NOTÍCIAS

Dia Mundial das Áreas Úmidas 2022: Agir pelas áreas úmidas é agir pela humanidade

Dia Mundial das Áreas Úmidas – 2022 deve ser um ano diferente para o planeta e, portanto, para a humanidade. Depois de dois anos vivendo uma pandemia que paralisou o mundo, nos mostrou a facilidade com que podemos entrar em colapso, mas também a oportunidade de ver com outros olhos o papel que a natureza tem em nossas vidas.

02 de Fevereiro – Dia Mundial das Áreas Úmidas, decretado pela Convenção sobre Áreas Úmidas (Ramsar) em 1971, é comemorado pela primeira vez, oficialmente, no contexto das Nações Unidas

Imagem Pixabay – áreas pumidas

A aprovação pela Assembleia Geral da ONU como dia internacional é apenas um vislumbre da ação global imediata e duradoura que pode sair de nossas mãos para enfrentar as crises sanitária e climática.

Sob o tema deste ano “ Ação em Áreas Úmidas para Pessoas e Natureza ”, o Dia Mundial das Áreas Úmidas 2022 destaca a importância de garantir que as áreas húmidas sejam conservadas e usadas de forma sustentável e inteligente.

É um apelo focado em intensificar a ação e investir na conservação, gestão e restauração de áreas húmidas, como uma solução eficaz para travar as crises de perda de biodiversidade e mudanças climáticas .

Valorização das áreas úmidas

Atualmente, as áreas úmidas cobrem aproximadamente 6% da superfície terrestre do planeta, porém, segundo a Convenção, quase 90% estão degradadas desde o século XVIII e estão desaparecendo três vezes mais rápido que as florestas.

Para valorizar as áreas úmidas como necessárias para enfrentar os problemas atuais, é necessário estar ciente de seus múltiplos benefícios, pois são ecossistemas de fundamental importância, que contribuem para a biodiversidade, mitigação e adaptação às mudanças climáticas, disponibilidade de água doce, economias mundiais, entre outros.

Nesse sentido, a perda de áreas úmidas não afeta apenas o planeta, mas também as pessoas. Considerando que há 2,2 bilhões de pessoas sem água potável e 485.000 delas morrendo a cada ano e, que a insegurança hídrica foi um dos principais motivos de conflito em pelo menos 45 países em 2017, saber que as áreas úmidas fornecem quase toda a nossa água doce, deve ser mais do que razão suficiente para valorizá-los com três ações principais:

  • Identificando os múltiplos benefícios e soluções baseadas na natureza que eles oferecem.
  • Reconhecer a importância das áreas úmidas através da valorização económica.
  • Garantir que as políticas e a tomada de decisões reflitam o valor total das áreas úmidas.

Gerenciar áreas úmidas

A perda de áreas úmidas afeta as pessoas, principalmente em termos de escassez de água, exposição a inundações e eventos climáticos extremos, perda de meios de subsistência e bem-estar e insegurança alimentar.

Quanto ao planeta, a diminuição da biodiversidade, o aumento das emissões de carbono e metano e a perda da filtragem natural da água doce, também nos afetam diretamente.

É por isso que o uso racional das áreas úmidas requer, não só a compreensão das consequências imediatas da sua perda e degradação, mas também dos fatores que as impulsionam para abordar as causas que as originam:

  • Extração excessiva de água para irrigação, produção de energia e abastecimento à indústria e residências.
  • Eles estão expostos à poluição causada por produtos químicos, plásticos e esgoto.
  • Sobrepesca.
  • Mudança climática.

A Convenção define o uso racional das zonas húmidas como “a manutenção do seu caráter ecológico, alcançada através da implementação de abordagens ecossistêmicas, no contexto do desenvolvimento sustentável”. É por isso que as medidas para promovê-lo passam pela aprovação de leis, políticas e planos nacionais de áreas úmidas, isoladamente ou como parte de iniciativas gerais; criar programas que incluam seu inventário, bem como vigilância, pesquisa, treinamento, educação e conscientização pública; e o desenvolvimento de planos integrados de manejo e uso racional de áreas úmidas.

Restaurar pântanos

Segundo a ONU , a restauração de ecossistemas é definida como um processo de reversão da degradação dos ecossistemas para recuperar sua funcionalidade ecológica, ou seja, melhorar a produtividade e a capacidade dos ecossistemas de atender às necessidades da sociedade.

Este Dia Mundial das Áreas Úmidas também faz parte da Década das Nações Unidas para a Restauração dos Ecossistemas 2021-2030 , uma grande oportunidade para reverter a degradação das zonas úmidas do nosso planeta.

Assim, a Convenção marca os seguintes elementos essenciais para a restauração das áreas úmidas:

  • Gerenciar a água.
  • Restabeleça a vegetação adequada.
  • Gerenciar a poluição.
  • Envolva as comunidades locais.
  • Estabelecer programas de colaboração público-privada.

Amo pântanos

O Dia Mundial das Áreas Úmidas é uma oportunidade para coordenar iniciativas globais, nacionais e locais para aumentar a conscientização sobre as áreas úmidas. Nossa capacidade de conservá-los depende, acima de tudo, de nossa vontade, mas também de nossa capacidade de promover uma maior conscientização e compreensão de seus muitos benefícios.


 

LEIA TAMBÉM: SUÉCIA SEDIARÁ O DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE 2022, COM TEMA “UMA SÓ TERRA”


Conheça as 10 maiores áreas úmidas do mundo

As áreas úmidas são ecossistemas únicos que devem ser protegidos devido à multiplicidade de benefícios que trazem ao ambiente e aos seres humanos. Conheça as dez maiores áreas úmidas do mundo nesta compilação de Águeda García de Durango, editora-chefe da iAgua .

1. Grande Pantanal (Brasil, Bolívia e Paraguai): Esta planície aluvial cobre a parte mais ocidental do Mato Gosso do Sul (Brasil) e partes da Bolívia e Paraguai. Com uma extensão que varia entre 140.000 km² e 220.000 km², dependendo da fonte consultada, também é conhecida pelos hispânicos como Laguna de Xarayes ou Laguna de Jarayes. Possui mais de 4.700 espécies, incluindo plantas e vertebrados.

pantanal Brasil

Imagem: Pixabay

2. Rio Negro (Brasil): este é o primeiro sítio RAMSAR em tamanho no mundo, ocupando mais de 120.000 km² no Brasil. O Rio Negro é o maior afluente da margem norte da bacia amazônica. Com mais de 1.500 km de extensão, é o maior rio de águas negras do mundo e mantém uma das maiores florestas tropicais preservadas do planeta. Inclui uma variedade de áreas úmidas peculiares a essa região, como florestas de igapó (águas pretas), savanas edáficas e arquipélagos fluviais, e compreende mais de 20 unidades de conservação.

rio negro Brasil

Imagem: Pixabay

3. Ngiri-Tumba-Maindombe (República Democrática do Congo): com cerca de 66.000 km², esta zona húmida situa-se à volta do Lago Tumba. A área transfronteiriça em que o sítio e o vizinho Lago Télé estão localizados na República do Congo contém a maior massa continental de água doce da África, tornando-a uma das zonas húmidas mais importantes da África e uma das maiores massas de água o mundo.

Ngiri-Tumba-Maindombe

Imagem: Wikiwand

 

4.  Queen Maud Gulf (Canadá): Este santuário de aves migratórias abrange mais de 62.780 km². O maior Sítio Ramsar do Canadá abrange uma vasta planície de tundra que inclui o oceano aberto, baías costeiras, zonas entre-marés, estuários de marés, deltas, rios de planície e lagos de água doce. É também um importante terreno fértil para gansos, gansos da neve e muitas outras aves aquáticas, bem como focas e grandes mamíferos.

Queen Maud Gulf (Canadá)

Imagem Mapcarta – domínio público

5. Principais afluentes (Congo):Composta por grandes extensões de terra ao longo do rio Congo, a área contém lagos, lagoas, pântanos e florestas inundadas e pantanosas que se juntam a rios permanentes e temporários, como os rios Ubangi, Sangha, Likouala-Mossaka e Alima (afluentes do Congo ). Uma grande variedade de plantas, macroinvertebrados, peixes, aves, répteis e mamíferos aquáticos vivem neste biótopo diversificado. Mamíferos ameaçados de extinção como o elefante da floresta, o gorila e o hipopótamo também estão presentes, e o local é um refúgio para espécies migratórias de aves e peixes. Tem cerca de 60.000 km², e sua grande importância para o desenvolvimento socioeconômico da sub-região vem do fato de que os rios Ubangi e Congo são usados ​​para o transporte de mercadorias entre a República Centro-Africana, Chade e o Oceano Atlântico.

Imagem: Wikipédia

6. Sudd (Sudão do Sul): Com 57.000 km², esta zona úmida tropical é composta por vários ecossistemas, desde águas abertas e vegetação submersa até vegetação marginal flutuante, florestas inundadas sazonalmente, campos de sequeiro e fluviais e matagal de várzea. As ameaças ao local incluem a exploração de petróleo (Sudd contém as maiores reservas de petróleo do Sudão do Sul) e o Projeto do Canal Jonglei. A infraestrutura, atualmente em espera, reduziria os fluxos da estação chuvosa e seca em 20% e 10%, respectivamente, afetando a ecologia da zona úmida e, consequentemente, seus habitantes.

Imagem: Wikipédia

7. Delta do Okavango (Botswana): Considerado um leque fluvial e não um delta, ocorre onde o rio Okavango desagua numa planície praticamente endorreica com um clima muito mais seco do que as suas cabeceiras. Localizado em uma região semiárida e sujeito a grandes flutuações na área inundada, o local inclui áreas úmidas permanentes e sazonais, várzeas ribeirinhas e um lago sazonal de água doce. A diversificada flora e fauna inclui 1.060 espécies de plantas diferentes, 32 espécies de grandes mamíferos, mais de 650 espécies de aves, 68 espécies de peixes e uma população de insetos altamente diversificada, incluindo espécies raras, ameaçadas e endêmicas. Possui cerca de 55.300 km² de extensão.

Delta do Okavango (Botswana

Imagem: Pixabay

8. Gueltas e Aïr Oasis (Níger):O local de 49.200 km² é um complexo de riachos temporários e permanentes, oásis e pântanos, situado no centro da parte Níger do deserto do Saara. Nele são encontradas inúmeras espécies ameaçadas de extinção, como a chita, a ovelha berberesa e a gazela Dorcas, classificadas como vulneráveis, bem como o Addax, que está criticamente ameaçado. Foram contadas 290 espécies de plantas com flores e 150 espécies de aves, incluindo as que residem permanentemente no local e as aves migratórias paleárticas. Também é valioso em termos arqueológicos e culturais, pois ali foram encontrados vestígios de cidades antigas, como a abandonada cidade tuaregue de Assodé, gravuras neolíticas que ilustram animais como girafas e elefantes, ambos extintos localmente, e objetos como como flechas.

Imagem: Wikipédia

9. Plaines d’inondation des Bahr Aouk et Salamat (Chade): o complexo de planícies aluviais, colinas, um lago, rios e lagoas localizado em uma depressão natural na fronteira com a República Centro-Africana tem uma área de 49.200 km² . O local desempenha um papel muito importante para a vida selvagem circundante, fornecendo criadouros para várias aves aquáticas migratórias e abrigando hipopótamos, leopardos, elefantes e diferentes espécies de antílopes. É também um local de desova e berçário para várias famílias de peixes, e é fundamental no controle de enchentes, recarga de águas subterrâneas, captura de sedimentos e regulação química das águas.

Imagem: Pixabay

10.  Esteros del Iberá (Argentina): na província de Corrientes é a reserva de água mais importante de todo o país. Seu nome significa “água brilhante” em guarani, e nela vivem mais de 400 espécies de plantas e animais. Faz parte de um sistema hidrográfico muito mais extenso: o macrossistema Iberá, de cerca de 45.000 km², no qual se desenvolve um ecossistema subtropical e tropical de enorme diversidade.

Imagem: Pixabay

Fonte: iagua
Adaptado para Portal Tratamento de Água
Traduzido por Jaqueline Morinelli


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: 4º FÓRUM SUL BRASILEIRO BIOGÁS E BIOMETANO

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: COM PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL, EMPRESA REAPROVEITA 100% DA ÁGUA NA FABRICAÇÃO DE CABOS DE MADEIRA