NOTÍCIAS

Dessalinização e reúso são debatidos no Congresso Internacional ALADYR Brasil 2022

Dessalinização e reúso – Nos dias 6 e 7 de abril de 2022 o Portal Tratamento de Água esteve presente no Congresso Internacional ALADYR Brasil que aconteceu na cidade de São Paulo.

A Associação Latino Americana de Dessalinização e Reúso, a ALADYR, reuniu importantes e renomados nomes do setor, com a participação especial de representantes de órgãos públicos e empresas privadas, que debateram e apresentaram os desafios, os casos de sucesso e as tecnologias de ponta para promover a dessalinização da água do mar e o reúso da água, permitindo assim a independência das condições climáticas e preservando nossos recursos hídricos para uma utilização consciente da água, em concordância com as boas práticas de desenvolvimento sustentável

 

Dessalinização e reúso

Foto Congresso Internacional Aladyr. Crédito: Jaqueline Morinelli

Sérgio Luiz Soares de Souza Costa, Secretário Nacional de Segurança Hídrica do Ministério do Desenvolvimento Regional abriu o evento com um discurso que enfatizou o compromisso do atual governo federal em investimentos para promover a segurança hídrica, destacando importantes obras da gestão atual que já foram entregues e outras em andamento.

“O Governo acredita na dessalinização e pretende investir, como forma de libertação do povo do nordeste brasileiro”, finaliza Sério Luiz

Discursou também sobre os Programas “Água Doce” e “Águas Brasileiras”, em parceria com instituições federais, estaduais, municipais e sociedade civil, que visa estabelecer uma política pública permanente de acesso à água de qualidade para o consumo humano por meio do aproveitamento sustentável de águas subterrâneas, incorporando cuidados técnicos, ambientais e sociais na implantação e gestão de sistemas de dessalinização no semiárido brasileiro, levando-se em consideração a característica da presença de sais nas águas subterrâneas desta região. Entre 2019 e 2020, 265 sistemas de dessalinização entraram em operação sendo: 4 no Ceará, 46 na Paraíba, 25 no Rio Grande do Norte, 20 no Piauí, 126 na Bahia e 44 em Alagoas.

Michel Marne, do Aquapolo, empresa constituída pela parceria entre a GS Inima e a Sabesp, apresentou um projeto piloto, que está sendo desenvolvido em parceria com a empresa Buckman, sobre a utilização da monocloramina como prevenção de crescimento microbiológico em sistemas de osmose reversa, visando a busca por inovações para aumentar sua eficiência operacional em conformidade com os fatores ESG.

No primeiro dia também teve um Painel para debater a dessalinização na costa sul-americana do Atlântico. Manuela Marinho, diretora presidente Compesa – Companhia Pernambucana de Saneamento, dividiu com os participantes a experiência da planta de dessalinização de Fernando de Noronha. Tarley Rezende Secchin, gerente de produção de energia da ArcelorMittal Brasil, apresentou o pacote de soluções utilizados pela empresa na gestão hídrica e que inclui a dessalinização e o reuso da água.

Pela Fluence, Manuel Garcia de La Mata, Gerente Geral da América do Sul e José Ramos, Gerente de Desenvolvimento de Negócios, falou sobre as plantas dessalinizadoras na Costa do Oceano Atlântico, com 4 plantas em andamento: Brasil – Fernando de Noronha/PE e Serra/ES; Argentina – Caleta Oliva e Puerto Deseado. Trouxe ainda uma reflexão sobre a viabilidade de uma planta de dessalinização: é caro?…depende, cada caso deve ser analisado de acordo com as suas especificidades.


 

LEIA TAMBÉM: AQUAPOLO ABRE AS APRESENTAÇÕES TÉCNICAS DA ALADYR 2022


 

Raul Tigre de Arruda Leitão, engenheiro da Cagece – Companhia de Água e Esgoto do Ceará, e Renan Carvalho, diretor de engenharia da Grupo Marquise, exibiram a questões contratuais e técnicas do projeto da Planta de Dessalinização de Água Marinha (Dessal) na Região Metropolitana de Fortaleza.

Noel Patt, chefe de obra da Serviços Públicos de Santa Cruz, compartilhou com os participantes do evento a experiência argentina em dessalinização de água, realizada pela Empresa de Serviços Públicos de Santa Cruz – Argentina.

“Eu acho que é uma boa oportunidade para nos encontrarmos novamente depois das restrições impostas pela pandemia. O fato de ter casos de sucesso de dessalinização na costa do atlântico da América do Sul nos dá a chance de promover esta fonte alternativa de água num território que não só tem o potencial, como também a necessidade”, afirma Manuel García de la Mata.

Quebras de paradigmas e utilização de Inteligência Artificial também foram apresentados pelas empresas H2O Inovation e Synauta.
As empresas DuPont e Toray apresentaram cases de sucesso através do uso de membranas MBR e Ultrafiltração, suas características e benefícios.

Ciro Marino da ABIQUIM fez uma apresentação especial sobre o Marco Legal do Saneamento e os futuros projetos de lei no setor, como o chamado Marco Hídrico (PL 4546/2021, em tramitação na Câmara dos Deputados), que prevê mais disponibilidade e segurança hídrica, bem como maiores benefícios para a Industria Química no Brasil.

O Gerente de Efluentes da Cetrel, Mauro Salatiel falou sobre os desafios na gestão de controle do processo de tratamento de efluentes em um Complexo Industrial Petroquímico, como o Polo de Camaçari na Bahia, responsável por cerca de 20% do PIB do Estado. A Cetrel atende 80 clientes de forma ininterrupta e possui uma das maiores estações de tratamento de efluentes industriais da América Latina e está atenda para as oportunidades e alternativas de reuso no Complexo.

Diogo Taranto da Opersan de forma disruptiva, baseou sua apresentação no livro “A Terra Inabalável” de David Wallace-Wells, que fala do aquecimento global e aborda diversas questões sobre o tema e um olhar para o futuro e propõe uma reflexão “não é sobre a ciência do aquecimento, é sobre o que o aquecimento significa para o modo como vivemos no planeta”. Por fim, apresentou o cenário do saneamento no Brasil e os contextos global e nacional do reúso e de que forma a Opersan tem atuado, com dois estudos de caso de reúso, um na indústria têxtil em Blumenau/SC e outro e outro num centro comercial no Rio de Janeiro/RJ.

Certamente que o assunto de dessalinização e reuso não se esgota por aqui, mas o Congresso da Aladyr propiciou uma discussão técnica e regulatória necessária, que deve ser continuada, com um olhar para o reúso potável, como demonstrou o Professor José Carlos Mierzwa e para a economia circular, como bem enfatizou Stela Goldenstein, coordenadora nacional do 2030 Water Resources Group, afinal “caro é não ter água”.

Para encerrar o Congresso, a GS Inima Industrial recebeu os participantes em uma visita técnica, de forma presencial e virtual, ao Aquapolo Ambiental.

Dessalinização e reúso

Foto Planta de Água de Reúso do Aquapolo. Crédito: Denise Akemi

Aquapolo

Foto Planta de Água de Reúso do Aquapolo. Crédito: Denise Akemi

Osmose reversa

Foto Skid de Osmose Reversa do Aquapolo. Crédito: Denise Akemi

Aquapolo

Foto Amostras das etapas de processo do Aquapolo. Crédito: Denise Akemi

A visita também foi disponibilizada de forma simultânea por meio do canal da ALADYR Brasil no Youtube.

Fonte: Denise Akemi e Jaqueline Morinelli para Portal Tratamento de Água


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: AMBICIOSO PROJETO AMBIENTAL QUE ATRAIU ARMINIO E JOÃO MOREIRA SALLES

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: PIONEIRA NA OLIVICULTURA, FAZENDA RAINHA CELEBRA SUCESSO DO AZEITE ORFEU NO MERCADO