Notícias

Prazo para entrega das obras para tratamento do esgoto de Bauru é renovado

Prefeita renova prazo para entrega das obras para tratamento do esgoto de Bauru

 

Obras ETE

 

Em seu segundo dia de governo, Suéllen Rosim visita obra da ETE que já sofreu diversos adiamentos desde 2015, foi alvo de CEI e está quase R$ 20 milhões mais cara que o projeto inicial. Previsão é entregar 1ª etapa em setembro deste ano.

 A obra que promete tratar todo o esgoto de Bauru (SP) recebeu nesta terça-feira (5) um novo prazo de entrega após inúmeros adiamentos e atrasos desde que teve início, em 2015. Segundo a prefeita Suéllen Rosim (Patriota), em setembro deste ano deve ser entregue a primeira etapa da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Vargem Limpa.

Em seu segundo dia à frente do Executivo bauruense, a prefeita visitou o canteiro de obras da ETE, na companhia da nova presidente do Departamento de Água e Esgoto (DAE), Flávia Souza, e de integrantes de equipe de governo que assumiu nesta segunda-feira (4).

 

“Tem gente nova trabalhando aqui, com projetistas do DAE dentro da obra, com equipe montada dentro da obra, porque temos de acompanhá-la dia a dia, o que já vem acontecendo desde o primeiro momento. Temos de ter a segurança de que a obra está em andamento. São muitos problemas, mas existem soluções para eles”, disse a prefeita durante a visita.

 

LEIA TAMBÉM: Sanepar fecha convênio com Itaipu para implantação de novos sistemas de coleta e tratamento de esgoto

 

A ETE de Bauru começou a ser construída em 2015 e deveria ter sido entregue em dezembro de 2016. Este foi apenas o primeiro prazo descumprido e dois prefeitos – Rodrigo Agostinho (PSB) e Clodoaldo Gazzetta (PSDB) passaram pelo Palácio das Cerejeiras sem conseguir finalizar a obra.

Problemas no projeto das estacas atrasaram e encareceram os serviços. O custo inicial do projeto, de R$ 129 milhões, já está estimado em mais R$ 146 milhões, alta provocada por atualizações monetárias e vários aditivos ao projeto.

Desse valor, R$ 98,3 milhões já foram pagos, com R$ 70 milhões do repasse do governo federal a fundo perdido, de um total de R$ 118,6 milhões previstos em convênio, e R$ 28,3 milhões de contrapartida municipal, com recursos do Fundo de Tratamento de Esgoto (FTE).

Uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) chegou a ser aberta na Câmara de Vereadores para investigar os atrasos, mas que terminou sem apontar culpados.

De acordo com a prefeita Suéllem Rosim, setembro agora é o novo prazo para entrega da primeira parte da obra. Com isso, segundo a prefeitura, já será possível tratar 100% do esgoto dos bauruenses.

Na visita feita pela prefeita, novos números surgiram: a obra física está em cerca de 50% de conclusão, enquanto o total já pago é de 70%, pois o valor envolve também a compra de equipamentos. Parte do material é importada e ainda vai chegar a Bauru. As frentes de trabalho atualmente contam com 150 funcionários.

 

“Estamos fazendo todo o levantamento, tomando pé do que estava acontecendo. A intenção é olhar para o passado, ver quais foram os erros e os acertos, e aí, a partir disso, passar a construir o plano de ação com a nova equipe. Precisamos desse levantamento para que a gente saiba para que lado ir com o mínimo de erros possível”, disse Flávia Souza.

 

FONTE: G1

 

ÚLTIMAS NOTÍCIASSemae multa concessionária por despejo de estações de esgoto no Rio Piracicaba

ÚLTIMAS NOTÍCIASCorsan investe para garantir abastecimento de água


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *