NOTÍCIAS

O papel dos rios no transporte de resíduos plásticos para o mar

Atualmente, o plástico é um dos materiais que mais usamos no nosso dia a dia e também o mais abundante entre os resíduos que geramos

 

rio-plastico

Imagem Ilustrativa

Esse problema ambiental em escala mundial tem sido amplamente estudado nos mares e oceanos e, recentemente, também foi evidenciado nos rios.

Como o plástico se tornou um problema ambiental?

O primeiro polímero totalmente sintético foi feito pela primeira vez em 1909 pelo químico Leo Baekeland, que o nomeou Baquelita. A baquelite representou um novo material, oferecendo uma infinidade de propriedades como durabilidade, flexibilidade e resistência, além de baixo preço de produção. Essas vantagens fizeram dele o primeiro plástico comercial. Ao mesmo tempo, abriu as portas para uma nova era de materiais sintéticos que mudaria completamente o mundo e nosso dia a dia.

Desde então, a produção de plásticos aumentou exponencialmente. Um número estimado de 8,3 bilhões de toneladas de plástico foram produzidos até 2015. A maioria foi gerada nos últimos 20 anos e são principalmente embalagens, caracterizadas por uma vida útil geralmente curta que rapidamente os transforma em resíduos.

Esse aumento na produção de plásticos coincidiu com o aumento na produção de resíduos plásticos, que está estimada em cerca de 6,3 bilhões de toneladas. Mas o problema é ainda mais sério quando olhamos para a gestão desses resíduos.

De todos os resíduos plásticos produzidos no mundo, estima-se que apenas 9% foram reciclados, enquanto 12% foram incinerados e a maioria, 79%, se acumulam em aterros ou no meio ambiente, dependendo da eficiência na coleta e gestão de resíduos pelos países onde são gerados ou consumidos.

Além disso, devido à durabilidade e resistência características do plástico que popularizou seu uso, os resíduos plásticos apresentam taxas de degradação muito lentas que favorecem seu acúmulo no meio ano após ano, por isso é considerado poluente persistente.

Por exemplo, a taxa de degradação das garrafas plásticas, um dos detritos marinhos mais frequentes, é estimada em 450 anos. E durante essa lenta degradação, esses resíduos de plástico podem criar pequenas partículas de plástico (menos de 5 milímetros), chamadas microplásticos . Suas consequências ambientais e de saúde ainda são desconhecidas, apesar das altas concentrações registradas nos mares e oceanos.

Em suma, a alta demanda por plástico aumentou exponencialmente sua produção. Isso levou a uma geração crescente de resíduos de plástico que se acumulam em grande parte em aterros sanitários ou no meio ambiente, de modo que a poluição do plástico em nosso meio ambiente está se tornando mais evidente a cada dia.

Evidência científica de contaminação por plástico

As primeiras evidências dessa contaminação foram obtidas em 1972, quando foi publicado o primeiro artigo científico que relatava a presença de resíduos plásticos no oceano, especificamente no Mar dos Sargaços, em pleno Atlântico Norte.

Desde então, as evidências de poluição por plástico aumentaram exponencialmente, principalmente nos ecossistemas marinhos, que têm sido os ecossistemas mais estudados. Plásticos foram documentados em ilhas remotas do Pacífico, fossas profundas e no Oceano Ártico. A poluição do plástico é um problema ambiental global.

Cinco ilhas de plástico também foram descritas. Essas grandes áreas de aglomerados de plástico se acumulam em cada um dos giros subtropicais oceânicos localizados em ambos os lados do Equador, devido ao vento e às correntes oceânicas.

poluição-plastico

Imagem Ilustrativa

De onde vem todo esse lixo?

Os resíduos de plástico que encontramos nos ecossistemas marinhos vêm em grande parte da contribuição da terra. Um estudo liderado pela pesquisadora Jenna Jambeck, da Universidade da Geórgia, estimou que 8 milhões de toneladas de plástico foram despejadas no mar de áreas costeiras em 2010. Isso seria equivalente a jogar 5 sacos de lixo cheios no mar a cada 30 cm de costa global. E isso em apenas um ano!

Ano após ano, os resíduos acumulam-se nos mares e oceanos, onde interferem no desenvolvimento das espécies marinhas e no funcionamento do ecossistema. Por exemplo, vários estudos têm mostrado que sacolas plásticas podem ser armadilhas mortais para pássaros e tartarugas marinhas, principalmente devido ao emaranhamento, que limita o movimento, a respiração ou a ingestão.

Além da estimativa feita pela equipe de Jambeck, poucos estudos investigaram a origem dos resíduos plásticos encontrados no mar. Por exemplo, praticamente não há evidências sobre o papel dos rios nessa contribuição.

Se revisarmos todos os estudos científicos publicados até 2015 em relação à poluição por plásticos, vemos que 87% se concentrou em ecossistemas marinhos, enquanto apenas 13% em ecossistemas de água doce, como rios, onde é praticamente desconhecido.


