BIBLIOTECA

Pós-tratamento de efluentes de indústria de laticínios por processos de separação por membranas

Resumo

As indústrias de laticínios geram grandes volumes de efluentes em seus processos produtivos. Tal efluente se não tratado e lançado diretamente em corpos hídricos pode causar diversos problemas como eutrofização e eliminação da fauna aquática. Com padrões de lançamento mais restritivos, o interesse por processos de tratamento que gerem efluente tratado de maior qualidade ganham relevância. Os processos de separação por membranas têm despertado interesse especialmente pela capacidade de geração de efluentes de boa qualidade, através de sistemas compactos de tratamento e que não necessitam de produtos químicos, somente durante a limpeza das membranas. O presente estudo teve como objetivo estudar processos de separação por membranas no tratamento de efluente de um laticínio da região Oeste do Estado do Paraná. Foram utilizadas membranas de microfiltração e ultrafiltração, obtendo-se eficiências de tratamento de 100% para turbidez e sólidos sedimentáveis e acima de 90% para DQO e DBO.

Introdução

As indústrias são grandes consumidoras de água em seus processos produtivos, sendo responsáveis por, aproximadamente, 20% do consumo mundial de água (MILLER JR., 2008). A indústria de laticínios é responsável pelo consumo de elevado volume de água, sendo o recurso natural mais utilizado no setor. A necessidade dela ocorre, principalmente, pela manutenção de condições de limpeza, sanitárias e de higiene dentro dos setores de produção (MAGANHA, 2008).

Com padrões de lançamento de efluentes mais restritivos e a necessidade de preservação e conservação de recursos hídricos, torna-se fundamental o tratamento dos efluentes antes de seu lançamento.

Nesse sentido, torna-se importante o estudo para a proposição de métodos de tratamento de efluentes na indústria de laticínios, para a geração de efluentes de maior qualidade e que atendam aos padrões de lançamento previstos na legislação.

Os processos de separação por membranas têm ganhado destaque com relação ao tratamento de efluentes e a geração de águas de reúso. Em sistemas de separação por membranas são utilizadas membranas sintéticas, que imitam as características de seletividade das membranas naturais, no sentido de separar, concentrar ou purificar as substâncias presentes na água, tornando-a de melhor qualidade. Deve-se aplicar um gradiente de pressão hidráulica ou campo elétrico para que a separação ocorra (MIERZWA; HESPANHOL, 2005).

Um dos piores problemas citados pelos autores durante a operação dos sistemas de membranas é o decaimento do fluxo permeado com o tempo. Esse fenômeno é denominado de fouling ou colmatação da membrana (LAUTENSCHLAGER; FILHO; PEREIRA; 2009; HASAN, et al., 2013; GIACOBBO et al., 2010; SONG, 1998; VIDAL; CAMPOS; 2009).

Segundo Lautenschlager, Filho e Pereira (2009), a redução no fluxo permeado durante a filtração, aplicando-se pressão constante, ocorre devido à deposição de partículas coloidais e macromoléculas na superfície da membrana. Dessa forma, a limpeza da membrana deve ser realizada periodicamente durante a operação do sistema, para prevenir a possibilidade de colmatação extrema da membrana e até mesmo sua colmatação irreversível.

Os estudos utilizando os processos de separação por membranas tem variado muito, principalmente pela grande capacidade desse processo em concentrar, separar, purificar e tratar substâncias. Na área ambiental, principalmente nos últimos anos, houve diversos estudos utilizando as membranas, nos tratamentos de água, esgoto, efluentes industriais, entre outros.

O presente estudo consiste no tratamento de efluente de uma indústria de laticínios da região oeste do Estado do Paraná, por meio de membranas de microfiltração e ultrafiltração, verificando-se a eficiência do processo e o atendimento aos padrões de lançamento para esse tipo de efluente.

Autores: Douglas Felipe Galvão e Eliane Rodrigues dos Santos Gomes.

leia-integra