BIBLIOTECA

Água subterrânea para abastecimento: Estudo de caso em Cuiabá-MT

Resumo

O presente estudo teve por objetivo realizar processo investigativo para disponibilizar um diagnóstico de qualidade para os usuários da água subterrânea. Os pontos analisados foram levantados a partir da demanda apresentada pelos consumidores e visou, a princípio, levantar hipóteses de quais seriam as causas das problemáticas apresentadas pelos mesmos. Para tanto, o monitoramento da qualidade da água foi utilizado como ferramenta de estudo. A intenção principal é de mostrar para os usuários quais as características da água consumida e a relevância do seu estudo tanto no aspecto econômico quanto social e político. Ademais, é esperado que os administradores e órgãos fiscalizadores utilizem desse estudo como ferramenta para controle de qualidade da água de poços tubulares profundos, e, a partir dele possam sugerir medidas de conservação e preservação dos recursos hídricos subterrâneos, garantindo a disponibilidade hídrica para as atuais e futuras gerações, como preconiza a Lei do Saneamento. Além disso, o trabalho visa demonstrar como se faz o processo investigativo da qualidade de águas subterrâneas para que seja possível indicar o tratamento ideal para padronização da qualidade da água.

Introdução

Águas subterrâneas representam a principal fonte de abastecimento hídrico em muitas regiões do mundo, inclusive em alguns municípios no Brasil. A utilização da água subterrânea para esta finalidade depende da sua qualidade, que é definida pelo tipo e concentração dos constituintes químicos dissolvidos e as possíveis relações destes com a saúde humana (FEITOSA, 2000).

Nas sociedades modernas, a busca de conforto implica necessariamente num aumento considerável das necessidades diárias por água, já que os recursos hídricos têm profunda importância no desenvolvimento de diversas atividades, como o abastecimento para consumo humano. Embora a água seja um dos constituintes mais abundantes na biosfera, trata-se de um recurso escasso e finito, pois cerca de 99% da água existente no mundo não está disponível para o consumo humano (SEMA, 2002).

A água potável para consumo humano deve atender aos parâmetros dispostos na Portaria Consolidada GM/MS Nº 5, de 28 de setembro de 2017 (BRASIL, 2017) que trata dos procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e de seu padrão de potabilidade. Para águas subterrâneas, a qualidade da água deve atender, além da portaria supracitada, a Resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) nº 396, de 03 de abril de 2008 (BRASIL, 2008), que estabelece a classificação e as diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas.

Autores: Luiza Timo Manfio; Breno Moreira de Almeida e Margarida Marchetto.