BIBLIOTECA

Desenvolvimento de um sistema de eletrocoagulação para remoção de matéria coloidal de efluente real procedente de estação de tratamento de água industrial

Sistema de eletrocoagulação para remoção de matéria coloidal de efluente real procedente de estação de tratamento de água industrial

A crescente preocupação das empresas com o seu aumento na geração de resíduos, faz com que a busca por tratamentos alternativos com menores custos e mais eficazes para a remoção de contaminantes também cresçam, visto que as mesmas estão sujeitas a multas e processos legais caso não cumpram as normas exigidas por órgãos responsáveis para a liberação de efluentes industriais no meio ambiente.

O trabalho realizado apresenta uma projeção de sistema de eletrocoagulação com seus equipamentos e montagem do processo proposto como alternativa para tratamento de efluente industrial resultante de uma indústria farmacoquímica, além de discutir resultados de coagulação química (usando sais de ferro e de alumínio) e compará-los com os correspondentes à eletrocoagulação usando eletrodos metálicos concomitantes ao agente coagulante. Com isto, pretende-se, primeiro, determinar as condições mais adequadas para eletrocoagulação e comparar os resultados obtidos pelas duas tecnologias. No processo de coagulação química é observada uma boa eficiência na remoção de matéria coloidal do efluente tratado, tanto em termos de turbidez com a remoção de mais de 90% como de demanda química de oxigênio (DQO) com a remoção maior que 60% da matéria presente no efluente para a mesma dosagem de ambos os coagulantes químicos testados – 90 ppm, ainda assim o sulfato de alumínio apresentou uma eficácia ligeiramente menor que o coagulante de cloreto de ferro.

Na eletrocoagulação foi observada uma remoção bastante eficiente de ambos os eletrodos, apesar do eletrodo de ferro apresentar uma vantagem frente ao alumínio devido ao seu menor tempo de operação com uma remoção de 88% de turbidez em 10 minutos de processamento, em quanto o alumínio para a mesma remoção levaria um tempo mais prolongado de operação do sistema que seria maior que 80 minutos. Além disso, o processo tem como outra vantagem de não requerer correção do pH do efluente, além de uma diminuição da condutividade, já que não há adição extra de sais em solução devido a sua geração in situ. Com isso a eletrocoagulação com eletrodos de ferro torna-se um processo vantajoso frente à coagulação química para tratamento de um efluente industrial de origem farmacêutica. Finalmente são apresentados cálculos preliminares simples para montagem de uma estação de tratamento de efluentes por esta tecnologia.

Palavras Chaves: Efluente industrial, Coagulação Química, Eletrocoagulação.

Leia o artigo completo: Desenvolvimento de um sistema de eletrocoagulação para remoção de matéria coloidal de efluente real procedente de estação de tratamento de água industrial