NOTÍCIAS

Água Limpa para Todos: projeto mapeia área para restauração nas Cabeceiras do Pantanal

Área que é berço de cerca de 80% das águas que abastecem a maior planície alagada do mundo, as Cabeceiras do Pantanal têm necessidade de intervenção em pelo menos 2 milhões de hectares para atingir o melhor custo-benefício para o controle da erosão e regulação hídrica – serviços fundamentais para aumentar a quantidade e melhorar a qualidade da água no território. A área representa 11% da paisagem, tamanho equivalente a aproximadamente 2,5 vezes o município de Campo Grande.

Para contribuir com a restauração dessa área, a Aegea, líder no setor privado de saneamento no país, e o WWF-Brasil, organização não-governamental que faz parte da maior rede de conservação do mundo, lançaram três estudos para restauração das Cabeceiras do Pantanal, localizada em uma região que abrange 85 municípios, 16 sub-bacias hidrográficas e uma população de cerca de 3 milhões de habitantes dos estados de Mato Grosso e de Mato Grosso do Sul.

“A restauração das Cabeceiras do Pantanal é urgente e vale o investimento por diversos motivos”, destaca Veronica Maioli, especialista em Conservação e Restauração do WWF-Brasil. “Além de ser fundamental para a melhoria do solo e para a manutenção dos recursos hídricos da região, é uma atividade que também gera trabalho e renda, favorece a segurança alimentar, a manutenção da cultura e do bem-estar da população local”, acrescenta.


LEIA TAMBÉM: REFLORESTAMENTO: GOVERNO VAI LICITAR 100 MIL HECTARES NA AMAZÔNIA


De acordo com as modelagens realizadas por pesquisadores para o projeto, chamado “Água Limpa para Todos”, a melhoria da qualidade da água começaria a ser percebida após ações sustentáveis como a restauração nas margens de rios e nascentes, conservação do solo, adoção de melhores práticas agrícolas e construção de curvas de nível para aumento da infiltração da água da chuva e redução da erosão do solo.

Já o aumento do volume hídrico seria constatado após intervenção em, no mínimo, 20% da paisagem. Também foram analisadas porções da sub-bacia Jauru e da microbacia de Poconé, em Mato Grosso, e da sub-bacia do Miranda e da APA (Área de Preservação Ambiental) da bacia do córrego Guariroba (MS).

Para Édison Carlos, presidente do Instituto Aegea, é de extrema importância para a companhia apoiar iniciativas que vão além dos serviços básicos do setor, como garantir mais resiliência hídrica e água em quantidade e qualidade. “Tendo essa premissa em mente, analisar estes cenários no Pantanal com o WWF-Brasil nos indica a necessidade do país em encontrar soluções para garantir que esse recurso fundamental chegue a todos”, destaca.

“Esse estudo vem ao encontro do nosso pilar de proteção ao meio ambiente, com a ampliação de iniciativas que demonstrem a importância da resiliência hídrica”, afirma Radamés Casseb, CEO da Aegea. “Como líderes em nosso setor, entendemos o nosso papel de investir em ações que geram impactos ambientais e sociais e a importância de unir forças para a construção contínua de um legado em prol do país e das gerações futuras”, completa.

Fonte: UM SÓ PLANETA


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: CANTAREIRA, CORAÇÃO QUE GARANTE ÁGUA DE SP, TEM GRANDE POTENCIAL DE GERAÇÃO DE ENERGIA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: DIA DO CERRADO: DESTRUIÇÃO DO BIOMA AMEAÇA SEGURANÇA HÍDRICA DO BRASIL

ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
SOS Rio Grande do Sul

EP se mobiliza para apoiar vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul

Em meio a tempos desafiadores, onde a solidariedade e o apoio mútuo se tornam ainda mais essenciais, a EP tem o orgulho de anunciar seu papel ativo na assistência às vítimas das recentes tempestades que assolaram o Rio Grande do Sul. Conscientes da necessidade urgente de ajuda, mobilizamos nossos mais de 550 colaboradores em uma campanha solidária destinada a fornecer apoio vital para as comunidades afetadas.

Continuar lendo »