial e da variabilidade temporal dos aquíferos pode orientar os agricultores em direção a locais e taxas de extração adequadas.

Em novembro, o Brasil prometeu acabar com o desmatamento ilegal e cortar as emissões dos níveis de 2005 em 50% até 2030 na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26) 2021 em Glasgow, Reino Unido. No entanto, tais medidas não são ambiciosas o suficiente e não alinhariam o país com políticas verdes, como o Acordo Verde Europeu e o New Deal Verde dos Estados Unidos.

Pode haver dano econômico de curto prazo ao conter o desmatamento, especialmente entre fazendeiros e proprietários de terras. Mas os custos de não fazer nada são extremos demais para serem ignorados. O Fórum Econômico Mundial classificou as crises de água como um dos principais riscos globais, devido ao seu impacto na produção de alimentos, saúde humana, conflito, função do ecossistema e condições climáticas extremas.

O Brasil tem expertise e motivação para mitigar esse risco. A comunidade de pesquisa deve trabalhar com os governos para elaborar leis, políticas e investimentos que imponham práticas ideais de água – preventivas e adaptativas. Com vontade política, financiamento e infraestrutura correspondentes, o país pode se tornar um líder mundial em resiliência ao hidroclima.

Fonte: Nature.com
Autores: Augusto Getirana , Renata Libonati e Marcio Cataldi
Adaptado para Portal Tratamento de Água
Traduzido por Jaqueline Morinelli


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: FURNAS INAUGURA PLANTA DE TESTES DE PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO VERDE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: COMISSÃO EUROPEIA APROVA COMPRA DA SUEZ PELA VEOLIA