BIBLIOTECA

Tratamento de água em comunidades rurais por meio da radiação solar

Resumo: No Brasil, principalmente no semiárido, as águas subterrâneas representam uma importante alternativa para minimizar os problemas de escassez hídrica. Porém, a ausência de saneamento em parte das cidades, compromete sua qualidade, exigindo tratamento adequado para viabilizar seu consumo. Com ênfase na realidade social, cultural e econômica da população da zona rural e das pequenas comunidades, este artigo propõe um sistema de tratamento de água unifamiliar, tendo como base os resultados obtidos por meio de um protótipo de baixo custo, que utiliza a radiação solar para melhorar os parâmetros de qualidade das águas subterrâneas. O protótipo é constituído por um garrafão de água de 20L, uma placa de zinco e uma mangueira flexível cristal. A água a ser tratada foi armazenada no garrafão e utilizando a mangueira sobre a placa de zinco foi exposta, por um período de 6 horas, à radiação solar. Os resultados obtidos permitiram concluir que o sistema é bastante eficaz na eliminação dos poluentes bacteriológicos presentes nas águas subterrâneas do município. Com isso foi possível verificar que o protótipo desenvolvido apresenta um forte indicativo de viabilidade para tratamento de água, o que proporcionou a elaboração de uma proposta para um novo sistema, no qual se pretende tratar 500L de água por dia.

Introdução: A água é um recurso natural essencial à vida e ao desenvolvimento das comunidades humanas. Independente do estágio de desenvolvimento ou condição sócioeconômica, deve atender às necessidades humanas em seus diversos aspectos: fisiológicos, econômicos e domésticos (ONU, 1992).
Na microrregião do Curimataú Oriental, a seca alcançou o seu ponto mais extremo, onde o açude Canafístula II, que abastece diversos municípios, chegou a secar, encontrando-se atualmente com 20,9% de sua capacidade total (AESA, 2016). Frente a esse cenário, a população rural e urbana desses locais tem cada vez mais recorrido à utilização de águas subterrâneas. Segundo Zaporozec & Miller (2016), o uso do solo, em zonas urbana, industrial e agrícola, pode resultar na poluição dessa fonte com substâncias químicas, metais pesados, nitratos, bactérias e vírus, ocasionando riscos à saúde das pessoas. Para evitar esse problema, faz-se necessário buscar um sistema de tratamento de água alternativo que possa atender as necessidades e que reduza os custos de implantação e operação, oferecendo condições de saneamento satisfatórias para a população. A escolha do tipo de tratamento dependerá de fatores econômicos, sociais, geográficos e da qualidade físico – química e microbiológica da água a ser tratada. Para atender a esta diversidade, vários estudos nacionais e internacionais de métodos alternativos de tratamento de água estão sendo realizados. Um desses métodos é a desinfecção por radiação solar. De maneira oposta a grande parte dos agentes desinfetantes que na maioria das vezes são utilizados em águas, a técnica de tratamento por meio de radiação solar não inativa os microrganismos por meio de reações químicas. A inativação ocorre através da absorção, pelos microrganismos, dessa luz que contem alta energia, estimulando as reações fotoquímicas com os componentes fundamentais das células, interrompendo o mecanismo de duplicação ou provocando a sua morte (DANIEL et al., 2001). O oxigênio presente na água produz juntamente com a radiação solar uma reação que origina formas altamente reativas de oxigênio. Essas moléculas também interferem na composição estrutural das células e matam os microrganismos patogênicos (SODIS, 2016). De acordo com Witt & Reiff (1996), o comprimento de onda em que pode realizar-se o tratamento de água com radiação UV é na faixa de 240 a 280 nanômetros (nm). Eles também afirmam que utilizando esse método, a água pode ser desinfetada independente de seu grau de contaminação. Cotton et al., (2001) afirmam que a dose de UV necessária para inativar os microrganismos varia entre as diversas espécies e através da classificação dos microrganismos. Dentre as principais vantagens do processo de desinfecção solar, tem-se: diminui a necessidade de fontes tradicionais de energia que poluem o meio ambiente como gás, querosene e lenha; melhora a saúde familiar; possibilita o discernimento da educação sobre higiene e saúde; método simples de desinfecção que não requer infraestrutura cara; otimiza a qualidade microbiológica da água para o consumo humano e; vantagem econômica para as famílias (SODIS, 2016). Com ênfase na realidade social, cultural e econômica da população da zona rural e das pequenas comunidades, este artigo propõe um sistema de tratamento de água unifamiliar, tendo como base os resultados obtidos por meio de um protótipo de baixo custo que utiliza a radiação solar para melhorar os parâmetros de qualidade das águas subterrâneas.

Autores: Yuri Tomaz Neves; Laercio Leal dos Santos; Erick dos Santos Leal e Bruno Menezes da Cunha Gomes.

Leia o estudo completo: tratamento-de-agua-em-comunidades-rurais-por-meio-da-radiacao-solar