Notícias

Acúmulo de Microplásticos Atmosféricos em Parques

Publicado em 28/10/2020 às 11:23:01

Um novo estudo rastreou a dispersão de partículas seguindo padrões atmosféricos em longas distâncias

 

airborne-microplastic-particles

No estudo, as taxas mais severas de deposição de “chuva plástica” foram observadas no Parque Nacional das Montanhas Rochosas

A decomposição do plástico é lenta a nível molecular, mas se quebra facilmente em fragmentos e fibras cada vez menores, que podem causar problemas de saúde e danos ambientais. Chamamos esses pequenos pedaços de plástico no ambiente de microplásticos e, de acordo com novas pesquisas científicas, 11 bilhões de toneladas métricas de microplásticos provavelmente se acumularão no meio ambiente até 2025.

Mas os microplásticos não ficam onde são descartados. 1.000 toneladas anuais deles estão sendo acumuladas em áreas protegidas no oeste, incluindo o Parque Nacional Joshua Tree, o Grand Canyon e o Parque Nacional das Montanhas Rochosas. Mas como eles chegam lá?

Microplásticos Depositados Secos e Úmidos

Os microplásticos são geralmente descritos como depositados por via seca ou úmida.

Os microplásticos depositados por via úmida são geralmente transportados pelas chuvas conforme as tempestades se movem pelas áreas metropolitanas. Por exemplo, um estudo de 2019 encontrou microplásticos em 90% das gotas de chuva que coletaram nas Montanhas Rochosas. Pequenos fios de roupas de nylon muito pequenos para serem apanhados em um coletor de fiapos de uma secadora no meio de Denver, por exemplo, podem acabar em uma nuvem sobre um parque nacional.

Uma vez que o tratamento convencional de efluentes não remove normalmente os microplásticos, eles frequentemente chegam às águas superficiais através dos efluentes tratados. Algumas pesquisas mostraram que as partículas de plástico nos lodos de tratamento de efluentes podem ser reduzidas por meio da digestão anaeróbica.


LEIA TAMBÉM: ESTUDO DIZ QUE HÁ 14 MILHÕES DE TONELADAS DE MICROPLÁSTICOS NO FUNDO DO MAR


Os microplásticos depositados por via seca são transportados por fenômenos de clima seco, como o vento. Um novo estudo de 2020 descobriu microplásticos em forma de poeira em áreas áridas seguindo padrões atmosféricos que os dispersam em grande escala por longas distâncias.

Entendendo o Ciclo do Plástico na Atmosfera

Janice Brahney, da Universidade Estadual de Utah, fez a descoberta enquanto analisava poeira no deserto ocidental. Em vez da composição esperada de pedaços de quartzo, feldspato, pólen e insetos, ela encontrou um arco-íris de partículas de plástico. Este pó microplástico depositado a seco era composto de partículas de plástico menores do que as partículas depositadas por via úmida; no entanto, eles foram encontrados em concentrações mais altas.

Brahney usou um modelo de informação da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) que pode pegar uma coordenada de localização e determinar onde a massa de ar do espaço estava até 48 horas antes, também pode prever para onde irá no futuro. No estudo, as taxas mais severas de deposição de “chuva de plástica” foram observadas no Parque Nacional das Montanhas Rochosas, não muito longe de Fort Collins e Denver, Colorado. E com a ajuda do modelo de informação, os pesquisadores conseguiram identificar as cidades como a provável origem dos microplásticos.

Os cientistas sabem que os microplásticos se acumulam no oceano e são consumidos por minúsculos organismos há muito tempo, mas só recentemente eles perceberam quantos microplásticos no ar são transportados pela atmosfera como poeira. De acordo com Steve Allen, da Universidade de Strathclyde, na Escócia:

O transporte atmosférico significa que nossas áreas silvestres – e, portanto, nossa rede de segurança de ecossistemas, insetos e animais não afetados pela agricultura – não são seguras. […] Os efeitos do microplástico nessas áreas ainda estão sendo investigados, mas sabe-se que […] ingerí-lo pode bloquear o trato digestivo de pequenas criaturas como as minhocas. Isso sem contar os produtos químicos mutagênicos, cancerígenos e desreguladores endócrinos que o plástico carrega.

A pesquisa de Brahney oferece uma nova visão do ciclo do plástico atmosférico. As cidades geram microplásticos e tempestades e os carregam por muitos quilômetros. E a pesquisa traz uma nova compreensão de como os processos aéreos globais, como a corrente de jato, podem carregá-los por grandes distâncias, quilômetros acima do solo, explicando por que eles são depositados em altitudes tão elevadas.

Podemos escapar dos muitos problemas da vida da cidade no deserto, mas novas pesquisas mostram que os microplásticos não são um deles. Eles são onipresentes, desde as montanhas até o fundo do oceano. Brahney explicou: “Estamos produzindo algo que não desaparece e, só porque não podemos vê-lo, não significa que não esteja lá.”


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: GOVERNO DE SP ANUNCIA 530 MIL LIGAÇÕES DE ESGOTO NA BACIA DO PINHEIROS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: SANEPAR MANTÉM ALERTA PARA POPULAÇÃO REDUZIR USO DA ÁGUA


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *