NOTÍCIAS

Pesquisadores encontram microplásticos em peixes no Litoral Norte de Pernambuco

UFRPE

Pesquisadores da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) identificaram microplásticos em peixes no Canal de Santa Cruz, que separa a Ilha de Itamaracá do município de Itapissuma, litoral norte de Pernambuco

 

microplasticos

Imagem Ilustrativa

 

Para os especialistas, a origem da partícula microscópica, menores que 5 milímetros, pode ser devido ao despejo incorreto de esgoto e lixo.

No estudo publicado pela revista “Regional Studies in Marine Science”, os pesquisadores analisaram 82 peixes com diferentes hábitos alimentares. A espécie mais contaminada pelos microplásticos foi a do peixe robalo, bastante encontrado na culinária dos municípios da zona costeira.

“Os robalos são peixes predadores que se alimentam de outros peixes e de grandes crustáceos e, por isso, estão mais propensos a serem contaminados por microplásticos. Tanto através da exposição aos habitats estuarinos contaminados como da ingestão de presas contaminadas”, explica Anne Justino, bióloga e uma das autoras da pesquisa.

O estuário do Canal de Santa Cruz, ambiente de transição entre rio e mar, é uma área com bastante atividade humana, incluindo despejo incorreto de esgoto e lixo. A maioria dos microplásticos encontrados na análise foram fibras, que podem ter origem em linhas de pesca e água da lavagem de roupas feitas com tecidos sintéticos.

Porém, a pesquisadora notou a presença de partículas com outras origens: “também identificamos alguns fragmentos de plástico e microesferas que são bastante utilizadas na indústria de cosméticos e que podem chegar aos estuários através do lançamento de esgoto sem tratamento adequado”, avalia Anne.


LEIA TAMBÉM: OXIDAÇÃO ELETROLÍTICA PODE REMOVER MICROPLÁSTICOS DIRETAMENTE NA FONTE


Acúmulo de microplásticos

Essas partículas de microplásticos se acumulam no sedimento e na coluna d’água, afetando  principalmente as espécies de peixes com comportamento demersal, ou seja, que se alimentam da fauna associada ao substrato, podendo ter contato direto com a camada contaminada ou ingerindo presas contaminadas, como acontece com o robalo.
O perigo dessa contaminação está no impacto negativo que o organismo dos peixes sofrem. “A ingestão de microplásticos pelas espécies marinhas pode causar danos no aparelho digestório, diminuição da eficiência predatória, desnutrição, e dependendo do tamanho, podem até mesmo se acumular em alguns órgãos”, avalia a pesquisadora.
Não existem alternativas para retirar o microplástico do ecossistema marinho, sendo necessário atitudes que impedem uma contaminação maior nesses ambientes. Uma das principais medidas de contenção, como explica Anne, é o saneamento básico, ainda um desafio no país, onde quase metade da população não tem acesso à rede de esgoto, segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS).
“Algumas tecnologias já estão sendo desenvolvidas para filtrar os microplásticos nas estações de tratamento de água, mas essa é uma realidade distante para o Brasil que ainda enfrenta dificuldades na coleta e tratamento de esgoto”, ressalta a especialista.
Fonte: Diário de Pernambuco.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: COM ATRASO DE 10 MESES EM OBRA, VALE INICIA TESTES DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA NO RIO PARAOPEBA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: SINGAPURA APRESENTA UMA DAS MAIORES USINAS SOLARES FLUTUANTES DO MUNDO