BIBLIOTECA

Produção de biogás e biofertilizante através de um biodigestor alternativo usando dejetos de suínos

Resumo: Este trabalho tem por objetivo a construção de um biodigestor alternativo de escala reduzida e de montagem prática, utilizando materiais de baixo custo. O biodigestor foi construído através de um tambor de PVC de 200 litros, sua caixa de entrada é um cano de PVC com diâmetro de 100 milímetros e sua caixa saída é um registro de PVC de 50 milímetros. O gasômetro foi instalado no interior do tambor junto com a câmara de fermentação. Os dejetos utilizados para que ocorra a produção de biogás serão de suínos, pois é o mais viável neste caso, porque a produção de biogás é maior em relação à quantidade de dejetos. A utilização de biomassa como fonte de energia está em ascensão no Brasil e tem um resultado satisfatório, pois é um dos meios que converte esse resíduo em energia. Assim os produtores preservam o meio ambiente e aumentam a sustentabilidade da sua propriedade, e ainda reduz custos com energia.

Introdução: O crescimento da população mundial aumenta o consumo de alimentos. Para atender a demanda, a produção animal cresce em proporção similar e consequentemente a geração de resíduos, aumentando a preocupação com seu descarte sem afetar o meio ambiente. Os biodigestores foram desenvolvidos a fim de reutilizar os dejetos de forma ecologicamente correta. Transformando o material que seria descartado diretamente ao meio ambiente, podendo gerar doenças tanto ao homem quanto aos animais e danos a natureza, transformando-os em produtos que podem ser reutilizados na própria propriedade, gerando o biogás e o biofertilizante. Funcionam como uma câmara de fermentação, de construção e funcionamento simplificados. No qual os dejetos que seriam descartados são diluídos em água e sofrem um processo de biodigestão sem a presença de gás oxigênio, devido às ações de bactérias anaeróbicas, ou seja, que agem na ausência de oxigênio. Após a fermentação o dejeto é transformado em biofertilizante, liberando diferentes gases, principalmente o gás metano, chamado biogás. A utilização do biofertilizante na adubação em diferentes culturas apresentam ótimos resultados, pois reduzem a matéria orgânica que seria lançada no ecossistema e eliminam organismos transmissores de doenças, existentes nos dejetos. O uso do biogás é amplo, sua combustão pode alimentar motores, fogões, aquecedores para animais e outros equipamentos de queima direta, utilizados para acionar geradores de energia elétrica. Assim, reduz os custos dos produtores com energia elétrica e a compra de fertilizantes agrícola para as lavouras. Segundo Lucas Junior et al. (2006) com avanços dos estudos foram criados diferentes tipos de biodigestores no qual os mais conhecidos são: o Canadense, o Indiano e o Chinês. O que os diferencia, principalmente é o tipo de gasômetro, o modelo Canadense é feito por uma lona e tem um período de vida útil menor que os demais, pois são mais susceptíveis as ações da natureza e perfurações. O indiano é construído por uma estrutura metálica e o Chinês, por uma estrutura de alvenaria ou concreto armado. Todos possuem o mesmo princípio de funcionamento, fluxo contínuo, onde os dejetos entram pela caixa de entrada, acomodam-se na câmara de fermentação e após o período de fermentação é retirado pela caixa de descarga por onde sai o biofertilizante. O biogás então é armazenado no gasômetro e canalizado até o seu consumo final. Vale ressaltar que para uma boa produção de biogás é ideal manter a temperatura do dejeto em torno de 30°C e 35°C e um determinado tempo de retenção, no qual pode variar de acordo com o tipo de dejeto, pois inicialmente é liberado apenas gás carbônico (LUCAS JUNIOR et al., 2006). Costa (2009) destaca que uma das vantagens destes biodigestores é que o Brasil dispõe de condições climáticas favoráveis para explorar a imensa energia produzida por eles, podendo ser utilizado em substituição ao gás de cozinha e ao combustível líquido (querosene, gasolina e diesel) para o meio rural e urbano. Com isso, o Brasil reduziria uma significativa parcela de importação de derivados do petróleo.

Autores: Kauhan Vinícius Couto Ferreira de Capinam Macêdo e Raphaela Christina Costa Gomes.

Leia o estudo completo: producao-de-biogas-e-biofertilizante-atraves-de-um-biodigestor-alternativo-usando-dejetos-de-suinos