NOTÍCIAS

Nova tecnologia torna águas residuais da indústria petrolífera mais seguras para os peixes

No canto nordeste de Alberta, coberto por extensões de florestas e áreas úmidas, encontra-se um grande dilema de água doce que o Canadá está enfrentando atualmente

 

industria-petrolifera

Foto ilustrativa

 

Descendo o rio de Fort McMurray, grandes lagoas se estendem por quilômetros e cheias de água tóxica. Por décadas, a indústria canadense de areias petrolíferas tem enchido esses tanques com águas residuais da extração de petróleo. O objetivo dessas lagoas é armazenar e reaproveitar a água, a fim de reduzir a quantidade de água nova captada no vizinho Rio Athabasca.

A reutilização de água para a extração de óleo faz com que as lagoas de rejeitos acumulem concentrações cada vez maiores de contaminantes prejudiciais. Como tal, a água nessas bacias de rejeitos é perigosa e frequentemente letal para pássaros, peixes, sapos e plantas.

 

industria-petrolifera

Foto ilustrativa

 

Atualmente, há água semelhante a lama suficiente para encher meio milhão de piscinas olímpicas – e esse volume continua a aumentar. Esta enorme quantidade de águas residuais recentemente levou os reguladores de Alberta a repensar a gestão da lagoa de rejeitos.

Uma nova orientação política em Alberta permite – pela primeira vez – a liberação controlada de água de bacias de rejeitos para o meio ambiente. As lagoas de rejeitos serão eliminadas dentro de um determinado período de tempo, reduzindo a probabilidade de esses corpos d’água tóxicos permanecerem em nossa paisagem indefinidamente.

Novos regulamentos, que entrarão em vigor em 2022, permitem que as empresas de areias petrolíferas liberem 1,3 trilhão de litros de resíduos líquidos no rio Athabasca . Esses planos, junto com os regulamentos recentemente liberados para monitoramento ambiental em Alberta, levantam preocupações sobre os danos potenciais à vida selvagem e às pessoas que vivem a jusante do desenvolvimento de areias petrolíferas.

A água residual das areias oleosas deve passar por processos de tratamento antes de ser liberada. Claramente, encontrar tecnologias que possam limpar com segurança e eficiência essas águas residuais é uma prioridade urgente para a saúde humana e ambiental. Testamos uma nova tecnologia promissora – micropartículas de dióxido de titânio – que é econômica, sustentável e eficiente para limpar águas residuais de areias oleosas em Alberta.

Uma nova tecnologia verde

O dióxido de titânio é um ingrediente comum em muitos produtos domésticos, como pasta de dente e protetor solar. Quando colocado em micropartículas – pequenos objetos redondos feitos de vidro – o dióxido de titânio pode decompor produtos químicos orgânicos em óleos e águas residuais. A tecnologia pode degradar produtos químicos com eficiência notável: em menos de 24 horas durante os testes de laboratório .

A tecnologia é reciclável e pode ser usada várias vezes. As micropartículas flutuam na superfície da água, tornando-as fáceis de coletar. Além disso, a tecnologia usa a energia do sol, tornando-a uma opção mais sustentável em comparação com métodos mais intensivos em energia.

Usando a energia solar, a tecnologia cria produtos químicos de tratamento, conhecidos como radicais, a partir da própria água. Esses radicais quebram os produtos químicos orgânicos tóxicos, teoricamente deixando água limpa. No entanto, não sabíamos se a tecnologia reduz a toxicidade de óleos e produtos químicos para os organismos vivos, por isso nossa equipe de pesquisa decidiu responder a essa pergunta.


LEIA TAMBÉM: TECNOLOGIA CONVERTE ÁGUA DO MAR EM ÁGUA POTÁVEL EM APENAS MEIA HORA


Isso realmente funciona?

O teste final de qualquer tratamento de águas residuais é se os produtos tratados são seguros para plantas e animais. E então, testamos se as micropartículas de dióxido de titânio podem “explodir” produtos químicos orgânicos tóxicos em bacias de rejeitos – chamados de ácidos naftênicos – deixando água limpa para os peixes . Primeiro, diluímos os ácidos naftênicos para concentrações que são encontradas nas bacias de rejeitos de Alberta e os tratamos com dióxido de titânio. Em seguida, expusemos peixes a esses produtos químicos tratados e não tratados para ver se a tecnologia funcionava bem.

O que descobrimos foi fascinante. Não é novidade que os ácidos naftênicos de óleos e águas residuais que não receberam tratamento foram altamente tóxicos para os peixes. Quando os ovos de peixe foram expostos aos ácidos naftênicos não tratados, a maioria dos ovos morreram antes de eclodir.

Quando os ácidos naftênicos foram tratados, entretanto, os efeitos letais imediatos desapareceram quase completamente. A tecnologia aumentou drasticamente a sobrevivência das ovas de peixe.

Esses resultados são empolgantes, porque significam que a tecnologia de dióxido de titânio poderia ser usada para limpar reservatórios de rejeitos em Alberta. No entanto, também encontramos algumas informações importantes sobre a tecnologia que devem ser consideradas antes que possa ser usada na prática.

A tecnologia de dióxido de titânio pode ser usada em diferentes intensidades para limpar a água em bacias de rejeitos. Dependendo do nível de tratamento, diferentes quantidades de produtos químicos tóxicos nas águas residuais são decompostas.

Em nossos testes, foi somente quando pelo menos 80% dos produtos químicos foram decompostos que a água tratada não foi totalmente letal para os peixes. Quando os ácidos naftênicos foram apenas parcialmente decompostos pelo tratamento, vimos realmente que os efeitos subletais, como corações deformados, podem até aumentar. Isso significa que, a menos que as águas residuais sejam completamente tratadas, ainda podem ser prejudiciais aos peixes. Portanto, se essa tecnologia for usada em Alberta, os rejeitos devem ser tratados intensivamente, ou corremos o risco de causar danos à vida selvagem.

Nossa pesquisa mostrou que as micropartículas de dióxido de titânio é uma tecnologia promissora para limpar os enormes volumes de águas residuais nas bacias de rejeitos de Alberta. Mas mais pesquisas ainda precisam ser conduzidas, particularmente estudos que testam a segurança dessa tecnologia em diferentes espécies e estágios de vida e em terminais ecológicos mais complexos.

Finalmente, nossa pesquisa serve como um alerta de que o tratamento inadequado de óleos e águas residuais antes de seu lançamento no meio ambiente pode levar a consequências ecológicas indesejadas.

Para onde vamos daqui?

Não há dúvida de que a água residual produzida e armazenada pela indústria canadense de areias petrolíferas é um problema enorme e complicado. Embora esteja bem estabelecido que as bacias de rejeitos representam um risco substancial para a vida selvagem e a saúde ambiental, ainda temos que ver muito progresso no processo de limpeza. Uma nova direção política em Alberta mudou em direção à eliminação de bacias de rejeitos, mas não está claro se temos os regulamentos e programas de monitoramento adequados para executar essa eliminação com segurança.

Este não é um problema que irá desaparecer tão cedo. Um investimento substancial e de longo prazo – tanto provincial quanto federal – deve ser feito em pesquisa, regulamentos e programas de monitoramento ambiental com relação ao plano de liberação intencional de óleos e águas residuais, se formos sérios sobre como remediar o legado tóxico das bacias de rejeitos.

Diane Orihel , Professora Assistente, Escola de Estudos Ambientais, Queen’s University, Ontário e Jessie Reynolds, Candidata a Mestrado no Departamento de Biologia, Queen’s University, Ontário.

Fonte: Water Online

Traduzido por: Renata Mafra

renata@webapp233877.ip-104-237-133-206.cloudezapp.io

Produtora de conteúdo


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: CONECTANDO O MUNDO COM ÁGUA LIMPA: PARTICIPE DA WEFTEC CONNECT

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: WEBINAR: “GERENCIAMENTO DE REDES DE ESGOTO: CONTROLE DE PERDAS, INFILTRAÇÕES E ACESSOS INDEVIDOS”