NOTÍCIAS

SLU fecha contrato regular de cinco anos para tratar chorume no DF

A vencedora do certame é a empresa que já mantinha acordo emergencial com o governo, a Hydros Soluções Ambientais

 

chorume

 

O Serviço de Limpeza Urbana (SLU) assinou contrato regular de cinco anos com a empresa Hydros Soluções Ambientais para tratar o chorume do Aterro Sanitário de Brasília (ASB) e da Usina de Tratamento Mecânico e Biológico (UTMB). A empresa já atuava com contrato emergencial, sendo o último assinado em agosto deste ano, no valor de R$ 9,6 milhões.

A Hydros Soluções ambientais venceu o pregão para prestar o serviço com a estimativa de valores mensais em R$ 1,7 milhão nos meses de estiagem; e R$ 2,2 milhões nos meses chuvosos.

O edital para a concorrência foi reaberto, em 5 de outubro, após suspensão por determinação do Tribunal de Contas do DF (TCDF). A Corte de Contas só liberou o processo após ter questionamentos sobre o pregão eletrônico sanados. A previsão é que a empresa contratada possa tratar 705 mil m³ de chorume por ano.

O chorume é o produto líquido tóxico proveniente da decomposição da matéria orgânica, somado com a infiltração da água da chuva. A falta de tratamento pode acarretar contaminação de solo, rios e córregos da região.

O Aterro Sanitário de Brasília gera aproximadamente 1.100 m³ de chorume por dia durante a seca e 2.210 m³ por dia no período chuvoso. A Hydros Soluções Ambientais mantinha contrato emergencial desde 2019 e renovado em agosto deste ano.


LEIA TAMBÉM: PARCERIA ENTRE A UNICAMP E A PARIZOTTO REVOLUCIONA OS CONCEITOS DE APROVEITAMENTO DE EFLUENTES


Regularidade

Com o contrato regular firmado por cinco anos com o SLU, a prestação de serviço, de acordo com o GDF, trará economia aos cofres públicos, pois o valor pago por m³ tratado cai de R$ 48,76, no contrato emergencial, para R$ 33,62 no regular.

A empresa Hydros também será responsável pela instalação de todo o sistema de tratamento no ASB, com todos os insumos e equipamentos necessários à sua operação, além da transferência de chorume bruto entre as lagoas de armazenamento do aterro.

Todo mês a empresa deverá entregar um Relatório de Atividades e um Relatório de Análises Físico-Químicas e Microbiológicas do efluente bruto e do tratado para comprovar que o tratamento está dentro dos parâmetros de pureza exigidos pela Adasa.

Fonte: Metrópoles.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: DIAGNÓSTICO DA ÁGUA E DO ESGOTO SANITÁRIO DE PORTO ALEGRE/RS É CONCLUÍDO PELO BNDES

ÚLTIMAS NOTÍCIAS: GOVERNO PASSA À PREFEITURA DE MANAUS/AM ESTRUTURA PRONTA DA REDE DE ESGOTO