BIBLIOTECA

Tratamento de esgotos sanitários e usos múltiplos de efluentes

Resumo

Apresenta-se uma síntese de trabalhos de pesquisa conduzidos ao longo de quatro anos em tratamento de esgotos sanitários, em um sistema UASB + BF + lagoas de polimento e utilização de efluentes em fertirrigaçăo e produção animal. A irrigação de forrageiras (Brachiaria e milho hidropônico) com efluente do sistema UASB +BF e seu fornecimento para alimentação de caprinos e bovinos não resultou em riscos reais ŕ saúde animal nem potenciais ŕ saúde humana. O sistema de lagoas de polimento mostrou-se eficiente na produção de efluentes, de acordo com as recomendações da OMS, para piscicultura e irrigação, logrando produção de hortaliças e peixes (tilápia do Nilo) de qualidade apta ao consumo. O potencial fertilizante e nutricional dos efluentes tratados demonstrou a possibilidade de sua aplicação em atividades produtivas com economia de insumos (adubo e ração).

Introdução

Em face da escassez de recursos hídricos, cresce, em todo o mundo, a consciência em torno da importância do uso racional da água, da necessidade de controle de perdas e desperdícios, somando-se à introdução definitiva, na agenda do milênio, do reuso de água. Dentre as alternativas possíveis, merece destaque a utilização de esgotos sanitários tratados, dados os seus inegáveis atrativos de natureza econômica, ambiental e social.

Não há dúvidas de que esgotos sanitários representam uma fonte potencial de água e nutrientes, que pode ser reaproveitada em irrigação, para a piscicultura, além de outras atividades. Na agricultura, o manejo-chave se encontra no balanço adequado entre a demanda de água e de nutrientes das plantas, além da observação aos problemas potenciais de salinidade, sodicidade e toxicidade. Em relação à qualidade da água para a piscicultura, o nitrogênio surge como fator limitante, dado ao seu potencial tóxico para os peixes, principalmente na forma de amônia. Porém, os aspectos sanitários podem constituir um obstáculo nautilização de esgotos sanitários, que, portanto, necessitam ser adequadamente tratados.

Neste sentido, destacam-se as lagoas de estabilização, particularmente as de polimento, em vista da elevada capacidade de remoção de patógenos e nutrientes; além disso, é considerável a biomassa que se desenvolve nas lagoas de estabilização, principalmente na forma de algas, sendo o cultivo de peixes planctófagos uma das alternativas de exploração das proteínas existentes nas algas.

Na mais complexa ou completa das situações, pode-se muito bem imaginar a múltipla utilização de efluentes de séries de lagoas para a irrigação restrita e/ou, irrestrita, de acordo com a respectiva qualidade microbiológica, adequando-se, além disso, à seleção de culturas e/ou, à opção pela piscicultura os variados teores de nutrientes possíveis de serem obtidos.

Apresenta-se, neste artigo, uma síntese de trabalhos de pesquisa conduzidos ao longo de quatro anos no âmbito do PROSAB (Programa de Pesquisa em Saneamento Básico, financiado pela FINEP), cujo objetivo é demonstrar a viabilidade da múltipla utilização de esgotos sanitários tratados em fertirrigaçăo e produção animal.

Autores: Rafael K. X. Bastos; Paula D. Bevilacqua; Camila A. B. Silva; Filipe L. Dornelas; Fernando A. L. de Assunção; Endrik N. Rios; Ana F. S. Silva; Anderson S. de Freitas e Giordana S. Costa.

 

leia-integra