Notícias

Uso de tubulações de polietileno corrugado nas redes de drenagem pluvial ganha espaço no mercado nacional

Material tem sido empregado com frequência pelas prefeituras, pois apresenta maior resistência à abrasão, estanqueidade, vida útil prolongada e facilidade de instalação

 

ABPE

Uma rede de drenagem pluvial urbana, que dê vazão às águas de maneira eficiente, é essencial para evitar alagamentos e enchentes nas cidades, principalmente nos meses de grande quantidade de chuva.

No Brasil, as prefeituras responsáveis pela maioria dos projetos e implantações desse tipo de obra, perceberam que para atingir o resultado esperado e garantir o bom funcionamento das cidades, são necessários materiais adequados, e encontram nas tubulações de PEAD, importantes benefícios.

A exemplo do que acontece em outros países, os tubos corrugados de polietileno vem ganhando espaço em obras de construção civil, se consolidando no mercado nacional. O material apresenta maior resistência à abrasão, estanqueidade, vida útil prolongada e facilidade de instalação.

Na opinião do especialista em tubo PEAD e membro da Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas (ABPE), Eduardo Bertella, a aplicação do polietileno será irreversível nas áreas de drenagem urbana e de saneamento, além disso, vários segmentos da construção civil já entenderam que os tubos de PEAD podem ser utilizados em diferentes obras, como em rodovias, aeroportos, aterros sanitários, ferrovias, mineradoras, entre outras. Ele observa que, ao utilizarem o material, dificilmente irão retornar às tecnologias até então empregadas.

Produtividade de assentamento

O profissional ressalta que a produtividade de assentamento do tubo corrugado de PEAD é até oito vezes mais rápida, quando comparado com o de concreto de mesmo Diâmetro Nominal, e acrescenta que o  material é muito mais leve e imune ao risco de quebra por manuseio durante a instalação.

No que se refere ao desempenho hidráulico, devido ao coeficiente de Manning de 0,010, os tubos PEAD possuem capacidade de vazão, cerca de 30% superior aos de concreto de mesmo diâmetro interno, sendo possível em muitos projetos de conversão de redes em concreto para PEAD, a redução de diâmetros em trechos da rede sem perda da vazão de projeto.

Bertella esclarece ainda que no espaço urbano, devido a intervenções frequentes no subsolo,  é vantajosa a escolha de tubos com resiliência e resistência mecânica,  e os de PEAD corrugados são considerados flexíveis e suportam as movimentações de solo sem danificar a rede, sem trincas e mantendo a estanqueidade.

Baixa manutenção na rede

Além disso, do ponto de vista de Bertella,  outro benefício é a baixíssima manutenção de rede.

“Os tubos PEAD são denominados autolimpantes pois não encrustam sedimentos.  Em regiões litorâneas e solos ácidos ou de alta salinidade, são altamente recomendados, uma vez que não possuem armação/elementos metálicos sujeitos à corrosão”, justifica.


LEIA TAMBÉM: SANESSOL/SP INVESTE EM TECNOLOGIA PARA PESQUISA E MELHORIAS NO SISTEMA DE ESGOTO.


A resistência à abrasão é outra característica que eleva a um outro patamar este tipo de tubulação, como a ausência de furos ou incrustação. A durabilidade (vida últil superior a 50 anos) e estanqueidade, quando comparadas aos tubos utilizados nas redes com tecnologias de fabricação mais antigas são significativamente superiores a favor do PEAD.

“Mesmo que uma rede de drenagem pluvial deva receber apenas água de chuva, ocorre que tais redes no espaço urbano acabam recebendo esgoto clandestino, efluentes industriais, líquidos químicos corrosivos e materiais abrasivos”, conclui Bertella.

Manutenção e normas técnicas

Segundo Bertella, no Brasil, os tubos PEAD para drenagem e saneamento são fabricados segundo a norma ABNT NBR ISO 21138: sistemas de tubulações plásticas para drenagem e esgoto subterrâneos não pressurizados — Partes 1 e 3. Essa norma define critérios de produto e não a metodologia de instalação. Os fabricantes devem ser acessados para instruir a melhor forma dos tubos serem aplicados, considerando tipo de solo, berço, material de envoltória, reaterrro, nível de compactação, empuxo, cargas atuantes, etc. Seguindo as recomendações dos fabricantes, o instalador/operador terá uma rede estanque, resistente e longeva.

Sobre a ABPE

Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas – ABPE foi fundada em setembro de 1994 com o objetivo de divulgar e intensificar o uso de tubos e conexões plásticas em polietileno e polipropileno, assim como ordená-los normativamente em função de suas inúmeras aplicações. Tem a participação de integrantes da cadeia produtiva do segmento, desde os produtores de matéria-prima (resina e compostos), fabricantes de tubos e conexões, projetistas, prestadores de serviços, instaladores, laboratórios de ensaios, e usuários do sistema. A associação mantém um abrangente Programa de Garantia da Qualidade, com a finalidade de assegurar padrões rígidos de qualidade e orientar os interessados quanto ao uso adequado desses materiais.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *