NOTÍCIAS

Mudanças climáticas e o abastecimento de água nas cidades

Empresas, governo e sociedade devem fazer uso sustentável da água para mitigar problemas.

agua

A ONU-Água –interagência responsável por coordenar os esforços de todas as Organizações das Nações Unidas com os desafios relacionados com a água– é categórica: a água é o principal meio pelo qual sentiremos os efeitos das mudanças climáticas.

A disponibilidade dos recursos hídricos está se tornando menos previsível em muitos lugares que sofrem com as estiagens, e, ao mesmo tempo, o aumento da incidência de enchentes ameaça destruir instalações de saneamento, contaminar as fontes de água, sem falar da fatalidade para vidas humanas.

Nesse cenário, a forma como lidamos com a água, como sinaliza a ONU-Água, desempenha um papel fundamental na mitigação e adaptação aos efeitos das mudanças climáticas em curso. É necessária uma visão integrada e sustentável dos usos dos recursos hídricos para seus múltiplos fins, como para a atividade industrial, a agricultura e, especialmente, para o consumo humano.

Agora, em 2021, os efeitos do La Niña agravam o quadro, provocando a falta de chuvas nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e, principalmente, Sul. Nesse contexto, as operadoras de saneamento são desafiadas a assegurar o abastecimento das crescentes populações urbanas.

Segundo a Política Nacional de Recursos Hídricos, instituída pela Lei 9.433/1997, “em situações de escassez, o uso prioritário dos recursos hídricos é o consumo humano e a dessedentação de animais”. E tem como objetivo primeiro “assegurar à atual e às futuras gerações a necessária disponibilidade de água, em padrões de qualidade adequados aos respectivos usos”.

Até chegar à fase da estiagem que começa a comprometer o abastecimento das cidades, a baixa no ciclo hidrológico já acarreta impactos como o aumento das tarifas elétricas e a redução da produção agrícola, uma das principais consumidoras de recursos aquíferos. O que se busca nessas esferas é mudar a matriz energética e intensificar, no agronegócio, práticas sustentáveis mais eficientes. Mas isso é parte da solução.

Mesmo com a atuação da ANA (Agência Nacional de Águas), ainda há o que se trilhar, junto a órgãos ambientais e reguladores regionais, na criação de grupos técnicos nos comitês de bacias hidrográficas. Especialmente no Centro-Oeste, no Norte e no Nordeste, é necessária uma melhor proteção das nascentes, uma gestão técnica dos recursos para seus múltiplos fins (populações, agricultura, indústria etc.) e um aprimoramento dos critérios de concessão de outorgas para captação de água. Enquanto no Sul e Sudeste esses comitês são consolidados e atuantes, no Centro-Oeste, a partir da estiagem e queimadas ocorridas em 2020, começa-se a ter cada vez mais a atenção dos órgãos ambientais para essa questão.


LEIA TAMBÉM: Ampliação da ETE Pinheirinho em Vinhedo/SP vai quase dobrar a capacidade de tratamento de esgoto


Empresas de Saneamento

As operadoras de saneamento, que têm a água como eixo fundamental de sua atuação, vêm se adaptando ao longo do tempo com a alteração da sazonalidade do regime de chuvas. O setor tem sua atenção primeira na preservação dos mananciais, tanto na proteção das áreas de captação de água quanto na redução das contaminações dos corpos hídricos com a o tratamento dos esgotos.

Em 2020, quando a região noroeste do interior do Estado de São Paulo sofreu com a falta de chuvas, algumas medidas preventivas contribuíram com um aprendizado que evolui à medida que se desenvolvem os modelos climáticos decorrentes do aquecimento global. As providências empregadas no ano passado no município de Mirassol (SP), por exemplo, minimizaram os efeitos da estiagem, não sendo necessária a implementação de rodízios no abastecimento, como ocorreu em cidades vizinhas.

Mas, com a perspectiva de escalada dos períodos de seca no futuro e com a projeção do crescimento populacional, essas iniciativas precisam ser ampliadas. Hoje já se desenham planos de segurança hídrica que projetam ações para mitigar contextos mais severos de desabastecimento das populações daqui a 10 anos.

A busca por melhorias operacionais compõe o cardápio de iniciativas para assegurar a regularidade do abastecimento. Ações como combate a perdas e o uso de sistemas inteligentes preditivos para promover uma melhor eficiência das redes de distribuição são algumas das medidas adotadas. Ao mesmo tempo, táticas de outra ordem já estão desenhadas para o combate ao período crítico da estiagem ainda neste ano. Como a adoção de reservatórios flexíveis –que são extremamente rápidos para serem colocados em operação–, originalmente usados em operações do exército israelense.

Nessa batalha, a população tem um papel importante. Muitas residências ainda não possuem reservatórios individuais para armazenamento. Em outra vertente, é necessário ainda que as pessoas adotem cada vez mais, e não apenas nas estiagens, o combate ao desperdício da água, que precisa ser usada de forma racional.

A atenção para o uso sustentável dos recursos hídricos é um caminho necessário e sem volta, que necessita da união de esforços das empresas, dos governos e das pessoas. Só assim poderemos assegurar nosso bem-estar diante deste novo normal ditado pelas mudanças climáticas.

Por: PAULA VIOLANTE

Fonte: Poder 360.