Notícias

Salto Grande/SP: 5% dos moradores do entorno lançam esgoto nas águas de forma irregular

Publicado em 26/09/2018 às 13:31:25
Categoria(s): Meio Ambiente,
Tags: esgoto, poluição, represa,

Alto nível de aguapés e poluição na represa de Salto Grande, em Americana (SP), tornou situação alarmante — Foto: Reprodução/EPTV

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) fez um levantamento de todas as casas e chácaras que ficam perto de Salto Grande em Americana (SP) e apenas 5% lançam esgoto de forma irregular na represa. O local sofre com a poluição e excesso de aguapés desde o início deste ano.

Segundo este estudo, é um problema pequeno perto da quantidade de esgoto que outras cidades lançam no sistema hídrico, e que acaba se acumulando no local.

De acordo com a Cetesb, 11 cidades que estão no curso dos rios que desaguam na represa de Salto Grande ainda não coletam ou tratam o esgoto de forma correta. A Companhia inclusive anunciou que busca ações para ampliar a coleta e tratamento de esgoto em três deles: Atibaia, Nazaré Paulista e Piracaia. O Ministério Público acompanha o caso.

A invasão dos aguapés é só o efeito de um problema ainda maior: o esgoto nas águas. A planta se alimenta de matérias orgânicas e, em pequenas quantidades, até ajuda a despoluir, mas, com tanta sujeira, elas crescem em excesso e prejudicam a oxigenação da água. Poucos peixes sobrevivem assim.

esgoto

Poluição desenfreada na represa de Salto Grande, em Americana (SP), piora situação — Foto: Reprodução/EPTV

Em um encontro com moradores, o Ministério Público cobrou da CPFL Renováveis a responsabilidade pela retirada das plantas, já que ela possui a concessão da represa para geração de energia e, por isso, tem a obrigação de manter as águas limpas.

“A empresa está adotando todas as medidas de continuidade do estudo para achar as melhores práticas para o controle e manejo das plantas aquáticas no reservatório”, afirma Fernando Di Franco, superintendente da CPFL Renováveis.

Sem resolver o lançamento de esgoto das outras cidades, o problema deve continuar. “Por hora nós aceitamos os paliativos mas, no final deste ano, eles vão concluir o estudo de um ano para apurar qual é a melhor técnica a ser empregada para erradicar as macrófitas [aguapés]”, diz Odair Dias, secretário de Meio Ambiente de Americana.

As prefeituras de Atibaia e Piracaia informaram que tomam providências para ampliar a coleta e tratamento de esgoto das cidades. Já a Prefeitura de Nazaré Paulista não deu resposta sobre a cobrança da Cetesb.

Fonte: G1.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *