BIBLIOTECA

Entre o tempo para atendimento da manutenção e o custo de oportunidade do capital imobilizado: uma aplicação de reservas estratégicas para poços tubulares profundos

Resumo

Neste trabalho, se apresenta um estudo de caso da metodologia utilizada para se definir a quantidade de equipamentos do tipo motor-bomba centrífugos submersos reservas, com o intuito de atender as demandas internas dos setores de operação e manutenção de poços tubulares profundos em caso de falha de um dos equipamentos em operação em uma empresa de saneamento. O principal objetivo foi verificar a possibilidade de se reduzir a quantidade de capital imobilizado necessário em equipamentos reservas. Para isso, considerou-se a possibilidade de se atenuar o número de reservas estratégicas, de forma a aceitar que os equipamentos não trabalhem no ponto ótimo de operação, mas dentro dos limites operacionais, mantendo a confiabilidade do sistema. O estudo foi desenvolvido em um subconjunto de 105 dos poços em operação e verificou-se que com 58 equipamentos reservas seria possível garantir reservas suficiente. Ao se analisar os resultados obtidos, percebe-se que o custo financeiro da perda de produtividade devido a não se utilizar o equipamento ideal, supera consideravelmente o custo de oportunidade do capital que fica imobilizado em estoques de reservas.

Introdução

Um dos principais conflitos existente nas corporações ocorre na gestão de estoques, devido à definição da quantidade a ser imobilizada, pois se por um lado a maximização de estoques favorece aos setores de manutenção e operação, pois contribui para garantir altos níveis de disponibilidade e de confiabilidade, a minimização reduz as perdas no custo de oportunidade do capital que fica imobilizado em estoques e, portanto, contribui para os setores de finanças e controladoria.

No setor de saneamento não é diferente, ao contrário, pode ser mais intenso o problema, pois, normalmente, trata-se de empresa pública, que, devido aos aspectos legais a serem atendidos, possui um considerável tempo de aquisição de novos equipamentos e materiais.

A importância da existência de estoque advém da necessidade de se atender a uma demanda a partir de um processo de suprimentos (GIANESI, BIASI, 2013). Dessa forma, este setor preocupa-se com a demanda interna dos departamentos de operação e manutenção da empresa, os quais têm por objetivo atender a uma solicitação externa, necessidade de água.

Portanto, para dirimir o conflito é necessário que a empresa estabeleça quais os seus objetivos em termos de atendimento e disponibilidade do equipamento e, de posse dessas informações, defina o nível de estoque adequado para atingi-los.

Nesse contexto, será apresentado um estudo de caso em relação à gestão de estoques de conjunto motor-bomba centrífugo submerso (CMBCS), para atender a demanda do setor de manutenção, a fim de manter em operação um conjunto de 105 poços tubulares profundos (PTPs), em uma empresa que possui 250 em operação.

Em geral, essa empresa não possui poços em condições de entrar em operação, mas ociosos, o que consistiria numa “reserva quente”, ou seja, caso se precisasse, este seria colocado em funcionamento enquanto se daria a manutenção em outro.

Devido a esse fato, há a necessidade de se haver equipamentos reservas para em caso de falha ser possível substituí-lo, o que se caracteriza a “reserva fria”. Adiciona-se a este problema o fato de muitas unidades consumidoras serem atendidas exclusivamente por PTPs, não havendo, portando, a possibilidade de intervenções operacionais que permitam o atendimento ao cliente externo, durante a manutenção do objeto.

Além disso, vale ressaltar que o custo para retirar um CMBCS e levá-lo para conserto sem colocar um reserva em operação, para depois instalá-lo novamente, é considerável, pois praticamente duplica os gastos com movimentação de equipes e equipamentos, além do tempo produtivo que se perde, pois ele interfere diretamente no faturamento da empresa.

Adiciona-se ao contexto, o fato de os PTPs possuírem características distintas entre si, como vazão de explotação, altura manométrica, temperatura da água, o que faz com que o equipamento adequado normalmente seja distinto entre as unidades.

Ao se estabelecer um equipamento reserva específico para cada unidade operacional, pode-se incorrer em perdas para a empresa, a principal delas se deve ao custo de oportunidade do capital imobilizado, que fora utilizado para isso. Sabe-se, porém, que, ao se aceitar a perda de eficiência por se fazer um CMBS trabalhar fora do ponto ótimo de operação, mas dentro dos seus limites operacionais, é possível se definir um subconjunto de equipamentos que sejam capazes de atender a todas as possíveis demandas internas.

Neste trabalho, se apresenta um estudo de caso da metodologia utilizada para se definir a quantidade de equipamentos CMBS para atender as demandas internas dos setores de operação e manutenção de PTP em uma empresa de saneamento, os ganhos e perdas de sua utilização e seus resultados. Para isso, ele se subdivide em Introdução, Revisão da Literatura, Metodologia, Caracterização da área de estudo, Resultados e Conclusões.

Autores: Karlos Eduardo Arcanjo da Cruz; José Antônio Charão Cunha; Mariana Joyce Bezerra da Silva e Luiz Humberto Santos F. de Araújo.