NOTÍCIAS

Abastecimento de água dos EUA é vulnerável a ciberataques, admite funcionário

As ciberdefesas dos sistemas de abastecimento de água potável dos Estados Unidos são “absolutamente inadequadas” e vulneráveis a ataques de hackers em larga escala de hackers, disse um funcionário de alto escalão do governo americano, nesta quinta-feira (27), pedindo para não ser identificado.

O governo tentou atender a cibersegurança da infraestrutura, mas há limitações pelo fato de a grande maioria destes serviços ser oferecida por empresas privadas

Imagem ilustrativa

“Há uma resistência inadequada para igualar (as capacidades) do setor criminal”, disse o funcionário.

O tamanho do desafio ficou claro em maio do ano passado, quando um ataque deixou temporariamente fora de serviço o importante oleoduto Colonial Pipeline.

Funcionários que falaram com os repórteres, sob condição de anonimato, mostraram um plano para que as empresas de água cooperem com o governo para tentar selar as falhas de segurança.

Como acontece em outros setores, como elétrico e de gás, o programa é de adesão voluntária.


LEIA TAMBÉM: ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE PALM SPRINGS/EUA RECONHECIDA PELO PROGRAMA INOVADOR DE TESTES COVID-19


 

Outro problema é que existem cerca de 150.000 fornecedores de água diferentes para atender 300 milhões de americanos, segundo o funcionário ouvido pela AFP (agência de notícias Francesa). Também aumenta a vulnerabilidade o fato de se tratar de sistemas cada vez mais automatizados, com computadores que gerenciam o tratamento, o armazenamento e a distribuição.

“Esses processos, quero destacar, podem ser vulneráveis a ciberataques (…) Estamos particularmente preocupados que se lance um ciberataque para, por exemplo, manipular processos de tratamento e produzir água insegura, ou também para danificar infraestrutura hídrica, ou mesmo parar o fluxo de água”, completou esta fonte.

Fonte: Isto é dinheiro


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: CREA-SP PROMOVE O 3º ENCONTRO PAULISTA DE ENGENHARIA AMBIENTAL

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: NOVO DECRETO PERMITE GERAÇÃO EÓLICA EM ALTO MAR; ASSOCIAÇÃO VÊ “AVANÇO CRUCIAL”