Notícias

UF permite o uso de osmose reversa para desmineralização de água de planta de geração de energia

Publicado em 07/12/2018 às 11:31:09

Uma planta de energia em Buenos Aires precisava aumentar a produção de água desmineralizada e economizar dinheiro em gastos de funcionamento, porém a má qualidade da água bruta disponível em um rio próximo dificultou fazer a mudança da tecnologia de troca iônica para osmose reversa.

fluence-or

Sistema de desmineralização de água em Central Puerto

Este estudo de caso mostra como a Fluence instalou um sistema confiável de ultrafiltração + osmose reversa + CEDI, para produzir água desmineralizada reduzindo gastos de operação geral da planta.

Antecedentes

A planta de geração de energia Central Puerto em Buenos Aires, Argentina, precisava aumentar a produção de água desmineralizada para o uso em suas caldeiras de alta pressão, reduzindo os custos de operação. O objetivo da empresa foi substituir seu processo de desmineralização através de troca iônica por RO e economizar em custos de regeneração. A má qualidade da água de alimentação da planta era tanta que as membranas de RO teriam sido vítimas de uma rápida incrustação.

Após uma análise detalhada da qualidade da água bruta, a Fluence concluiu que utilizando ultrafiltração para pré-tratar a água do rio resolveria os problemas de incrustação e faria da RO uma opção eficiente.

Desafíos

A Central Puerto obtém sua água de alimentação do Rio de la Plata.

Análises de laboratório e amostras demostraram que a demanda bioquímica de oxigênio (DBO) e os níveis de carbono orgânico total (COT) foram maiores do que o habitual e que conseguir uma qualidade de água apta para as aplicações de alimentação de caldeiras (menos de 10 ppb de sílica) requeriam um pré-tratamento significativo. Testes com clarificação foram feitos, mas o índice de incrustação (SDI) da água clarificada ainda se manteve muito alto. Como resultado, foi evidente que o tratamento convencional prévio com filtros de areia não impediria a incrustação da membrana.

Leia a matéria na íntegra


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *