NOTÍCIAS

China aprovou equivalente a duas novas usinas de carvão por semana em 2022

Usinas de carvão

A China está avançando com novas usinas de carvão, apesar de suas promessas de reduzir o carbono à medida que o mundo mergulha cada vez mais fundo na crise climática.

Informações são do relatório produzido pelo Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo (CREA) e pelo Global Energy Monitor (GEM)

A China está avançando com o carvão, mostra um novo relatório, aprovando e construindo rapidamente novas usinas de energia, apesar de suas promessas de reduzir o carbono à medida que o mundo mergulha cada vez mais fundo na crise climática.

No ano passado, o país aprovou o maior número de novas usinas movidas a carvão desde 2015, segundo o relatório divulgado nesta segunda-feira (7) pelo Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo (CREA) e pelo Global Energy Monitor (GEM).

“A China continua a ser a exceção flagrante ao declínio global em andamento no desenvolvimento de usinas de carvão”, disse Flora Champenois, analista de pesquisa da GEM.

“A velocidade com que os projetos progrediram, desde o licenciamento até a construção em 2022, foi extraordinária, com muitos projetos surgindo, obtendo alvarás, obtendo financiamento e iniciando a construção aparentemente em questão de meses”, acrescentou.

As emissões da China são mais do que o dobro das dos Estados Unidos e, embora os líderes do país tenham prometido reduzir o carbono, sua dependência do carvão representa um desafio significativo.

Ao longo de 2022, a China concedeu licenças para 106 gigawatts de capacidade em 82 locais, quadruplicando a capacidade aprovada em 2021 e igual ao início de duas grandes usinas de carvão a cada semana, disse o relatório.

No ano passado, o país experimentou sua pior onda de calor e seca em seis décadas, desferindo um golpe nas províncias dependentes de energia hidrelétrica – e levando as autoridades a se voltarem para o carvão.

Para aliviar a crise de energia, as usinas de carvão aumentaram sua produção, com o consumo diário de carvão térmico atingindo um recorde em agosto.

O ano de 2021 não foi muito melhor. Embora Pequim tenha inicialmente fechado centenas de minas de carvão e pressionado as restantes a reduzir a produção, a escassez de energia em todo o país levou o governo a ordenar que as minas “produzissem o máximo de carvão possível”.

Esse impulso não parece terminar tão cedo, com os autores do relatório alertando que mesmo a expansão simultânea da China em energia renovável não será suficiente para compensar o impacto.

A China adicionou um recorde de 125 gigawatts de capacidade solar e eólica no ano passado, representando 2% da demanda de eletricidade do país.

E embora essa meta seja ainda maior este ano, conforme o relatório, “mesmo esse aumento não será suficiente para suprir todo o crescimento da demanda sem aumentar a geração de energia a partir de combustíveis fósseis”.

Acrescentou que, para a China realmente reduzir as emissões de carbono, precisa começar a eliminar gradualmente sua “vasta frota de usinas a carvão”, em vez de continuar a aumentá-la.


LEIA TAMBÉM: VEOLIA E SOLVAY SUBSTITUIRÃO CARVÃO POR COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUOS ATRAVÉS DA DOMBASLE ÉNERGIE


 

Além do impacto ambiental das usinas, seus “proprietários politicamente influente têm interesse em proteger seus ativos”, disse o relatório.

Meta de carbono neutro

A China e os Estados Unidos são os dois maiores emissores de carbono do mundo, com as emissões da China triplicando nas últimas três décadas, um relatório encontrado em 2021.

E embora o líder chinês Xi Jinping tenha declarado em 2020 que o país se tornaria neutro em carbono até 2060, ativistas e especialistas disseram que o governo não está tomando medidas rápidas ou decisivas o suficiente.

Por exemplo, embora tenham lançado um novo plano em 2021 para reduzir sua dependência de combustíveis fósseis, não anunciaram uma meta de emissões atualizada.

Mais tarde naquele ano, o plano de redução de emissões submetido às Nações Unidas atraiu a decepção de outros líderes mundiais que esperavam promessas significativamente mais altas e um cronograma de descarbonização acelerado.

O próprio Xi suavizou seu tom em relação ao carbono zero diante de quedas de energia, fechamento de fábricas e cadeias de suprimentos comprometidas, dizendo no início do ano passado que “o pico de carbono e a neutralidade do carbono não podem ser alcançados da noite para o dia”.

Os esforços climáticos do país também foram prejudicados pela geopolítica, com a China suspendendo as negociações climáticas com os Estados Unidos no ano passado em resposta à viagem da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan – ativistas desanimados dizem que a cooperação dos dois países é crucial se o mundo está para evitar uma catástrofe climática.

As negociações recomeçaram meses depois na cúpula da COP27 da ONU no Egito.

Fonte: cnnbrasil


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: DEGELO DA CAMADA EXTERNA DA GROENLÂNDIA ACELERA E TRAZ RISCOS AO PLANETA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: MATERIAL TRANSFORMA ÁGUA RESIDUAL EM ÁGUA POTÁVEL E AINDA GERA ELETRICIDADE

ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
SOS Rio Grande do Sul

EP se mobiliza para apoiar vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul

Em meio a tempos desafiadores, onde a solidariedade e o apoio mútuo se tornam ainda mais essenciais, a EP tem o orgulho de anunciar seu papel ativo na assistência às vítimas das recentes tempestades que assolaram o Rio Grande do Sul. Conscientes da necessidade urgente de ajuda, mobilizamos nossos mais de 550 colaboradores em uma campanha solidária destinada a fornecer apoio vital para as comunidades afetadas.

Continuar lendo »