NOTÍCIAS

Sistemas de análise de águas residuais de última geração serão a chave para proteger a saúde pública no futuro

O COVID-19 desencadeou a pior crise de saúde pública de nossas vidas, mas também revelou alguns de nossos heróis e ativos mais fortes.

De repente, as águas residuais são uma importante fonte de dados e insights para resolver problemas, além do escopo da gestão tradicional da água

análise de água

Imagem ilustrativa Canva – Análise de água

Os profissionais de saúde, cientistas de vacinas e funcionários da cadeia de suprimentos, que ajudaram o mundo a operar durante o lockdown do coronavírus, merecem todos os nossos elogios.

Mas uma ajuda poderosa atraiu muito menos atenção, e é a peça-chave da infraestrutura que ajudou a detectar, rastrear e preparar para o próximo surto do vírus mortal. Além do mais, poderia desempenhar um papel vital na prevenção para que crises como essa não aconteça novamente.

Esgotos: nossa arma secreta

Embora a infraestrutura de águas residuais tenha sido tradicionalmente invisível – geralmente não pensamos nisso porque simplesmente funciona – as concessionárias a transformaram em uma ferramenta fundamental para combater a pandemia.

Novas tecnologias permitiram que trabalhadores de serviços públicos e cientistas mapeassem e previssem a disseminação do COVID-19 em mais de 50 países, 200 universidades e 1.000 locais, tudo por meio de análises avançadas de águas residuais.

Engenheiros e cientistas de saúde pública concluíram que a tecnologia avançada de águas residuais pode ajudar a nos proteger do próximo contágio, bem como acompanhar outras sérias preocupações de saúde pública.

A tecnologia já está sendo usada para rastrear e deter poluidores industriais, traficantes de drogas e desastres ambientais em rios e oceanos.

Tudo isso aponta para a necessidade urgente de atualizar os sistemas de teste e análise de efluentes com tecnologia de ponta. Essa atualização precisa ser uma prioridade para os formuladores de políticas públicas tomarem decisões de gastos, como parte da legislação de infraestrutura de US$ 1,2 trilhão recentemente sancionada pelo presidente Biden nos Estados Unidos.


 

LEIA TAMBÉM: ESGOTO FALA


 

As conquistas tecnológicas com águas residuais durante a pandemia de coronavírus foram notáveis.

Um sistema automatizado de teste de águas residuais encontrou quase 85% de todos os casos de COVID em um campus universitário de San Diego. A tecnologia era poderosa o suficiente para detectar uma única pessoa infectada e assintomática em um dormitório – até três dias antes que os testes individuais pudessem produzir resultados claros.

Uma companhia aérea usou testes de águas residuais para encontrar COVID em passageiros em voos internacionais que chegam a Dubai. Os sistemas de alerta precoce por meio de águas residuais também ajudaram a detectar vários casos assintomáticos em Hong Kong.

Na Flórida, pesquisadores de saúde dizem que o monitoramento de águas residuais revelou surtos de COVID em prisões e lares de idosos quatro a seis dias antes de qualquer aumento nos relatos de casos ou hospitalizações.

Há um bom argumento de que o uso de epidemiologia baseada em águas residuais fornece a imagem mais precisa do status de COVID de uma comunidade.

Cerca de 30% de todas as pessoas com COVID são assintomáticas e normalmente não são testadas. Eles podem espalhar a doença sem saber.

Embora muitas pessoas não façam o teste, todas vão ao banheiro. Nas águas residuais, os engenheiros podem rastrear o COVID de pessoas sintomáticas e assintomáticas.

Como uma ferramenta de alerta precoce, a epidemiologia baseada em águas residuais ajudou as autoridades de saúde pública a isolar os infectados e preparar os hospitais para surtos de pacientes hospitalares doentes, estocando medicamentos e ventiladores.

Vigilância de águas residuais além do COVID

Em Israel, as autoridades de saúde encontraram e contiveram um surto de poliomielite em 2013-2014 por meio do monitoramento de águas residuais. Ao investigar a composição molecular do vírus encontrado no esgoto local, os cientistas concluíram que o vírus veio do Paquistão, depois se espalhou para Israel, Egito e Síria.

Anos antes do coronavírus, os cientistas aprenderam com as águas residuais no Oriente Médio uma lição crucial de saúde pública: até as fronteiras políticas mais fortemente protegidas estão abertas à propagação de doenças.

A aplicação da lei também tomou conhecimento dos detalhes reveladores nas águas residuais. Cientistas nos EUA, Bélgica, Alemanha, Holanda e Espanha monitoraram o esgoto para rastrear o uso de drogas ilegais, incluindo opióides, cocaína e metanfetaminas. Na China, as autoridades usaram a análise de águas residuais para rastrear e prender fabricantes de medicamentos.

Ao monitorar os níveis de drogas nas águas residuais, as autoridades chinesas concluíram que o uso de metanfetaminas caiu 42% e o uso de cetamina diminuiu 67% após grandes repressões policiais.

A inclusão de tecnologias inteligentes ao tratamento de águas residuais geralmente aumenta em 2 a 5% o preço geral da infraestrutura, mas esses investimentos mais do que se pagam por meio da melhoria da saúde pública.

A COVID não foi a primeira pandemia e não será a última. Uma lição que devemos aprender com esse lockdown é que o monitoramento de águas residuais pode ajudar a prevenir e mitigar a próxima crise de saúde pública.

Fonte: Water Online
Autor: Ari Goldfarb

Adaptado para Portal Tratamento de Água
Traduzido por Jaqueline Morinelli


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: RECUPERAÇÃO DE FLORESTAS, COMO O BNDES QUER ACELERAR

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM FRANCA TEM POTENCIAL PARA DOBRAR, CONFORME PLANEJAMENTO DA SABESP