Notícias

Sabesp regulariza ligações de água e esgoto na zona leste/SP e mais de 2 mil pessoas são beneficiadas

Com o objetivo de levar saneamento a áreas carentes, a Sabesp concluiu uma importante obra na comunidade Barbeiro de Sevilha, às margens do Córrego Oratório.

sabesp

 

Por meio da regularização de 463 ligações de água e 310 de ligações esgoto. A companhia levou qualidade de vida a mais de duas mil pessoas que vivem na região do Parque São Lucas, na Zona leste.

A ação começou em julho de 2017 quando apenas 247 imóveis da comunidade estavam conectados à rede de água da companhia e 67 tinham seu esgoto coletado. Com a conclusão dos trabalhos, esse número cresceu consideravelmente. No quesito esgoto coletado, por exemplo, o índice subiu de 27% para 67%, permitindo que  42 mil litros de efluentes por ano sejam encaminhados para tratamento na Estação ABC .

“Distribuir água, coletar e tratar esgoto representam a essência da Sabesp e, ao identificar uma comunidade na cidade de São Paulo, em que ainda falta esta infraestrutura é nossa missão buscar soluções técnicas e administrativas para viabilizar a rede para os moradores . Vencidos os desafios. Saímos da comunidade com a sensação de dever cumprido”, conta Regina Fernandes, gerente comercial da Sabesp no Escritório Regional Ipiranga.

Ligações de água e esgoto

Além dos ganhos em saúde. Já que os moradores não irão mais se abastecer clandestinamente e terão seus esgotos afastados e tratados. A obra também traz ganhos importantes para o meio ambiente. Evitando que esgoto seja despejado indevidamente no córrego. Outro resultado positivo diz respeito à cidadania. Com as regularizações, os novos clientes passam a ter como comprovar seu endereço por meio da conta de água, o que permite, por exemplo, matricular os filhos na escola.

“Aqui a gente sempre teve problema com a rede de esgoto que caía sempre dentro do rio. A Sabesp veio, fez um trabalho maravilhoso e a gente está muito satisfeito porque os esgotos estão todos canalizados”. Conta a moradora Francisca, que vive na comunidade desde 1978. “A comunidade mudou bastante depois que mudaram a rede de esgoto e de água. Agora, todo mundo tem um reloginho [hidrômetro] e, na minha opinião, está bom demais. Não tem mais aquele cheiro que tinha na rua, o esgoto não transborda mais, e é bom para a saúde das crianças”. Completa o morador Paulo, que reside há 25 anos na comunidade.

Fonte: sabesp


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *