Notícias

‘Pai das águas do Brasil’, 43,8% do Cerrado hoje é utilizado para agropecuária, diz MapBiomas

Publicado em 10/05/2021 às 10:30:35

Com mais de 2 milhões de km², o bioma é habitado por mais de 320 mil espécies de seres vivos; entretanto, com aumento do nível de desmatamento, a projeção é de que 480 espécies endêmicas sejam extintas até o ano de 2050

 

cerrado

Imagem Ilustrativa

 

Chamado de ‘pai das águas do Brasil’, o bioma Cerrado é conhecido por sua enorme biodiversidade e por ser o berço dos grandes rios brasileiros. Apesar do estereótipo da vegetação aberta e savânica com árvores retorcidas realmente fazerem parte de sua ambientação, é preciso reconhecer que suas características vão além desta paisagem. Hoje, segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Emprapa), o Cerrado brasileiro abarca 78% das águas da Bacia do rio Araguaia, 70% das do rio São Francisco e 48% das do Rio Paraná – que tem origem dentro deste bioma.

Predominante na parte mais centralizada do país, o Cerrado pode ser encontrado em 13 estados brasileiros, marcando maior presença em Goiás, Tocantins, Maranhão, Piauí, Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo e Distrito Federal. No entanto, mesmo que em pequenas porções, o bioma ainda aparece em estados do Sul do Brasil, como o Paraná, e ao Norte, no Amapá, Pará, Roraima, Rondônia e até Amazonas.

Seus mais de 2 milhões de quilômetros quadrados que podem ser representados pelo tamanho de mais de 200 milhões de campos de futebol, ocupam quase 24% do território nacional e é habitado por mais de 320 mil espécies de seres vivos, entre plantas, animais e até vírus. Além da cena típica que, em uma tela, pode ser pintada com cores quentes, representando o campo limpo, o cerrado típico e o cerradão, esse bioma também abriga florestas, matas que seguem cursos d’água e até resquícios de florestas da Mata Atlântica.

Apesar de sua grande riqueza natural – que pode ser ressaltada ao ser considerada a formação savânica mais biodiversa do mundo, de acordo com o Instituto Nacional e Pesquisas Espaciais (INPE) – sua história, especialmente após a segunda metade do século 20, foi marcada por atos de exploração que se intensificam a cada dia e causam maiores danos do que se há consciência em grande parte da população que compõe o país.

Para o professor e diretor da Escola de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade Federal de Goiás (UFG), Emiliano Lôbo de Godoi, o processo de degradação do bioma cerrado pode ser visto de forma mais efetiva a partir da inauguração de Brasília, no ano de 1960.

“Com a construção da nova capital brasileira, se teve uma grande ocupação da área do cerrado, dentro de uma política pública de ocupação, onde várias diretrizes foram traçadas”, diz.

O professor ainda explica que a própria criação da Embrapa teve participação nessa ocupação, pelo grande avanço na agricultura que proporcionou, mas mostra que esse aspecto deve ser visto por dois lados.

“A Embrapa permitiu uma exploração agrícola mais adequada, com técnicas específicas para o cerrado. No entanto, essa ocupação foi feita de forma muito intensiva, minando grande parcela do bioma”, completou.

Cerrado convertido em expansão agropecuária

Ao descrever traços do Cerrado, a bióloga, que também é doutora em Ecologia e Evolução pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Nathalia Machado, chama atenção para os solos, que são profundos e, consequentemente, demandam uma vegetação de raízes longas, para que o lençol freático seja alcançado por elas.

“Ao desmatar a vegetação nativa do cerrado, toda a dinâmica hídrica fica comprometida”, explica a bióloga.

Apesar disso, dados levantados pelo Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo do Brasil (MapBiomas), que realizou uma evolução anual da cobertura e de uso da terra no Cerrado, entre os anos de 1985 e 2019, somente 53% do Cerrado brasileiro ainda é composto por vegetação nativa. Isso, porque por meio do Projeto de Mapeamento do Desmatamento do Cerrado com Imagens de Satélite (PRODES), o Instituto Nacional e Pesquisas Espaciais (INPE) mostra que entre 2000 e 2017, mais de 253.726,2 km² – número que pode ser convertido a 14 mil km² por ano – de vegetação do bioma foram desmatados por conversão do solo à usos como a pastagem e a agricultura.

