BIBLIOTECA

Avaliação do nível de degradação de uma fonte na Chapada do Araripe e sua influência na disponibilidade hídrica

Resumo

Região do Cariri tem nas águas subterrâneas da Bacia Sedimentar do Araripe a principal fonte de recursos hídricos necessário para seu desenvolvimento socioeconômico, dos 3.645 pontos d’água cadastrados, 252 são fontes naturais. A fonte da Batateira, no Crato, possui uma vazão de 380m³/h, uma das melhores vazões, embora mantenha apenas 23% da sua vazão original. Partindo do princípio que a disponibilidade hídrica está diretamente relacionada com a qualidade ambiental de suas áreas de recargas, esse presente trabalho avaliou por meio de visitas in loco e aplicação de checklist as condições ambientais da Fonte Batateira e da viabilidade de indução de água no aquífero. Diante da avaliação realizada, pode-se concluir que a vegetação presente possui condições boas, embora ainda apresente sinais de desmatamento e pequenos pontos de queimadas, esses fatores antrópicos são responsáveis pela redução da vazão disponível da fonte. Recomenda-se aplicar uma metodologia de recarga artificial do aquífero como forma de reduzir a constante redução da vazão da fonte.

Introdução

A Região do Cariri tem nas águas subterrâneas da Bacia Sedimentar do Araripe a principal fonte de recursos hídricos necessário para seu desenvolvimento socioeconômico, com o abastecimento das populações, fundamentalmente por exutórios (fontes) e poços tubulares profundos. Estão cadastrados 3.645 pontos d’água, sendo: 3.370 poços tubulares; 23 poços amazonas; e 252 fontes naturais. As fontes naturais representam para a região do Cariri uma importante fonte de abastecimento, com destaque para as duas maiores: a fonte da Batateira, no Crato, com 380,00 m³/h e a da Pendência, em Missão Velha, com 352,00 m³/h (CEARÁ, 2009). As nascentes são uma das principais fontes de abastecimento de muitas cidades, que fornecem água de qualidade para consumo humano entre outros usos. A disponibilidade desse recurso está diretamente ligada ao volume precipitado nas zonas de recarga desse exutórios, contudo, deve-se considerar que apenas um pequeno percentual dessas precipitações, de acordo com o ciclo hidrológico e com modelos matemáticos de estimativas de recargas realmente se infiltram e alimentam essas vazões, o maior volume precipitado é transformado em escoamento superficial.

Deve-se considerar, que as condições ambientais das áreas de recarga possuem um papel fundamental nesse volume, logo, quanto maior a cobertura vegetal dessas áreas, maior será o volume de recarga das fontes. De acordo com Kemper et al. (1995), a Fonte da Batateira diminuiu de 1490 m³/h em 1854 para 376 m³/h em 1993 e 352 m³/h em 2009, sendo possível determinar que a pressão antrópica no meio seja o causador dessa redução. Simulações com o modelo matemático computadorizado MODFLOW mostraram que as áreas de influência de uma fonte na mesma região, inseridas na Floresta Nacional do Araripe, recebem uma recarga média anual de aproximadamente 4 % da precipitação média anual. Considerando a precipitação média anual de 1000 mm, tem-se a recarga média anual de 40 mm (COGERH, 2010). Partindo do princípio que a disponibilidade hídrica está diretamente relacionada com a qualidade ambiental de suas áreas de recargas, este trabalho tem por objetivo avaliar por meio de visitas in loco e aplicação de checklist as condições ambientais de uma fonte da Chapada do Araripe de suma importância no abastecimento humano de uma significativa quantidade de habitantes e construir indicadores que possam conservar e aumentar a vazão dessa.

Autores: Cristiano Cardoso Gomes; Franciel Rodrigues Dias;José Yarley de Brito Gonçalves e André Ramos de Souza.