NOTÍCIAS

Empresas buscam certificações de práticas ambientais para atrair investimentos

Empresas buscam certificações  – Pequenos e médios negócios são maioria nesse movimento e apostam na chancela para expandir

A comprovação de práticas sustentáveis por meio de certificações tem ajudado empresas na captação de investimentos. Pequenos e médios negócios são maioria nesse movimento e apostam na chancela para expandir, buscando fundos específicos para empreendimentos verdes

Empresas buscam certificações

Foto Divulgação do Canva (Empresas buscam certificações de práticas ambientais para atrair investimentos )

No Sistema B, que avalia aspectos de meio ambiente, comunidade, governança, funcionários e clientes, cresceu quase 260% o número de negócios certificados entre 2017 e 2022, indo de 60 para 215 empresas. As certificações concedidas ganharam fôlego nos dois últimos anos: foram 29 em 2019, 39 no ano seguinte e 45 em 2021.

Já a Sociedade Vegetariana Brasileira concedeu o selo de produto vegano a 240 empresas entre 2017 e 2021. Dessas, cerca de 44% são de pequeno porte e 32% são médias. O cenário combina com o interesse do público. As buscas no Google por ESG, sigla para boas práticas ambientais, de governança e sociais nas empresas, crescem desde 2020 e atingiram o pico de popularidade na última semana de abril deste ano.

“A pandemia gerou muitos questionamentos e combinou com momentos políticos e socioambientais fortes”, diz Cinthia Gherardi, diretora de marketing do Sistema B. “O conceito do ESG traz essa visão de que sustentabilidade é algo integrado, que inclui social, ambiental e governança.”

Empresas de pequeno e médio portes representam 86,5% das B certificadas, e a verificação inclui um questionário com mais de 200 perguntas. Negócios usam a certificação como atrativo para investidores. Essa é a aposta do grupo Casa Feito Brasil, das marcas Feito Brasil e Quintal Dermocosméticos.

O negócio se prepara para o primeiro aporte, com início das negociações no próximo semestre. Empresa B desde 2019, a companhia tem o selo EcoCert de cosméticos orgânicos e naturais.

Para o CEO Giulio Peron, as empresas do futuro são sustentáveis e o futuro do grupo é a expansão. “A pauta ESG é muito importante para os fundos de investimento, nossos parceiros estão olhando isso com muita cautela e existem fundos específicos.”

Além da bandeira verde, ele diz ser essencial ter sustentabilidade social e financeira. Desde 2018, a empresa tem dado saltos na receita. De 2019 para cá, obteve crescimento de 82%.


 

LEIA TAMBÉM: AEROPORTO INTERNACIONAL DE BH RECEBE CERTIFICAÇÃO POR USO DE ENERGIA 100% LIMPA


Qualificação

No caso da Insecta Shoes, única Empresa B de calçados no Brasil e certificada em 2016, o investimento de R$ 300 mil veio em 2018, um smart money (aporte qualificado, que inclui consultoria) que levou investidores para o dia a dia do negócio.

“O certificado com certeza validou nosso posicionamento e trouxe mais seriedade para os nossos desafios de sustentabilidade”, diz Barbara Mattivy, sócia-fundadora. No ano passado, a Insecta captou R$ 1,8 milhão em três meses numa rodada de equity crowdfunding (financiamento coletivo de investidores) junto à Platta, que atua com negócios de impacto.

Quem também aproveita esse ecossistema é a empresa de leites veganos Nude, que usufruiu do benefício de ser, primeiro, uma Empresa B Pendente.

“Se a empresa ainda não tem um ano fiscal, pode entrar com pedido dessa certificação, que ajuda a pensar em várias coisas que não estão no radar”, diz a cofundadora Giovanna Meneghel.

Lançada em 2020, a marca tornou-se B em outubro. Em janeiro, recebeu aporte de R$ 25 milhões, vindos de um fundo de impacto.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: CNN Brasil


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: RAMBOLL | RELATÓRIO ANUAL 2021: O PARCEIRO PARA MUDANÇAS SUSTENTÁVEIS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: DUPONT™ OXYMEM™ AJUDA A EXPANDIR A CAPACIDADE E MELHORAR A QUALIDADE DO EFLUENTE DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS EM LANZHOU, CHINA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
ALADYR pede ação imediata sobre mudança climática após desastre no Rio Grande do Sul

ALADYR pede ação imediata sobre mudança climática após desastre no Rio Grande do Sul

Diante do impacto das chuvas no Rio Grande do Sul, que afetaram centenas de milhares, a ALADYR pede aos governos e entidades privadas que acelerem a implementação de políticas de adaptação e mitigação do climática. A organização destaca a importância de atualizar a legislação, promover o reúso de água e adotar inovações como o modelo de “cidade esponja” para enfrentar efetivamente esses desafios iminentes

Continuar lendo »