Ainda pelos dados disponibilizados pelo Mapbiomas, 43,8% do Cerrado é utilizado para agropecuária, o que é resultado do aumento de 61 milhões para 86 milhões de hectares registrado entre 1985 e 2019.

“A taxa de conversão da vegetação nativa do Cerrado em uso humano, nas últimas décadas, é gigantesca. Isso acontece, porque esse é um bioma muito propício à mecanização, ao contar com uma área muito plana e ter muita água”, esclarece Fernando.

Para a bióloga, esses números são alarmantes. “Nas últimas décadas, entramos cada vez mais intensamente em um processo de industrialização e processamento desses materiais, transformando-os em objetos que levaram séculos para serem degradados e reinseridos nos ciclos naturais. Tudo isso, movidos pela indústria do petróleo, seja pelo plástico, pelos combustíveis ou pelos fertilizantes químicos. Estamos trocando serviços ecossistêmicos vitais por incontáveis inutilidades que ao fim, causam diversos tipos de poluição e degradação ambiental. Além disso, a esse intenso processo de industrialização, soma-se a má gestão do solo, em especial pelas práticas da agropecuária. Tudo isso consome o Cerrado a um ritmo alarmante”, considera Nathalia.

Falta de água, perda de biodivesidade e mudanças climáticas

Com o aumento da quantidade de área natural convertida a uso humano, consequências que já estão presentes no cotidiano da população goiana – e até brasileira, de modo geral. Para a bióloga Nathália Machado, já não se é mais possível falar sobre efeitos a médio e longo prazo, ao passo que “esse prazo já chegou”. “Quando pensamos em um colapso, pensamos que haverá um dia específico para começar. Mas a degradação vem aos poucos e vai se intensificando. Já estamos em colapso”, pontua

O biólogo Fernando Resende assinala o fato de o Cerrado ter se tornado o bioma brasileiro que mais emite carbono devido a mudanças no uso dos solos como uma das principais causas da qualidade e da disponibilidade dos recursos hídricos. Um estudo experimental do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que avalia condição da água nos biomas brasileiros, por exemplo, descreve o panorama dos recursos hídricos presentes no Cerrado.

“A qualidade da água foi impactada nos últimos anos. Isso está associado à perda de vegetação nativa. Se você tem menos vegetação nativa próximo aos rios, você protege menos os rios de erosão, perda de sedimento e nutrientes. Tendo águas com pior qualidade, gasta-se mais para tratar a água a ser utilizada, por exemplo”, esclarece.

Os dados levantados pelo IBGE, de 2010 a 2017, houve aumento de 27% na captação direta de água no Cerrado. Além disso, durante este período de sete anos, também foi detectado um processo de intensificação do uso da terra, sobretudo em termos de incremento em área agrícola nesta região. Essa demanda hídrica está concentrada nos setores de agricultura irrigada e abastecimento urbano.

Nesse período, a pesquisa ainda mostra a redução da quantidade de pontos de monitoramento que apresentaram bons níveis de Fósforo Total. “Isso pode, portanto, estar relacionada aos processos erosivos do solo e à poluição difusa desencadeados por essa expansão”, é explicado pelo Instituto.


LEIA TAMBÉM: ESTUDO EXPERIMENTAL ESTIMA VALOR DOS CORPOS HÍDRICOS NA CAPTAÇÃO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA


Professor da Escola de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade Federal de Goiás (UFG), Emiliano Lôbo de Godoi relembra as dificuldades já enfrentadas anualmente pela capital goiana e por outros municípios, como Anápolis e Cristalina, com a disponibilidade da água.

“Nos últimos 20 anos, a disponibilidade superficial na região do estado de Goiás foi bastante afetada. Quando se tem um desmatamento muito intensivo, também se tem a redução da infiltração de água no solo, e consequentemente, a diminuição da disponibilidade de água nos lençóis freáticos”, esclarece.

Emiliano ainda destaca a degradação do Cerrado como fator determinante à perda da biodiversidade do bioma, que acaba por aumentar a intensidade de pragas nas lavouras e de zoonoses, que são doenças que afetam seres humanos. Em abril de 2017, a revista científica Nature Ecology and Evolution publicou um estudo feito por um grupo de pesquisadores brasileiros que alertou que caso a conversão da vegetação em prol da expansão agropecuária se mantiver como está, cerca de 480 espécies endêmicas do Cerrado – que são as típicas do bioma – serão extintas até o ano de 2050. Essa seria a maior extinção de plantas do mundo desde o ano de 1500, que representa a chegada dos europeus no Brasil e o início da colonização e expansão pelo território.

As mudanças climáticas também são citadas como grandes e importantes consequências de todo esse processo.

“O aumento da emissão do carbono que fica estocado na biomassa da vegetação interfere nas mudanças climáticas. Quanto maior o desmatamento, maior a emissão de carbono e as mudanças climáticas, que impactam na regularização das chuvas em períodos de estiagem e promovem ondas de calor mais intensas”, esclarece o biólogo Fernando, em concordância com Emiliano.

Para o superintendente de Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) do Estado de Goiás, Robson Disarz, ao comparar a falta de recursos hídricos com as mudanças climáticas – no que tange às consequências da degradação do bioma –, a falta de água, por afetar mais diretamente à população, é capaz de causar maior conscientização social que a própria alteração do clima.

“A importância do cerrado é muito alta em relação aos recursos hídricos. As nascentes dos principais rios brasileiros estão no cerrado, então quando começa a faltar água, ou quando tem água demais, nos casos das enchentes, é mais perceptível para a sociedade. Isso acontece porque escala de noção é maior, e quando se tem uma noção mais rápida das consequências, como é o da seca, é mais fácil para a sociedade assimilar”, justifica Robson.

Políticas de fiscalização e as tecnologias como aliadas

As principais formas de se preservar um bioma, mas especialmente, conforme o superintendente da Semad, Robson Disarz, são relacionadas às ações individuais e às políticas de fiscalização. Ele explica que, no estado de Goiás, entre 2019 e 2020, as autuações de desmatamento irregular aumentaram em 1500%. Com a grande pulverização da degradação – que é realizada em grandes áreas – e a pouca quantidade de fiscais para inspecionar, a tecnologia se torna a principal aliada para que este trabalho seja feito.

É utilizado, portanto, é utilizado o sistema de monitoramento por satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que faz parte do Projeto de Monitoramento do Desmatamento no Cerrado Brasileiro por Satélite. Com objetivo de evitar o desmatamento ilegal, Robson ainda menciona a mudança no processo de licenciamento ambiental que ocorreu com o objetivo de agilizar os processos burocráticos. “Hoje, a análise de um processo que demoraria anos, leva semanas para ocorrer”, completa Robson.

Para o biólogo e doutor em Ecologia e Evolução pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Fernando Resende, entretanto, a falta de incentivos quando se trata da preservação do Cerrado, e de biomas savânicos como um todo, ainda é predominante. “Historicamente, tanto no Brasil quanto no exterior, existe uma preocupação muito maior para a conservação de biomas florestais. Há uma pressão internacional muito forte para a conservação da Amazonia, por exemplo. Enquanto isso, ecossistemas campestes ou savânicos, como o Cerrado, são deixados um pouco de lado. Não tem uma pressão nacional e internacional tão grande por sua conservação”, opina.

Quanto à falta de recursos financeiros à preservação do Cerrado por parte de organizações internacionais, Robson concorda, mas pontua que uma mudança gradual vem ocorrendo nesse aspecto e a importância do Cerrado vem se fazendo mais clara a cada dia que passa.

