NOTÍCIAS

Jovem de 17 anos encontra solução para purificar água e ganha prêmio internacional

Ela tem trabalhado em pesquisas para solucionar este problema desde os 11 anos de idade.

O envolvimento mais profundo da norte-americana Maria Elena Grimmett com a ciência aconteceu por curiosidade. Quando tinha apenas 11 anos, a menina percebeu que a água disponível nas torneiras de sua casa estava amarelada. Sem saber a razão para isso, ela resolveu investigar.

20

Com base em diversos estudos acadêmicos, ela encontrou um jeito de retirar resíduos químicos da água.

Assim começava um trabalho de pesquisa que resultaria em um sistema eficiente e reconhecido pela comunidade acadêmica dos EUA. A água, proveniente de reservatórios na Flórida foi coletada e analisada pela adolescente, que identificou a presença de poluição de resíduos farmacêuticos, mais especificamente restos de sulfametazina, um elemento muito usado em vacas e porcos, mas altamente prejudicial à saúde.

Em entrevista ao Washington Post, ela explicou que ficou indignada com a situação. “Eu não podia imaginar como as pessoas deixavam isso acontecer”, comentou a garota. Mesmo tendo identificado o problema, ela não sossegou e os seus esforços passaram a ser dedicados à busca por uma solução para o problema.

Com base em diversos estudos acadêmicos, ela encontrou um jeito de retirar o resíduo químico da água. O experimento feito com uma resina chamada MN250 foi a solução. O material, semelhante a um plástico minúsculo e pegajoso, atrai o químico e permite que ele seja retirado da água. A descoberta se transformou em um estudo, com Maria Elena sendo a autora mais jovem a publicar um artigo científico no Jornal de Qualidade Ambiental.

Nesta semana, após seis anos de trabalho, ela foi uma das vencedoras do Prêmio Siemens de Matemática, Ciência e Tecnologia. A jovem recebeu como recompensa uma bolsa de estudos no valor de US$ 100 mil.

Fonte: Ciclo Vivo