BIBLIOTECA

Influência da água de reuso na durabilidade do concreto

Resumo

Devido à poluição dos corpos hídricos, ao aumento da população mundial, ao crescimento das atividades industriais, aos longos períodos de estiagem, dentre outros fatores, houve um desequilíbrio na relação oferta e demanda por água potável. Uma possível solução para este problema é a substituição da água potável por outra com menor qualidade para atividades que exijam um menor padrão de potabilidade. A indústria da construção civil consome grande quantidade de água em suas atividades, sendo que o aço e o concreto são os materiais de construção com a maior quantidade de água incorporada, aquela que considera a água utilizada para extração, produção e transporte. A água de reuso surge como uma alternativa para a diminuição do consumo de água potável. O interesse por utilizar água de reuso na construção civil vem crescendo em momentos de escassez, como a crise hídrica que o Brasil enfrentou em 2014 e a constante preocupação com a sustentabilidade. Este trabalho utilizou água de reuso como água de amassamento do concreto, com o objetivo de reduzir o consumo de água potável. A água de reuso foi doada por uma estação de tratamento de esgoto, localizada na região metropolitana de Campinas (RMC). A qualidade da água foi analisada de acordo com a NBR 15900-1 (ABNT, 2009). Foram realizados ensaios experimentais com o concreto no estado fresco, endurecido e após exposição a ambientes agressivos, visando avaliar a influência da água de reuso nas características físicas e mecânicas de concreto. Inicialmente foi avaliada a influência da água de reuso no calor de hidratação de vários tipos de cimento Portland. Na sequência foram produzidos dois traços, um com água potável (referência) e outro com água de reuso, para os quais foram determinadas a consistência e as características de resistência à compressão, módulo de elasticidade, determinação da capacidade de absorção de água por imersão, e por capilaridade, determinação da penetração de íons cloro, carbonatação e a permeabilidade ao ar. Para tal, após 28 dias de cura em câmara úmida, parte dos corpos de prova foram ensaiados. Os demais foram divididos em 3 grupos: um foi mantido em câmara úmida como controle, outro grupo de corpos de prova foi exposto à intempérie até atingir às idades de 135 e 220 dias e o terceiro grupo foi exposto à ataque em solução salina até atingir as idades de 220 e 340 dias. Aos 28 dias a resistência à compressão do traço com água de reuso foi 8% menor do que para o traço com água potável. Em relação ao Módulo de Elasticidade, não houve variação significativa entre o traço produzido com água potável e o com água de reuso. As características do concreto que influenciam a durabilidade do concreto como a absorção de água por capilaridade e por imersão, permeabilidade ao ar, profundidade da carbonatação e de íons cloro não apresentaram diferenças significativas entre o concreto produzido com água de reuso e o com água potável. Foi observado que a determinação da presença de açúcares na água de reuso para a produção de concreto é um parâmetro de fundamental importância

Introdução

A água é um recurso essencial para garantir a vida na terra, ela ocupa aproximadamente 70% da superfície do planeta; por conta disso, a ideia de que a falta de água pode inviabilizar a vida humana parece radical, mas não é. Do volume de água no planeta apenas 2,5% é doce, e deste apenas 0,3% constitui a porção superficial de água presente em rios e lagos (MMA, 2005).

O aumento da população mundial e das atividades industriais, a poluição dos corpos hídricos e os períodos de estiagem, causam um desequilíbrio na relação de oferta e demanda por água necessária para atividades como consumo humano, uso na agropecuária e uso doméstico.

O mau uso da água vem causando sérios problemas ambientais, como poluição da água e do ar, contaminação do solo, extinção de animais e mudanças climáticas (MMA, 2005).

Mesmo países com recursos hídricos abundantes não estão livres de uma ameaça de crise. Estima-se que o Brasil possui cerca de 12% da disponibilidade de água doce do planeta, porém essa distribuição não é igualitária para todas as regiões. A região Norte concentra cerca de 80% do volume de água do País, no entanto apenas 5% da população brasileira mora nesta esta região (ANA; FIESP; SINDUSCON-SP, 2005). Além disso, o consumo está diretamente ligado ao nível cultural e social da população.

Devido aos problemas mencionados, nota-se que existe a necessidade do desenvolvimento de soluções que revertam a situação e minimizem os impactos das atividades humanas sob os recursos hídricos, uma das possibilidades é a diminuição do consumo de água potável. Essa redução pode ocorrer com o uso de água de chuva e reutilização de água, programas de conscientização para evitar o desperdício, instalação de dispositivos como arejadores e redutores de vazão em torneiras, identificação e correção de vazamentos, manutenção em boias e regulagem de válvulas.

O ciclo hidrológico é um sistema natural que produz água reciclada limpa e segura para ser utilizada. Através das atividades antrópicas a água é deteriorada, contudo pode ser recuperada e ter um novo uso, sendo que o nível de tratamento depende dos recursos disponíveis (HESPANHOL, 2002).

Devido ao aumento da demanda e a baixa disponibilidade, o custo da água tende a aumentar, elevando a sua participação no custo total de um empreendimento (PESSARELLO, 2008).

A utilização de água de reuso é possível em situações onde existe viabilidade de se utilizar água de menor qualidade para fins menos nobres, conservando a água potável para fins mais nobres, trazendo benefícios aos usuários, como o aumento da produtividade agrícola, a redução de custos com a compra de água e a preservação de aquíferos subterrâneos (RODRIGUES, 2005).

Apesar do aumento da utilização desta água, ainda não existe no Brasil uma legislação específica que regulamente esse setor, ou um sistema de informações sobre o reuso no País. De acordo com Almeida (2011) é necessário que o País crie projetos piloto, cujos resultados forneçam dados que possibilitem a formulação de diretrizes para a criação de normas e legislações adaptadas às características brasileiras.

Segundo Paes et al. (2010), a utilização de um sistema de reuso de água residencial (como a água descartada da máquina de lavar roupas) é importante como complemento ao abastecimento urbano, pois preserva a água potável para atendimento de necessidades que exigem a sua potabilidade, além de exigir menos dos sistemas públicos de água e esgoto.

As legislações sobre o lançamento de esgoto e qualidade da água potável e a divisão de águas em classes, definidas nas Resoluções 20 (1986) e 357 (2005) do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), podem fornecer subsídios para a elaboração de critérios adaptados à realidade nacional.

Na Figura 01 são apresentados os potenciais usos da água de reuso. Os esgotos industriais possuem menos opções de utilização devido às contaminações que essas águas sofrem durante os processos industriais, por isso o esgoto de fonte doméstica oferece mais opções de usos.

No Brasil os usos para a água de reuso são restritos para fins não potáveis como lavagem de ruas, irrigação paisagística e usos na construção civil, como terraplenagem e desobstrução de galerias…

Autora: Carolina Carneiro de Freitas Scaquetti.

Citação: http://tede.bibliotecadigital.puc-campinas.edu.br:8080/jspui/handle/tede/1464

leia-integra