LEIA TAMBÉM: ALGAS: A RESPOSTA PARA A CRISE DO PLÁSTICO?


Rios de plástico

Os rios podem coletar e transportar resíduos mal gerenciados das populações do interior para o mar. Portanto, eles podem ter um papel relevante na contribuição dos plásticos para o mar. Com base nessa hipótese, estudo publicado em 2017, e liderado pelo pesquisador Laurent Lebreton, estimou que entre 1,1 e 2,4 milhões de toneladas de plástico eram transportadas anualmente por rios para o mar, com contribuição majoritária dos rios asiáticos.
Para verificar essas estimativas e desenhar métodos de gestão eficazes com base em evidências científicas, é necessário aumentar o número de estudos realizados nesses sistemas fluviais.

Agrupando todos os dados obtidos nos poucos estudos realizados até 2020, foram determinados os macroplásticos mais comuns nos rios da Europa. Do total de resíduos encontrados, 59% foram plásticos descartáveis, relacionados aos nossos hábitos de consumo e, principalmente, embalagens de alimentos, garrafas e tampas e sacolas plásticas.

Ciência cidadã para rastrear o desperdício

Muitos dos dados coletados neste estudo vieram de observações de cidadãos. A ciência cidadã pode ser uma boa opção para obter dados em grandes escalas espaciais e temporais e, ao mesmo tempo, aumentar a consciência pública sobre este problema ambiental e o efeito dos nossos hábitos de consumo.

Os plásticos mais comuns detectados nos rios coincidiram também com os mais comuns nas praias europeias, conforme corroborado por uma iniciativa de cidadania promovida pela Agência Europeia do Ambiente desde 2014, que reportou que cerca de 80% dos resíduos que vão para o mar são plásticos, principalmente sacos e garrafas.

Outra iniciativa de ciência cidadã que também contribuiu para aumentar o conhecimento sobre a poluição do plástico nos rios europeus foi o projeto “Plastic Pirates”. Se trata de um projeto de ciência cidadã escolar coordenado pela Universidade de Kiel, na Alemanha, que tem como objetivo determinar as principais fontes e tipos de resíduos nos rios, através de amostragens na margem do rio, e que tem obtido resultados bastante relevantes neste momento.

Por exemplo, durante o ano letivo 2016-2017, este projeto envolveu 360 grupos de escolas amostrando rios em toda a Alemanha. Os dados obtidos determinaram que plástico (33%) e bitucas de cigarro (20%) foram os resíduos mais frequentes nos rios amostrados, e que a principal fonte desses resíduos pode vir principalmente de visitas recreativas ao rio.

Da mesma forma, na Catalunha iniciou em 2019 o projeto de ciência cidadã nas escolas denominado “Pescadores de Plástico” , que visa estudar a presença de resíduos plásticos na escala da bacia em diferentes rios catalães. Este é um projeto coordenado pelo Centro Tecnológico BETA da Universidade de Vic que recebeu financiamento da Fundação Espanhola para a Ciência e Tecnologia (FECYT), do Ministério da Ciência e Inovação.

Na última edição deste projeto, cerca de 1.225 alunos de diferentes centros educacionais catalães amostraram 49 seções de estudo distribuídas ao longo de quatro bacias hidrográficas. Em todos eles encontraram resíduos na margem do rio. Desses resíduos, quase metade (48%) eram plásticos, dos quais 86% descartáveis, com predomínio de sacolas plásticas e embalagens de alimentos.

Atualmente, a ciência cidadã está ajudando a entender melhor as causas e consequências da poluição por plásticos, também em rios, onde os resultados obtidos até agora parecem confirmar que também é relevante.

Os dados parecem indicar que os plásticos de uso único são os mais prevalentes nesses ecossistemas, como já foi visto no ecossistema marinho e em áreas costeiras. Isso confirma, mais uma vez, que modificar nossos hábitos de consumo é fundamental para enfrentar esse problema ambiental.

De qualquer forma, muitos mais estudos ainda são necessários para identificar as principais fontes desses resíduos, os principais fatores que determinam seu transporte e as possíveis interações destes com a estrutura e funcionamento dos ecossistemas aquáticos. Todas essas informações podem ajudar a desenhar e implementar estratégias para reduzir o acúmulo de resíduos no meio ambiente. Muito provavelmente, essas estratégias deveriam começar modificando nossos hábitos de consumo.

Referência: The Conversation
Autora: Meritxell Abril – Investigados – Ecologia Aplicada e Mudança Global, Universidade de Vic – Universidade Central da Catalunia

Adaptado por Portal Saneamento Básico
Traduzido por Jaqueline Morinelli


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: HIDROGÊNIO VERDE: O COMBUSTÍVEL DO FUTURO

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: RESTAURAR PASTOS PODE ECONOMIZAR R$ 58,8 MILHÕES EM TRATAMENTO DE ÁGUA