A importância de técnicas apropriadas e menos agressivas ao desmatamento, nesse momento, também se fazem necessárias. “É o momento de se pensar em práticas que compatibilizam o uso da agropecuária com a preservação, como o plantio direto, os sistemas agroflorestais e a agricultura orgânica”, explica o professor Emiliano. Também com a mesma finalidade, o biólogo Fernando ressalta a importância da técnica de se utilizar espaços já desmatadas para a agropecuária, ao invés de se converter novos espaços de terra.

O consenso entre os profissionais da área de preservação ambiental, portanto, é de que, apesar de existirem políticas que permitam a redução do impacto desses processos de utilização e de conversão do bioma, nem sempre estas são aplicadas – e quando são, entram em conflito com às que prejudicam a conservação.

“Existem políticas públicas que são favoráveis e outras que não. Algumas estimulam os instrumentos econômicos de gestão ambiental e são favoráveis à conservação do bioma. Já outras, enfraquecem os órgãos ambientais e são terríveis. São políticas pontuais que, muitas vezes, a questão ambiental acaba se perdendo no meio, e não no fim”, acrescenta Emiliano.

Como proteger o Cerrado?

Quando se fala de reverter a degradação ambiental, a bióloga Nathália Machado é crítica quanto às ações já adotadas até o momento e explica a necessidade de se envolver a sociedade como um todo e não se manter dependente das novas tecnologias.

“Não é uma questão simples. Precisamos de alfabetização ecológica e entender de fato como a natureza opera, e aplicar esse modo de operação em nossas ações, em vários níveis. Algumas leis municipais podem surgir a partir da demanda da população, como por exemplo a lei que proíbe o uso de canudos plásticos descartáveis. Porém, o grau de analfabetismo ecológico está tão alto, que mesmo que em intencionadas, muitas leis são mal elaboradas e não resolvem o problema com seriedade ou são mal embasadas”, pontua.

A conscientização e o reconhecimento da responsabilidade individual, assim, constituem o primeiro passo a ser dado para a reversão deste histórico. “Precisa existir o entendimento das causas dessa degradação: consumismo e má gestão dos recursos. A partir daí, se pode pensar em como reduzir esse impacto e, mais que isso, como reverter o impacto que já foi gerado. Ações individuais aparentemente tem pouco impacto, mas quando cada ação de cada indivíduo vai se somando, temos uma tendência em um grupo cada vez maior, que vai se retroalimentando. Além disso, as empresas estão de olho nessas tendências, criando produtos para atender essa demanda”, diz Nathália.

Para Emiliano, o indivíduo faz tanto parte do problema, quanto da solução. Portanto, a partir do momento em que o consumidor, que ‘faz o mercado’, adotar ações de consumo responsável, se preocupando com o processo produtivo e evitando o desperdício, mudanças poderão ocorrer.

“Pouco podemos fazer individualmente, além de ações pontuais, mas é possível reduzir o consumo de produtos industrializados, se informar sobre como um produto, melhorar a gestão do recurso na sua casa e aumentar a área permeável das residências, por exemplo. Se organizar coletivamente e pressionar vereadores para trabalhar em cima de pautas ambientais é outra ação extremamente importante e com maior eficiência também”, complementa a bióloga Nathália.

A educação e a conscientização ambiental, para o superintendente da Semad, Robson Disarz, são cruciais para que todo a busca pela preservação seja realmente eficaz, ao passo que promove o desenvolvimento do senso crítico e a conectividade entre a produção e a conservação.

“É preciso fazer com que se entenda o porquê é importante conservar, separar o lixo e racionar o uso da água, e não criar aquela visão de que essas medidas devem ser aplicadas ‘somente quando é necessário’, com risco de ter o corte de água, por exemplo. É importante para um convívio com a sustentabilidade em um futuro próximo, para que a gente consiga de fato produzir, com o menor impacto possível”, conclui Robson.

Fonte: Jornal Opção.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: VÍDEO MOSTRA PROTEÍNA CAPAZ DE IMPEDIR INFECÇÃO DO VÍRUS DA COVID

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: FRANCA/SP ALERTA PARA RISCO DE FALTA D’ÁGUA COM CHUVAS 66% ABAIXO DA MÉDIA E QUEDA EM VAZÃO DE RIOS


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *