NOTÍCIAS

GE fecha contrato de US$ 900 milhões para o projeto da termelétrica Porto de Sergipe (SE)

Prestes a completar um ano desde que foi realizada a aquisição da área de energia da Alstom, a americana General Electric (GE) fechou um contrato de US$ 900 milhões no Brasil. Trata-­se de uma encomenda para o projeto da termelétrica Porto de Sergipe, que será a maior usina a gás natural da América Latina. A informação foi dada pelo presidente da empresa para a América Latina, Rafael Santana, em entrevista exclusiva ao jornal “Valor”. O anúncio deve ser feito hoje ao mercado. O negócio envolve todos os equipamentos necessários para a construção da usina, desde as turbinas até as máquinas envolvidas nas obras civis, passando pelos sistemas de integração e monitoramento digitais. A empresa ainda fará a montagem e instalação dos equipamentos. Dentro do fornecimento, a GE diz que está utilizando sua capacidade local, principalmente as provenientes das plantas e equipamentos de Grid Solutions que são fabricados no Brasil. Há, também, equipamentos para geração de energia fornecidos pelas unidades dos EUA e da Europa.

A termelétrica pertence à Centrais Elétricas de Sergipe (Celse), empresa criada pela EBrasil Energia e pela Golar Power (uma joint venture entre a norueguesa Golar LNG e o fundo americano Stonepeak Infrastructure Partners) para executar o projeto. Segundo Santana, o escopo desse contrato marca uma inovação do modelo de contratos da GE. “Se a gente voltasse um ou dois anos atrás, seria comum a GE fornecer basicamente os equipamentos das turbinas. O valor do contrato seria de um terço do que temos hoje“, disse. Além disso, a GE está em “estágio avançado” na negociação de contratos de operação e manutenção da planta, disse o executivo. O modelo específico desse contrato, no entanto, ainda não foi fechado.

A energia da termelétrica foi contratada no leilão A­5 de maio de 2015, e a usina tem previsão de entrada em operação em janeiro de 2020, validade do contrato atual. Segundo o presidente da Celse, Eduardo Maranhão, o valor total do investimento na termoelétrica é de US$ 1,3 bilhão. A capacidade de geração da planta será de 1,516 MW e com taxa de eficiência de 62,22 %. Quando em funcionamento, e energia gerada pela usina deverá ser suficiente para abastecer cerca de 15 % da demanda do Nordeste, segundo a GE. A Celse vai construir um terminal de regaseificação de gás natural liquefeito (GNL) em Sergipe para abastecer a usina. Segundo Maranhão, o contrato de fornecimento de gás ainda não foi fechado, mas estão em tratativas finais para importar da ExxonMobil. O contrato deve ser assinado no início de novembro.

O setor de geração de energia é uma das grandes apostas da GE no Brasil e representa uma frente importante de atuação junto com os setores onde já está consolidada no país, como o de óleo e gás e aviação. No segmento de energia, a GE também vê oportunidades em transmissão e distribuição de energia, além das fontes renováveis eólica e solar. O grupo americano atua em pelo menos nove frentes de negócios no Brasil, sendo que três delas estão na área de energia ­ GE Power, a GE Renewable Energy e a GE Energy Connections. O setor de óleo e gás continua sendo o principal negócio da empresa no país, apesar da desaceleração dos contratos dos últimos anos, por conta da crise do petróleo e da redução do ritmo de investimentos da Petrobras. Na avaliação do executivo, a potencial vinda de estrangeiros para o segmento “pode acelerar, de alguma forma, a retomada dos investimentos.” De acordo com Santana, a previsão é de crescimento da receita do grupo no Brasil em 2016. Ele destaca que o país é um importante polo para a GE, figurando entre o terceiro e o quinto maior negócio em âmbito global. Santana assumiu o comando da GE na região em março deste ano e diz ver oportunidades significativas de ganhos de mercado no país. Mesmo em atividades atualmente menos movimentadas, como é o caso de ferrovias, o executivo defende a possibilidade de a GE atuar na modernização de frota, por exemplo. A empresa é uma das mais importantes fabricantes de locomotivas do país, com uma fábrica instalada em Contagem (MG). Há ainda a prestação de serviço que, segundo ele, “representa mais de 50% da oportunidade de crescimento de faturamento“. Em outra área de destaque, a aviação, na qual é líder global no fornecimento de motores a jato, componentes e sistemas integrados, a GE tem um investimento de US$ 45 milhões até 2017, para levantar uma nova unidade de fabricação em Três Rios (RJ). A GE Aviation já conta com a fábrica da Celma, de Petrópolis (RJ), primeira oficina do tipo a ser instalada pela empresa fora dos EUA.