BIBLIOTECA

Wetland construído de bancada para tratamento de esgoto sintético

Resumo

Atualmente, diversas tecnologias de tratamento dos recursos hídricos destinados à recuperação e manutenção das características químicas, físicas e biológicas têm sido difundidos. Nos últimos 20 anos elevou-se o interesse e potencial dos estudos quanto aos sistemas biológicos naturais para auxiliar na purificação das águas (ALMEIDA et al., 2005). Wetland construído é uma tecnologia de tratamento de águas residuárias, recuperação de habitats degradados, além do controle de enchentes em áreas alagadas que se fundamenta em processos vistos em ecossistemas naturais, ou seja, são um aprimoramento de processos que acontecem no meio ambiente, como exemplo, os pântanos, brejos e mangues (ZANELLA, 2008). De modo geral, esses sistemas são utilizados para o tratamento dos mais variados tipos de efluentes, tais como os esgotos domésticos, tanto em nível secundário como terciário, água da chuva, efluentes industriais e tratamento de chorume (SCHARF et al., 2006). O sistema possui vantagens como o baixo custo de implantação, operação e manutenção, quando comparado aos convencionais. Além disso, o Brasil é um dos países que desfruta de condições climáticas e ambientais adequadas para wetlands construídos. Outro ponto relevante diz respeito ao país possuir déficit no tratamento de águas residuárias (VALENTIM, 2003). Os sistemas de wetlands construídos possuem resultados eficazes na remoção de orgânicos e sólidos em suspensão, e ainda permite a remoção de nitrogênio, que pode ser maximizada pela combinação de vários tipos de wetlands (CUNHA et al., 2009). É estimado que no Brasil em torno de 54,1% da população total possua atendimento por rede de esgoto e apenas 49,1% dos esgotos gerados no país passam por algum processo de tratamento (SNIS, 2019). Nesse contexto, é necessário que tecnologias alternativas sejam implantadas, a fim de mitigar as dificuldades que o setor de saneamento básico enfrenta. É fundamental a escolha de um sistema adequado para o tratamento de efluente, sobretudo em estados como o de Mato Grosso que ainda possui uma ampla área que necessita de atendimento. Os Wetlands Construídos têm se mostrado versáteis e eficientes na redução de elementos como Sólidos em Suspensão, Demanda Química de Oxigênio (DQO), Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO), Nitrogênio Amoniacal, Fósforo Total, Nitrato e Nitrito. A remoção desses poluentes se dá através de mecanismos de filtração, adsorção, sedimentação, decomposição, metabolismo microbiano e do metabolismo das plantas aquáticas O presente trabalho tem o objetivo de verificar a eficiência de um Wetland Construído de bancada para o tratamento de esgoto sintético. O estudo foi desenvolvido no Laboratório de Ictiologia do Pantanal Norte – LIPAN da Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT, Campus Jane Vanini no município de Cáceres. O sistema de wetland construído de bancada foi desenvolvido para o tratamento de esgoto sintético, produzido no laboratório. O experimento é composto por três sistemas em série, onde cada sistema é composto por um WC sem saturação (F1A, F2A e F3A), estes ficam na parte superior da bancada do laboratório, e por um segundo WC (F1B, F2B, F3B), com saturação que fica na parte inferior da bancada. Ainda foram desenvolvidos sistemas com a presença de macrófitas (Cyperus alternifolius) (FM1B, FM2B e FM3B), implantadas apenas nos sistemas com saturação, para comparação entre eles. Nesse sentido, verificou-se que o esgoto sintético obteve redução significativa nos parâmetros de DQO (71,74%), DBO (29,09%), Nitrogênio Amoniacal (87,15%), Fósforo Total (88,77%), Nitrato (82,85%), Nitrito (76,71%) e Sólidos Suspensos Totais (94,02%), após sua percolação pelo sistema de WC. Constatou-se, que houve melhora dos parâmetros de Sólidos em Suspensão, Demanda Química de Oxigênio (DQO), Demanda Bioquímica de Oxigênio, Nitrogênio Amoniacal, Fósforo Total, Nitrato e Nitrito. O parâmetro em que houve redução menos significativa no sistema foi o de DBO, não ocorrendo diferenças significativas entre os sistemas sem e com macrófitas. Portanto, os sistemas alternativos estudados demonstraram viabilidade para o tratamento de esgoto, apresentando-se como uma alternativa promissora para o tratamento de efluentes, a fim de colaborar com a maior abrangência do tratamento de esgoto nas comunidades.

Introdução

O saneamento básico é fundamental para proporcionar qualidade de vida às populações. Nesse sentido, a coleta e tratamento dos esgotos gerados devem ser prioridade, a fim de se neutralizar ou pelo menos mitigar danos à população e ao ambiente. Efluentes não tratados são poluentes dos ecossistemas aquáticos, causando problemas de contaminação principalmente por meio de organismos patogênicos ou acúmulo de sedimentos, por exemplo. Dessa forma, surge a necessidade de um tratamento prévio para que esses efluentes sejam lançados nos corpos hídricos.

Os wetlands são sistemas construídos que auxiliam na melhoria da qualidade da água, por meio de mecanismos biológicos, químicos e físicos, exemplo disso, são os processos que podem ocorrer no sistema, onde as raízes e caules das plantas, possuem a capacidade de filtrar componentes incomuns inseridos no meio, como metais pesados e troca e adsorção de íons no meio aquoso. Esse ambiente serve de habitat para populações de bactérias, e estas contribuem na diminuição da DBO – Demanda Bioquímica de Oxigênio. As águas sem movimentos turbulentos proporcionam a sedimentação de sólidos suspensos e as plantas aquáticas amenizam as intempéries do microclima, como temperatura, insolação e ventos (U.S. ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY, 1998). Observa-se, que o pantanal, com suas áreas alagadas, pode ser denominado um wetland natural.

Surge então a proposição de Wetlands Construídos, sistemas que podem tratar vários tipos de efluentes, como esgotos domésticos, águas pluviais, efluentes de aterros sanitários e industriais (ORMONDE, 2012). A ampliação das pesquisas tem o intuito de identificar e aprimorar a função de cada componente que atua no tratamento, tais como o material filtrante, o fluxo empregado, as macrófitas, máximos carregamentos afluentes, depuração, transferência de oxigênio, estrutura de formação do biofilme e a vida útil do sistema (SEZERINO, 2006).

Mesmo com o aumento de pesquisas nessa área, o conhecimento sobre Wetlands Construídos ainda se encontra fragmentado e com pouca padronização, principalmente na região de estudo pretendida (Pantanal Matogrossense). Assim, o objetivo do presente estudo é avaliar o comportamento de um Wetland Construído (WC) de bancada para tratamento de esgoto sintético e proposição de padronização para sua aplicabilidade, através de um Procedimento Operacional Padrão – POP.

Autores: Mikaele Silva Kuriki; Francisco Lledo dos Santos; Isabela Naia Talhacoli e Cristiano Poleto.

leia-integra