BIBLIOTECA

Ensaios de biodegradabilidade e toxicidade aplicados a prevenção de poluição: prospecção tecnológica e oportunidade para P&D&I

Resumo

Este trabalho apresenta conceitos e metodologias para a realização de estudos de prospecção tecnológica, com objetivo de mapear as principais pesquisas básicas e aplicadas, referentes ao desenvolvimento tecnológico e científico de bioensaios e tem por objetivo levantar através de ferramentas de busca, em bancos de bases, um estudo de prospecção tecnológica dos principais ensaios de toxicidade mais utilizados na atualidade para a caracterização de produtos e resíduos quanto a sua toxicidade e biodegradabilidade ainda na fonte de geração.

Introdução

Os modelos de gestão ambiental propostos atualmente pelos países desenvolvidos como estratégia para substituir a abordagem de “fim-de-tubo” baseiam-se fundamentalmente no princípio de Prevenção da Poluição. O velho conceito de “fim-de-tubo” adotado no controle da poluição na década de 80, que preconiza o cumprimento de padrões de emissão através de medidas corretivas de controle de poluição, tornaram-se impotentes para lidar com os grandes problemas globais e regionais resultantes de alterações cumulativas ao longo dos anos, uma vez que nem sempre as técnicas de tratamento empregadas resultam na produção de um efluente para lançamento em corpo d’água desprovido de componentes que possam provocar efeitos tóxicos à vida aquática.

Os estudos ecotoxicológicos têm por finalidade avaliar as consequências e identificar os contaminantes com potencial de causar efeitos letais ou sub-letais quando introduzidos no ambiente de forma deliberada ou acidental; além de determinar sua natureza aguda ou crônica, em função da sinergia entre os compostos e o ambiente aquático no qual se encontram (BORRELY, 2001).

A publicação da Resolução CONAMA nº 430 reforça, na realidade brasileira e na forma de lei, a necessidade desse novo nível de monitoramento, estabelecendo as condições e padrões para lançamento de efluentes em corpos d’água com base no conceito de toxicidade, além de apresentar uma diretriz para a gestão dos efluentes (BRASIL, 2011).

Nessa perspectiva, a realização dos ensaios de toxicidade envolve o emprego de organismos-testes, espécies mantidas em laboratório cujos conhecimentos de sua biologia são suficientes para que possam ser utilizados como indicadores de toxicidade de uma amostra (ARENZON, A.; NETO, T.J.P, e GERBER, W.,2011). Atualmente se tem conhecimento de um número expressivo de organismos-testes e sua aplicação nos mais diversos tipos de águas residuárias, fornecem avaliações importantes que permitem alterar desde a matéria-prima até o tipo de tratamento na busca da produção mais limpa (P+L).

Esse trabalho teve por objetivo levantar através de ferramentas de busca, em bancos de bases, um estudo de prospecção tecnológica dos principais ensaios de toxicidade mais utilizados na atualidade para a caracterização de produtos e resíduos quanto a sua toxicidade e biodegradabilidade ainda na fonte de geração.
Essa prospecção estudada pode trazer inúmeros benefícios na melhoria de serviços prestados à população pela inserção de novos parâmetros de controle de qualidade de água e rapidez na intervenção quando necessária.

Autores: Iara Regina Soares Chao; Fábio Campos; e Eloísa Helena Cherbakian.