NOTÍCIAS

Pesquisador brasileiro desenvolve tecnologia para transformar vinhaça em hidrogênio verde

O pesquisador brasileiro Thiago Lopes está à frente do desenvolvimento de uma tecnologia que visa transformar a vinhaça – resíduo poluente gerado pela produção de etanol – em hidrogênio verde.

Lopes lidera o Laboratório de Células a Combustível da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), unidade onde deverá ser desenvolvido um reator eletrolítico voltado para a realidade da indústria sucroalcooleira nacional.

Segundo o pesquisador, a vinhaça tem 95% de água em sua composição. Por isso, a ideia é que por meio do reator seja possível quebrar as moléculas de água do resíduo para gerar oxigênio e hidrogênio verde

Imagem ilustrativa

O laboratório liderado pelo pesquisador faz parte do Centro de Pesquisa para Inovação em Gases de Efeito Estufa (RCGI), financiado pela Shell do Brasil e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Apontado como a próxima fronteira do setor energético mundial, o hidrogênio verde tem um amplo leque de aplicações. Uma delas, por exemplo, é a produção da amônia usada em fertilizantes.

“Hoje a amônia é sintetizada com hidrogênio proveniente de gás natural, o que gera uma pegada de CO2”, lembra o pesquisador.

Lopes diz também que ao condensar a água, pode-se obter de forma fácil e econômica um CO2 puro para estocagem ou então para ser convertido em produtos.

O reator pode ser usado também para fazer com que a vinhaça fique mais concentrada.

“É um volume gigantesco para armazenar e transportar. Se estiver mais concentrada, livre de uma fração de água, a vinhaça vai ocupar menos espaço e demandar menos transporte. Vale dizer que esse transporte, em geral, é feito por caminhões movidos a óleo diesel, e isso adiciona pegadas de CO2 ao etanol brasileiro”, apontou Lopes.


 

LEIA TAMBÉM: COM MAIS DE US$ 700 MI EM PARCERIAS NO CEARÁ, BID MIRA HUB DO HIDROGÊNIO VERDE


 

O hidrogênio verde poderá também alimentar veículos com motor de célula a combustível ou veículos elétricos movidos a bateria recarregável em tomadas especiais.

“No motor de um veículo com célula a combustível o hidrogênio reage com o oxigênio que vem do ambiente. A energia elétrica liberada alimenta o veículo e o processo gera como resíduos apenas calor e água pura. Atualmente, esse hidrogênio é obtido em nível mundial por meio de gás natural, o que gera pegadas de CO2. Daí a importância de se descobrir formas de produzir hidrogênio verde. É o que pretendemos fazer no laboratório por meio do concentrador eletrolítico de vinhaça. Tudo está interligado”, acrescentou o pesquisador.

O laboratório vai utilizar uma técnica desenvolvida por Lopes durante temporada como pesquisador associado do Imperial College London, no Reino Unido, entre 2012 e 2014.

“O motor de um veículo de célula a combustível é alimentado de um lado por oxigênio e, de outro, por hidrogênio. No lado que passa o ar colocamos uma mistura com cerca de 1000 ppm de ozônio. Já na camada catalítica, onde acontece a reação da célula a combustível, colocamos um pigmento que ao interagir com o ozônio emite luz. Isso nos ajuda a visualizar, por meio de uma câmera, e comparar como os comburentes são distribuídos em motores de célula a combustível feitos com vários tipos de materiais, com diferentes propriedades, e sob diferentes condições, promovendo assim o desenvolvimento de modelos numéricos avançados de célula a combustível e otimização topológica das mesmas”, prossegue Lopes.

A equipe transdisciplinar do laboratório, que conta com pesquisadores da Poli, do Instituto de Física (IF), do Instituto de Química e do Instituto de Meio Ambiente (IEE) da USP, vai trabalhar em conjunto com o Imperial College London no desenvolvimento das diversas camadas que compõem as células a combustível e pretende avançar.

“Na camada catalítica a ideia é descobrir se materiais mais acessíveis, como uma mistura a base de ferro, carbono e nitrogênio, podem substituir a platina e serem utilizados pela indústria automotiva”, diz Lopes.

“Trata-se de uma demanda mundial. Hoje há nos Estados Unidos um consórcio de pesquisa, nos moldes do RCGI, voltado ao desenvolvimento desses materiais. Mesmo porque não existe platina suficiente para trocarmos toda a frota mundial de veículos para célula a combustível. Nós, cientistas, temos muito trabalho pela frente”, concluiu.

Fonte: Petronotícias


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: ERUPÇÃO VULCÂNICA SUBAQUÁTICA EM TONGA INTOXICA ÁGUA E PODE PREJUDICAR AGRICULTURA LOCAL

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: APÓS DOIS ANOS DE CRISE HÍDRICA E SANITÁRIA, CURITIBA TEM ‘UM PROBLEMA A MENOS’

ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
ALADYR pede ação imediata sobre mudança climática após desastre no Rio Grande do Sul

ALADYR pede ação imediata sobre mudança climática após desastre no Rio Grande do Sul

Diante do impacto das chuvas no Rio Grande do Sul, que afetaram centenas de milhares, a ALADYR pede aos governos e entidades privadas que acelerem a implementação de políticas de adaptação e mitigação do climática. A organização destaca a importância de atualizar a legislação, promover o reúso de água e adotar inovações como o modelo de “cidade esponja” para enfrentar efetivamente esses desafios iminentes

Continuar lendo »