NOTÍCIAS

Indústrias de pequeno porte vão investir mais em sustentabilidade

Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) com o Instituto FSB avaliou a visão das indústrias de pequeno porte sobre a sustentabilidade para apoiar a estratégia de transição para uma economia de baixo carbono. Os dados revelam que a maioria delas (55%) vai investir mais nos próximos dois anos na implementação de ações sustentáveis alinhadas à estratégia levada pela CNI para Glasgow, na Escócia, para uma transição para uma economia de baixo carbono. Para outras 37%, os recursos devem ficar no mesmo patamar dos atuais e apenas 4% afirmaram que eles devem ser reduzidos. Mesmo em meio à pandemia e à crise econômica, 20% dos pequenos negócios industriais aumentaram o investimento nesse tipo de ação.

Pesquisa da CNI revela que nove em cada 10 pequenas indústrias já adotam ações para evitar o desperdício de água ou energia e 85% fazem gestão de resíduos sólidos

Imagem Ilustrativa

Olhando para o panorama atual, os dados mostram que, em alguns quesitos, as indústrias de pequeno porte estão avançadas. Ações para evitar os desperdícios de energia e água já são adotadas em 90% e 89% das empresas desse porte respectivamente. A gestão de resíduos sólidos é uma realidade em 85% dos negócios. Três em cada quatro (76%) executivos afirmam que o setor industrial, considerando o ambiente de negócios no Brasil hoje em dia, enxerga o tema sustentabilidade como uma oportunidade.

Para quase 1/3 a agenda de sustentabilidade envolve mais oportunidades do que riscos. Apenas 22% afirmaram que há mais riscos que oportunidades ou só riscos.

“Não há mais espaço para a falsa divergência entre desenvolvimento e a conservação do meio ambiente. Os dados revelam que as indústrias de pequeno porte estão atentas à importância da implementação de ações concretas de sustentabilidade em seus processos produtivos. Na COP26 pudemos ver exemplos do setor produtivo brasileiro alinhados com as melhores práticas globais. Em alguns quesitos como a matriz energética e em alguns pontos da economia circular, somos um exemplo a ser seguido”, comentou o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Davi Bomtempo.

Davi lembra que além das iniciativas empresariais, enquanto a participação de fontes renováveis na matriz elétrica dos países da OCDE está em torno de 18% a 27%, no Brasil ela representa 83%.


LEIA TAMBÉM: INDÚSTRIA BAIANA INVESTE EM SUSTENTABILIDADE PARA OTIMIZAR CUSTOS E PRESERVAR MEIO AMBIENTE


Financiamento e conscientização da sociedade deveriam ser prioridade para o governo

Quando os executivos foram questionados sobre qual deveria ser a prioridade do governo, os itens que mais apareceram espontaneamente foram o financiamento a ações sustentáveis e a conscientização da sociedade com 16% das respostas cada um dos itens.

Para 71% dos representantes das pequenas indústrias do Brasil, cabe ao Poder Público, além de controlar, estimular as empresas para que sigam as regras ambientais.

Consumidores e exigência regulatória impulsionam agenda sustentável

Os dois principais motivos que levam indústrias de pequeno porte a investirem em sustentabilidade são a reputação junto à sociedade e aos consumidores (40%) e o atendimento às exigências regulatórias com o mesmo percentual. A redução de custos, com 36%, e o aumento da competitividade, com 34%, completam a lista de itens que mais estimulam os empresários a adotarem a agenda sustentável. Do outro lado, a falta de cultura voltada para o tema (46%) e a falta de incentivos do governo (45%) são apontados como os principais entraves.

Cadeia produtiva poderia estimular mais a adoção de ações sustentáveis nas empresas

A pesquisa mostra que apenas 36% já teve, como fornecedor, alguma exigência de certificado ou ação ambientalmente sustentável como critério de contratação por parte dos clientes. O índice é ainda mais baixo (24%) quando a análise recai sobre a exigência por parte das pequenas indústrias de critérios sustentáveis para a contratação de fornecedores. O percentual de empresas que já deixaram de vender algum produto por não ter alguma certificação ou seguir alguma ação de sustentabilidade exigida pelo mercado cai pela metade: 12%.

Indústria ainda pode ampliar compreensão e ações de sustentabilidade

Apesar dos indicadores positivos, 79% dos entrevistados admitem que estão pouco ou nada familiarizados com a sigla ESG (do inglês usada para designar ações de sustentabilidades com base nos pilares ambiental, social e de governança). Mesmo pouco ou nada familiarizados com o tema, 81% dos líderes empresariais dizem que o ESG é importante ou muito importante.

Em termos de estrutura organizacional, apenas 21% das empresas têm uma área formal para lidar com o tema sustentabilidade. Dessas, pouco menos da metade (10% do total das empresas pequenas) dá autonomia financeira a essa área. Outro ponto de atenção diz respeito à estratégia e ao estabelecimento de metas de sustentabilidade: apenas 22% das empresas escutadas afirmam ter.

O Instituto FSB Pesquisa entrevistou, por telefone, executivos de 500 empresas industriais de pequeno porte, compondo amostra proporcional em relação ao quantitativo total de empresas industriais desse porte em todos os estados brasileiros.

As entrevistas foram realizadas entre 13 e 27 de outubro de 2021. Devido ao arredondamento, a soma dos percentuais pode variar de 99% a 101%.

Fonte: CNI (Confederação Nacional das Indústrias)


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: ENTENDA O QUE SÃO SUPERBACTÉRIAS E A AMEAÇA GLOBAL DA RESISTÊNCIA A ANTIBIÓTICOS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: PARADA GERAL DA VERACEL VAI GERAR 2.600 EMPREGOS TEMPORÁRIOS