BIBLIOTECA

O projeto iEQTA na AGS: sustentabilidade e resiliência nos serviços de águas residuais

Resumo

As entidades gestoras (EG) de serviços de água deparam se atualmente com preocupações crescentes face aos desafios das alterações climáticas, da recuperação de recursos numa lógica de economia circular ou do aumento das exigências legais e das expectativas dos utilizadores do serviço. O desempenho adequado dos serviços de águas residuais e, em especial, das estações de tratamento de águas residuais (ETAR) é um fator crucial para a garantia da qualidade da água devolvida ao meio recetor. Neste sentido, a avaliação de desempenho de ETAR é fundamental para a identificação dos aspetos críticos das instalações de tratamento e para a consequente melhoria contínua em termos de eficácia, eficiência e fiabilidade, contribuindo para a sustentabilidade dos serviços de águas e para a manutenção de um serviço de qualidade ao longo do tempo. Este artigo visa apresentar os resultados preliminares da participação da AGS e das suas empresas participadas na iniciativa em Energia, Qualidade e Tratamento de Água (iEQTA) promovida pelo LNEC e o seu contributo na melhoria dos processos internos da organização e no aumento do desempenho dos sistemas.

Introdução

A eficiência dos sistemas urbanos de água constitui, cada vez mais, uma preocupação das entidades gestoras (EG) de serviços de água, especialmente em países como Portugal que, ao longo das últimas décadas, passaram de uma intensa fase de infraestruturação para uma fase de otimização dos serviços. Esta preocupação é reforçada quer pelos desafios colocados às EG no que respeita ao fenómeno das alterações climáticas, ligação água-energia-alimentos ou à necessidade de recuperação de recursos numa lógica de economia circular, quer pelos constrangimentos derivados do aumento das exigências legais e das necessidades e expectativas dos utilizadores do serviço. Na sociedade tecnológica em que vivemos, situações de incumprimento ou de desempenho insatisfatório dos sistemas de água são potencialmente alvo de rápida disseminação através de plataformas tecnológicas e redes sociais, causando prejuízos ao nível da imagem da entidade que gere o sistema.

Neste sentido, é especialmente importante mudar o paradigma de gestão dos sistemas de uma perspetiva reativa para uma perspetiva preventiva que permita obter os níveis de serviço pretendidos (eficácia) com a melhor utilização possível dos recursos (eficiência) disponíveis na entidade. Esta mudança de paradigma é especialmente relevante em estações de tratamento de águas residuais (ETAR), instalações chave para a garantia da conformidade da qualidade da água descarregada no meio recetor e onde o recurso energia adquire um peso relevante em termos do custo operacional da EG.

A avaliação da eficácia e da eficiência das instalações de tratamento é fundamental como ponto de partida para a identificação dos pontos fortes e dos aspetos a melhorar em termos da operação destas instalações, como processo contínuo de monitorização do desempenho e como verificação de eventuais medidas corretivas implementadas.

Autores: Pedro Ramalho; Nuno Semião; Tatiana Silva; Joana Cassidy e João Feliciano.